IFRS NEWS

IFRS: Impairment de ativos intangíveis e goodwill

Os negócios e as operações de diversas organizações foram seriamente impactados pela rápida disseminação global da COVID-19 e pelas medidas governamentais adotadas para minimizar os efeitos da crise. Infelizmente, muitas empresas continuarão sendo afetadas por algum tempo e esse cenário traz consequências para o seu valor e o valor de muitos de seus ativos comerciais.

Nesse ambiente de incertezas, qualquer redução relacionada ao goodwill e outros ativos de longa duração tem potencial para diminuir materialmente os ganhos reportados. Embora impairment forneça apenas um indicador atrasado de impactos negativos, isso não reduz a importância de garantir que os valores reportados de goodwill e outros intangíveis reflitam um valor apropriado - o que inclui qualquer redução no valor, refletindo o impacto econômico da COVID-19. 

As equipes de gerenciamento que executam o teste de impairment podem achar esse requisito uma adição significativa à sua função no momento em que, mais do que nunca, a atenção total da gerência nas operações é crucial. Essa também é uma área que provavelmente estará sujeita a análise específica por auditores externos.

Acesse o material completo →

IAS 36 'Impairment de Ativos'

A IAS 36 visa garantir que os ativos relatados de uma entidade sejam contabilizados por valores que não excedam seus valores recuperáveis.

A IAS 36 define o valor recuperável de um ativo como o maior entre seu ‘valor justo menos custos de venda’ (FVLCD, da sigla em inglês) e seu ‘valor em uso’ (VIU, da sigla em inglês). O valor justo é definido como uma quantia que pode ser obtida em uma transação entre partes informadas e dispostas. A VIU é baseada em uma estimativa dos fluxos de caixa futuros que a entidade espera obter do uso de um ativo ou ‘unidade geradora de caixa’ associada (CGU, da sigla em inglês) em sua forma atual. É provável que a COVID-19 tenha impacto no FVLCD e no VIU.

Se o valor contábil de um ativo exceder seu valor recuperável, o ativo é deteriorado. A IAS 36 exige que a entidade registre o ativo pelo seu valor recuperável e reconheça uma perda por redução ao valor recuperável.

A IAS 36 exige, ainda, que os ativos intangíveis com vida útil indefinida (e quaisquer intangíveis ainda não prontos para o uso pretendido) e o goodwill sejam testados quanto à perda por redução ao valor recuperável pelo menos anualmente. Para outras classes de ativos que se enquadram no padrão, a entidade é obrigada a testar a perda de valor do ativo quando houver indicadores de perda no valor recuperável.

Confira também

A seguir estão algumas questões a serem consideradas pela administração na avaliação do impairment, juntamente com algumas orientações sobre a melhor forma de respondê-las:
A Covid-19 é um indicador de impairment na data do relatório?

Isso vai depender muito da data do relatório para a entidade. Para aqueles com final de ano de 31 de dezembro de 2019 ou anterior, a resposta provavelmente é não, pois a COVID-19 não foi considerada um problema significativo para a maioria das economias e empresas nessa data. No entanto, os padrões contábeis exigem divulgação sobre eventos relevantes que não requerem ajuste após a data do balanço, incluindo uma estimativa dos efeitos financeiros, quando possível. Aqueles com data de relatório de 31 de março de 2020 em diante precisam claramente considerar a COVID-19 como um indicador de impairment para fins de relatório financeiro.

Quais são os indicadores mais relevantes para a pandemia?

Exemplos detalhados de indicadores de impairment estão incluídos na IAS 36.12. Os indicadores mais relevantes estão incluídos a seguir. Dada a prevalência de alguns desses indicadores, incentivamos a administração a considerar e documentar cuidadosamente a presença desses fatores e as consequências que possam ter em suas demonstrações financeiras.

Indicadores externos

  • Indicadores observáveis ​​de redução de valor
  • Mudanças significativas com um efeito adverso sobre a entidade ocorreram durante o período no ambiente econômico em que a entidade opera ou no mercado ao qual um ativo é dedicado
  • O valor contábil dos ativos líquidos da entidade é maior que sua capitalização de mercado.

Indicadores internos

  • Ativos ficando ociosos
  • Evidência de que o desempenho econômico é pior que o esperado
  • Planeja alienar um ativo
  • Planos de reestruturação.
Quais ativos provavelmente serão afetados?

É provável que ativos de longo prazo sejam impactados. Esses incluem:

  • ativos de direito de uso decorrentes de contratos de arrendamento
  • imobilizado
  • intangíveis

Conforme mencionado, a IAS 36 exige que esses ativos sejam testados quanto à perda por redução ao valor recuperável quando indicadores de perda forem identificados. Esse teste é realizado para ativos individuais se eles gerarem entradas de caixa de maneira bastante independente. Para outros ativos e goodwill, o teste é principalmente por referência à CGU à qual o ativo pertence. Em alguns casos, é possível estimar com segurança o FVLCD no nível do ativo individual, mas o VIU apenas no nível da CGU. Se a estimativa do FVLCD mostrar que não há perda por redução ao valor recuperável, não é necessário testar também a CGU (IAS 36.22).

As entidades podem ter ativos sujeitos a testes de redução ao valor recuperável que não se qualificam como ativos de longa duração e não são ativos financeiros. Esses ativos devem ser avaliados quanto à perda por redução ao valor recuperável, pois podem ser impactados pela COVID-19, principalmente quando esses valores refletem transações históricas com terceiros nos quais a qualidade de crédito desses terceiros é agora questionada. Por exemplo, uma entidade pode ter pago antecipadamente por bens ou serviços, mas a contraparte pode não ser mais capaz de fornecê-los ou reembolsar o pagamento.

É provável que a COVID-19 impacte no teste de impairment?

Como lembrete, o valor recuperável é o maior valor entre VIU e FVLCD. A COVID-19 geralmente afeta os dois valores. Muitas entidades começam estimando o VIU. Isso ocorre porque, se o VIU exceder o valor contábil, não há necessidade de determinar o FVLCD (e vice-versa). No entanto, se o VIU indicar uma perda por redução ao valor recuperável, o FVLCD também deve ser estimado - a menos que fatos e circunstâncias indiquem que o FVLCD não seria materialmente maior que o VIU ou que não possa ser estimado com confiabilidade.

Os principais elementos da estimativa do VIU são projeções de fluxo de caixa, uma taxa de desconto sem risco e ajustes para incorporar variabilidade, incerteza e outros fatores que os participantes do mercado refletiriam na precificação do ativo ou CGU. Esses ajustes também serão afetados pela COVID-19. A IAS 36 permite que esses ajustes sejam refletidos de duas maneiras: ajustando a taxa de desconto ou ajustando os fluxos de caixa (incluindo as premissas de crescimento de longo prazo).

Em tempos normais, a abordagem da taxa de desconto ajustada ao risco é mais típica. No entanto, dados os níveis muito altos de incerteza atual, a abordagem do fluxo de caixa esperado ajustado ao risco é geralmente preferível, pois envolve uma consideração mais explícita da faixa mais ampla do que o normal dos possíveis resultados futuros.

Qualquer que seja a abordagem usada, a administração deve garantir que o resultado reflita os riscos, incertezas e outros fatores que influenciam as decisões de preços dos participantes do mercado. É igualmente importante garantir que os conceitos de fluxo de caixa e taxa de desconto estejam alinhados, para que não ocorra uma contagem dupla dos riscos da COVID-19.

Qual a probabilidade da COVID-19 afetar a taxa de desconto?

É provável que seja muito mais desafiador determinar uma taxa de desconto ajustada pelo risco na situação atual. A atual volatilidade nos mercados financeiros apresenta desafios adicionais a esse processo, à medida que os parâmetros usados ​​para estimar as taxas de desconto se tornam mais imprevisíveis. Valores para premissas que foram pouco liquidadas no passado, como o uso de títulos de longo prazo do governo como proxy da taxa livre de risco, podem não ser mais apropriados. Isso significa que, mais do que nunca, as taxas de desconto precisam ser avaliadas após uma análise completa de:

  • condições atuais de mercado
  • qualquer orientação fornecida por evidências de valor de mercado para entidades ou ativos comparáveis
  • os riscos do ativo ou CGU a serem avaliados.

Também é provável, dada a recente volatilidade dos mercados de capitais, que:

  • o beta da entidade pode aumentar (como resultado do aumento do risco relacionado às previsões, devido ao aumento da incerteza); e
  • o custo indicado de patrimônio pode aumentar
Como as previsões de fluxo de caixa serão afetadas?

Muitas entidades estão sofrendo grandes interrupções em suas operações, com rápidos declínios nos fluxos de caixa e resultados e incerteza contínua sobre a duração e o impacto a longo prazo. No entanto, as previsões de caixa do VIU devem refletir suposições sobre esses impactos com base em fatos e circunstâncias no final do ano. Essas suposições devem ser explícitas, claras e suportáveis. Não é razoável, no ambiente atual, para a maioria das entidades basear suas estimativas no desempenho no período comparativo - principalmente se a data do relatório for posterior a 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde declarou a pandemia global.

À medida que a situação se desenvolve, mais informações sobre a gravidade do impacto financeiro podem ser disponibilizadas após o final do ano, mas antes da data de aprovação das demonstrações financeiras. Embora o ponto de partida seja que as entidades são obrigadas a determinar valores com base no conhecimento de eventos na data do relatório, não após ele, as informações obtidas após a data do relatório podem ser consideradas se essas condições existirem no final do período do relatório. Será necessário um julgamento profissional significativo de todos os fatos e circunstâncias relevantes para fazer essa avaliação.

É provável que as entidades com datas de relatório após o início da pandemia tenham desafios reais, refletindo seu impacto em um único conjunto de fluxos de caixa previstos devido a níveis muito elevados de incerteza. Portanto, as empresas devem considerar o desenvolvimento de vários cenários e a aplicação de probabilidades a cada um para chegar aos fluxos de caixa esperados. As entidades que aplicam a abordagem de fluxo de caixa esperado ajustada ao risco devem dar mais peso ao(s) cenário(s) negativo(s) para alcançar o objetivo de incorporar uma visão de mercado de risco e incerteza.

E o FVLCD?

Ao estimar o FVLCD, referência deve ser feita para transações observáveis e independentes o tanto quanto possível. Os preços das vendas de ativos ou grupos de ativos podem não refletir uma transação ordenada. No ambiente corrente, pode ser mais difícil determinar um valor justo atual devido à falta de transações recentes entre participantes do mercado, conforme definidas na IFRS 13 'Mensuração ao Valor Justo'.

Ao usar uma técnica de avaliação para estimar o FVLCD, as entradas e premissas devem refletir apenas as informações que estariam disponíveis para os participantes do mercado na data do relatório. As informações não disponíveis na data do relatório (com base no acesso normal e na devida diligência para uma transação envolvendo o(s) ativo(s) em questão) não podem afetar o valor justo. Quando uma estimativa do valor justo utiliza dados não observáveis, a administração precisa avaliar como as informações sobre a COVID-19 disponíveis na data do relatório influenciariam as decisões de preço dos participantes do mercado.

E a vida útil?

Previsões detalhadas e explícitas do fluxo de caixa de VIU geralmente não duram mais de cinco anos. Além do período de previsão detalhada, a IAS 36 exige uma extrapolação usando uma taxa de crescimento estável ou em declínio a longo prazo. O impacto da COVID-19 pode significar que as entidades que reportam agora serão forçadas a usar o ativo em sua condição atual por um período que se estende bem além de cinco anos. No entanto, a IAS 36 permite o uso de um período de previsão detalhado de mais de cinco anos somente se a administração não puder demonstrar uma capacidade de prever com precisão esse período. Por outro lado, as premissas de taxa de crescimento de longo prazo aplicadas anteriormente podem não ser mais adequadas, principalmente se o impacto econômico da COVID-19 for visto como algo que tem vida curta.

As projeções de fluxo de caixa também devem estar relacionadas ao ativo em sua condição atual. Além disso, muitas entidades podem reestruturar suas operações como parte de sua resposta à COVID-19. Isso significa que a administração pode precisar demonstrar que quaisquer melhorias previstas no desempenho financeiro de um ativo ou CGU estão relacionadas ao ativo em sua condição atual e não a um aprimoramento ou reestruturação futura não comprometida.

Qual é o impacto no período intermediário?

Os indicadores de impairment podem aparecer como resultado das condições econômicas causadas pelo spread da COVID-19 e uma entidade pode ser obrigada a realizar um teste de impairment e registrar uma perda durante um período intermediário em 2020.

Uma entidade pode reconhecer uma perda por redução ao valor recuperável em um período, mas, em um período subsequente, pode haver uma indicação de que a perda por redução ao valor recuperável reconhecida no período anterior não existe mais ou pode ter diminuído. Nesses casos, a IAS 36 declara que uma perda por redução ao valor recuperável reconhecida em períodos anteriores para um ativo que não seja goodwill deve ser revertida se, e somente se, houver uma alteração nas estimativas usadas para determinar o valor recuperável do ativo desde a última perda por redução ao valor recuperável reconhecida. As perdas por redução ao valor recuperável do ágio não podem ser revertidas, mesmo que a perda tenha sido reconhecida em um período intermediário e as condições tenham melhorado até o final do ano.

Por exemplo, considere uma situação em que os indicadores de redução ao valor recuperável do ágio sejam identificados no primeiro trimestre encerrado em 31 de março de 2020 (Q1-2020), para que a entidade realize um teste adicional e reconheça uma perda por redução ao valor recuperável no Q1-2020. No quarto trimestre de 2020, a entidade realiza seu teste anual de redução ao valor recuperável do ágio. Esse teste mostra que as condições melhoraram desde o Q1-2020 e que parte ou toda a perda por redução ao valor recuperável decorrente no Q1-2020 não teria sido reconhecida com base nessa estimativa mais recente.

No Q4-2020, a entidade pode reverter parte, ou a totalidade, da perda por redução ao valor recuperável do ágio reconhecida no Q1-2020? A resposta é não devido à proibição explícita na IAS 36.

Esta proibição parece contradizer um princípio da IAS 34 de que a frequência dos relatórios de uma entidade (anual, semestral ou trimestral) não deve afetar a mensuração de seus resultados anuais. No entanto, essa contradição foi identificada pelo IFRS Interpretation Committee, que publicou uma interpretação (IFRIC 10) confirmando que uma perda por redução ao valor recuperável reconhecida para o ágio em um período intermediário não pode ser revertida em um período subsequente.

A IAS 36 é o único padrão que deve ser considerado na redução no valor recuperável?

A resposta simples para esta pergunta é não. Alguns ativos foram especificamente excluídos do escopo da IAS 36; caso contrário, a IAS 36 deve ser aplicada. Existem outros padrões que devem ser considerados para as áreas que foram excluídas de seu escopo, tais como: estoques (IAS 2), ativos contratuais de custos para se obter contratos com clientes (IFRS 15), ativos fiscais diferidos (IAS 12), ativos originados de planos de benefício definido (IAS 19), ativos financeiros no escopo do IFRS 9 (IFRS 9), propriedades para investimentos a valor justo (JAS 40), ativos biológicos mensurados ao valor justo menos custos de vendas (IAS 41), contratos no escopo do IFRS 17 (Insurance contracts) que são ativos (IFRS 17), ativos não circulantes disponíveis para vendas e operações descontinuadas (IFRS 5).

Impairment pode ser complexo. Diversos padrões precisam ser considerados antes das conclusões finais e, às vezes, especialistas em avaliação podem precisar ser envolvidos. Por fim, não deixe as avaliações para o último minuto, elas podem levar muito tempo para serem preparadas e avaliadas posteriormente.

Como Grant Thornton pode auxiliar nesse processo?

Os profissionais responsáveis pelas demonstrações financeiras precisarão ser ágeis e receptivos de acordo com a situação. Ter acesso a especialistas, insights e informações precisas o mais rápido possível é fundamental – mas seus recursos podem ser ampliados no momento. Podemos ajudá-los no processo de contabilização dos impactos da COVID-19 em seus negócios.

Os especialistas em valuation da Grant Thornton fornecem consultoria e suporte independente e crítico em termos de tempo para as organizações que precisam revisar ou quantificar quaisquer riscos de redução ao valor recuperável relacionados a ativos intangíveis e goodwill causados ​​pelo impacto da COVID-19.

Agora, mais do que nunca, é essencial que as empresas, seus auditores e outros consultores contábeis trabalhem em conjunto.

Entre em contato conosco