insight featured image
Novos desafios globais demandam novos soft skills da liderança. A Covid-19 acelerou as tendências em direção a uma gestão mais inclusiva, empática e comunicativa que pode ajudar a orientar as empresas durante a crise e navegar pelo cenário pós-pandemia.
Destaques

As mudanças no cenário de negócios desde março de 2020 apresentaram oportunidades para as organizações criarem uma cultura mais inclusiva e inovadora, na qual todos os seus funcionários estejam engajados. Mas, para aproveitar essa possibilidade, as lideranças empresariais precisam utilizar conjuntos de habilidades específicas.

Como parte de nosso relatório Women in Business 2021, a Grant Thornton questionou às lideranças de organizações de médio porte quais características seriam necessárias em um mundo transformado pela pandemia para garantir o sucesso em 2021 e além. Sem surpresa, ser adaptável às mudanças é a melhor escolha, seguido pela capacidade de inovar e ser colaborativo em toda a empresa.

Um novo perfil de liderança

Nesta última edição, um novo atributo relevante apareceu na pesquisa global: mais de um quinto dos entrevistados demonstram que a empatia é uma característica vital para os líderes. A capacidade de se conectar e compreender diferentes perspectivas ganhou destaque durante a crise recente.

Kim Schmidt - round“A Covid-19 mudou a relação entre empregadores e funcionários, entre gestores e seu pessoal. Aqueles líderes que são empáticos, que se conectaram com as pessoas de maneira diferente”, afirma Kim Schmidt, líder global de Leadership, People and Culture da Grant Thornton International.

Joy Taylor.pngAtributos como empatia têm sido tradicionalmente associados às lideranças femininas. “Ser um líder empático está relacionado a maneira como você ouve e age. Todo mundo tem essa qualidade dentro de si, mas por diversas razões, pode-se perceber que as mulheres têm mais prática”, diz Joy Taylor, managing partner – transformação operacional e organizacional da Grant Thornton EUA. “Líderes empáticos não são exigentes; eles são receptivos com seus colegas e equipes para que haja melhor integração na jornada”.

No mundo pós-pandêmico, os líderes empáticos serão os que tirarão o máximo proveito de suas equipes. “Você precisa ter um ambiente e uma cultura onde seu pessoal se sinta seguro para falar, fazer perguntas, desafiar o status quo e onde os líderes e responsáveis ​​por liderar equipes apareçam todos os dias e vivam os princípios fundamentais de D&I”, diz Kim Schmidt.

Entre as empresas brasileiras, as principais habilidades das lideranças destacam-se perfil inovador, adaptabilidade às mudanças, coragem para assumir riscos e empatia.

Made with Flourish

Pessoas e negócios orientados pelo propósito

Anna Johnson.pngAs organizações que reconhecem essa mudança e incentivam a empatia na liderança estarão mais bem posicionadas para atrair e reter talentos, acredita Anna Johnson, CEO da Grant Thornton Suécia. “À medida que as pessoas se tornam mais voltadas para o propósito em seu trabalho, elas querem um empregador que compartilhe suas prioridades. As pessoas estão pensando: ‘tenho os mesmos valores da empresa para a qual trabalho? O que estou fazendo no trabalho todos os dias é valorizado por mim?'”

Ramón Galcerán.pngA pesquisa da Grant Thornton indica que conjuntos de soft skills caracterizarão os estilos de gestão no cenário pós-pandemia. “Estamos falando de diversidade, inclusão e de um novo estilo de liderança que se tornou evidente durante esta crise”, disse Ramón Galcerán, CEO da Grant Thornton Espanha. “Um estilo de liderança que responde à situação atual e à situação futura. É uma liderança mais social, empática, comunicativa, onde o líder é quem faz as coisas acontecerem; fazer isso é inclusivo e cria um ambiente colaborativo onde as pessoas se sentem seguras para contribuir com ideias”.

Acesse a pesquisa completa Women in Business 2021