INSIGHTS

Como a cultura da inovação impacta no board?

Manter as atividades dos Conselhos de Administração a portas fechadas é uma abordagem do passado. Neste conteúdo descrevemos os elementos essenciais para garantir uma dinâmica e cultura eficazes do board e, alinhar a estratégia de liderança com a criação de valor a longo prazo.

Recentemente, os conselhos de administração estão mais abertos ao mundo exterior – seja pela maior atenção dos reguladores ou aspectos de governança – e muitos de seus representantes (chairman/chairwoman) veem uma maior transparência e colaboração como o caminho a seguir. O que isso significa na prática?

Dinâmica do Conselho

À medida que os conselhos analisam como acompanhar as necessidades de adaptação, muitos líderes experimentaram o que pode ser alcançado com um forte senso de propósito e cultura. Os executivos com mentalidade mais tradicional, que defendem o conselho como um ambiente extremamente restrito e fechado, estão enfrentando um processo de transformação e abrindo possibilidades para a criação de ambientes mais dinâmicos, onde os comportamentos estão aumentando o ritmo e o foco da discussão.

Ao gerar um sentimento de confiança e respeito mútuo entre os membros, a dinâmica do conselho se torna mais inclusiva e diversa – tudo isso melhora a qualidade da tomada de decisões.

Os princípios de prestação de contas, transparência e engajamento devem ser aplicados ao definir a eficácia e cultura do conselho. Mas por que mudar?

Diretores executivos e não executivos nos dizem que, se seu conselho não estiver se adaptando rápido o suficiente para fornecer o tipo de liderança necessária para proteger e fazer a organização crescer, eles podem enfrentar uma sensação crescente de isolamento das equipes de gestão.

Na verdade, embora as equipes de gerenciamento altamente desafiadas precisem ser responsabilizadas no conselho por suas decisões, elas também precisam ser apoiadas com habilidades e experiência adicionais.

Os diretores executivos têm o direito de saber que contam com a confiança e o respeito dos não-executivos (NEDs), para que possam apresentar áreas de discussão nas quais o negócio esteja enfrentando dificuldades. Caso contrário, qual é a vantagem da divulgação? E assim, as habilidades de facilitação e coaching da pessoa representante (chairman/chairwoman) são fundamentais para garantir que a cultura evolua para refletir as necessidades de negócios.

A evolução do diretor não-executivo

Nos últimos meses, os conselhos enfrentaram de tudo, desde a sobrevivência e a tomada de decisões que limitam o impacto nos negócios até visões de longo prazo sobre resiliência e sustentabilidade. Os líderes empresariais tiveram que se adaptar rapidamente, aumentando sua transparência sobre seus processos e impulsionando novas formas de trabalho em suas organizações.

A ênfase agora está na agilidade, colaboração e valor, enquanto a dinâmica do conselho precisa funcionar bem neste novo ambiente virtual. Os NEDs estão nos dizendo que desejam refletir em seu papel as mudanças que estão acontecendo no nível de liderança executiva, garantindo que as oportunidades de maior eficácia não sejam perdidas.

Seguindo em frente, os diretores não-executivos e os conselhos precisarão adotar uma abordagem mais ágil e adaptável para reagir às necessidades de seus negócios. Em tempos de mudança, é essencial que o seu papel evolua para garantir sua eficácia.

Como agir diante dessa dinâmica do board?

As dinâmicas tradicionais do conselho que permitem a competição interna, o domínio e a defesa diminuem o ritmo, minam a igualdade e consomem a agenda quando os conselhos falam sobre estar mais ocupados do que nunca.

O imperativo de liderança para os conselhos é lidar com qualquer comportamento prejudicial que crie desigualdade nas reuniões do conselho e do comitê. A seguir destacamos sete áreas inter-relacionadas que exigem uma administração reforçada do conselho para definir uma cultura eficaz:

1. Definição

Os conselhos devem considerar o benefício de ter uma sessão de cultura "fora de casa" junto com o planejamento estratégico clássico, independentemente de escolherem adotar o propósito e os valores da organização ou não. Cabe a função de chair definir o tom, mas todos definem a dinâmica do conselho.

2. Estabilidade

Dinâmicas de board estáveis em tempos instáveis ​​é uma obrigação. A falta de estabilidade prejudica a cultura, reduz a produtividade, desgasta a confiança e torna extremamente difícil reter os melhores talentos.

Líderes estáveis ​​modelam um nível de constância e consistência que as organizações precisam mais do que nunca. É essencial considerar as normas acordadas de comportamento e tomada de decisão, o escopo da atividade, o engajamento acolhedor entre os grupos de partes interessadas e a visibilidade com acesso à organização.

3. Ajustes futuros e sucessão

Embora seja necessário um conselho emocionalmente maduro para reconhecer o valor da melhoria contínua, seus representantes devem subjugar os egos individuais em benefício do bem maior para aumentar o desempenho da equipe.

Juntamente com as habilidades essenciais e o conhecimento do mercado, as melhores contratações para o conselho virão com experiência em liderança de mudança, bem-estar organizacional, coaching executivo ou mesmo experiência em startups.

Por causa disso, os conselhos precisam levar adiante suas agendas de diversidade e inclusão com agilidade. E a sucessão não se trata apenas de rotação dos executivos e não-executivos. Empresas de todas as formas e tamanhos precisam dominar o desafio quando se trata de desenvolver os relatórios diretos da equipe de gerenciamento tier-1.

As equipes de gestão precisam de orientação, comunicação e colaboração – o que for necessário para desenvolver a capacidade de liderança para impulsionar o crescimento.

4. Colaboração

As melhores decisões vêm de equipes que se veem trabalhando juntas em direção a um objetivo ou propósito comum, afastando-se de vários níveis de comprometimento e engajamento.

Isso nunca deve ocorrer às custas de desafios, análises, compartilhamento de ideias – o que mais importa é a dinâmica harmoniosa do conselho. Caso contrário, é responsabilidade da pessoa representante (chairman/chairwoman) enfrentar o problema com um mindset construtivo.

5. Governança e ética

O conselho precisa buscar a garantia necessária sobre o que está acontecendo na organização para neutralizar comportamentos antiéticos e condutas negativas.

Os NEDs devem insistir em buscar novas maneiras de trabalhar de modo mais integrado com os grupos de stakeholders primários, para que possam ter a certeza de que estão obtendo toda a informação em primeira mão.

6. Melhoria contínua da equipe

A visão tradicional da dinâmica do conselho raramente é apresentada como uma "equipe", mas isso precisará evoluir para que a cultura amadureça.

Sob a liderança assertiva da presidência do board, a dinâmica efetiva do conselho pode render resultados positivos, mesmo em tempos de mudança contínua. Para que um conselho prospere, os membros precisam se engajar em uma crença compartilhada de que o desenvolvimento de novas habilidades deve acontecer mais rapidamente do que as circunstâncias mudam, com a necessidade de se concentrar em onde as habilidades coletivas e o desenvolvimento agregariam valor real.

Conselhos que acreditam que todas as equipes têm a capacidade de crescimento ilimitado valorizam sua sabedoria coletiva e aprendem juntos, tanto técnica quanto culturalmente, com o benefício de um coach independente participando ocasionalmente.

7. Rapport

A reunião do conselho não se beneficia por ser um local operacional hostil, e a falta de contato pessoal na vida real pode aumentar isso. Muitos conselhos tiveram que equilibrar o desconhecimento do trabalho remoto com as pressões de proteção de suas organizações. Embora a maioria ainda esteja encontrando esse equilíbrio, essa mudança precisa permitir conversas mais inclusivas, melhorando a colaboração e a exposição.

O preconceito inconsciente e as hierarquias que impulsionaram a dinâmica precisam ser resolvidos de uma vez por todas para evitar que o conselho dilua sua eficácia nos próximos meses. Todos os conselhos se beneficiarão com um conjunto de dinâmicas saudável e emocionalmente maduro.

Agilidade e adaptabilidade

Garantir que os conselhos sejam mais ágeis e adaptáveis ​​em sua abordagem às necessidades de seus negócios levará ao sucesso da liderança mais do que nunca. O trabalho ágil não será mais um clichê, mas a marca dos boards mais adequados ao futuro.

Nos próximos meses, é importante que os conselhos garantam que as decisões executivas não sejam apenas bem pensadas, mas também entregues com respeito e cuidado. Para fazer isso bem, o conselho precisa funcionar como um só, e não em lados opostos.

Embora a direção não-executiva tenha o direito de contestar todos os aspectos das ações de gerenciamento, as equipes de gerenciamento têm o dever de levar as decisões de negócios ao conselho para discussão. Somente trabalhando juntos em uma cultura de propósito compartilhado e dinâmica madura, os conselhos podem fazer mais diferença do que nunca.

Por: Karen Brice, diretora da Grant Thornton UK

 

Como a Grant Thornton pode auxiliar sua empresa nesse momento? 

Conte com as nossas equipes para adequar processos de maneira customizada para atender às necessidades estratégicas dos seus negócios.

Entre em contato conosco