Covid-19

5 aspectos para reinventar negócios e identificar oportunidades

Quais são os fatores que impulsionam a transformação nas empresas de serviços profissionais em um momento de crise?

120x120 round image - Sean Denham.pngSean Denham, líder global de Business Services, analisa as estatísticas do mais recente 'International Business Report' da Grant Thornton e questiona como a crise do coronavírus desafiará ou reforçará as cinco forças de mudança que afetam as empresas de serviços profissionais. Mesmo diante do cenário turbulento em que vivemos, a escala e a velocidade com que a pandemia da Covid-19 revelou questões sociais e comerciais de longa data têm sido preocupantes. Isso marca uma escalada repentina e dramática no nível de incertezas enfrentado pela sociedade e pelos negócios.

Para empresas de serviços profissionais, o coronavírus chegou em um momento de grande transição. Antes do início da pandemia, juntamente com os colegas da Grant Thornton International, o avaliamos as principais forças que impulsionavam a necessidade de reinvenção em empresas de serviços profissionais em todo o mundo.

No total, foram identificados cinco aspectos que levam as empresas a transformar suas operações para ter sucesso no futuro. Confira quais são eles e como a pandemia pode impactá-los:

Explore

1. Busca por talentos

Antes da pandemia, as empresas enfrentavam uma combinação de escassez global de habilidades, baixas taxas de desemprego em muitos mercados e novos concorrentes, como empresas boutique e empresas de tecnologia, que tornariam mais difícil para essas empresas recrutar e reter os melhores talentos. Com uma grande recessão global, no momento mais ou menos inevitável, é tentador procurar “o lado bom das coisas” e aguardar a queda forçada da demanda para aliviar essas pressões. Mas os desequilíbrios estruturais e a natureza assimétrica das recessões significam que muitas empresas ainda precisarão responder a esses desafios. As empresas terão que reconsiderar sua proposta holística de emprego em termos de pacotes salariais e oportunidades de desenvolvimento, além de definir e comunicar suas finalidades. E, talvez mais do que nunca em uma economia pós-pandemia, elas terão que prestar ainda mais atenção no bem-estar da equipe, particularmente os problemas físicos e mentais associados ao trabalho excessivo e ao verdadeiro malabarismo com as novas realidades domésticas.

Há aqui uma lição importante para todos os empregadores. Como eles respondem e apoiam colaboradores e comunidades de investidores durante esta crise pode ter grande impacto a longo prazo. Fazer o certo poderá servir como uma forte ferramenta futura de recrutamento e engajamento. Entender errado poderá aumentar a ameaça mais ampla de risco à reputação. As empresas focadas em servir as comunidades, proteger e apoiar os colaboradores terão uma marca de empregador mais resiliente e consciente das necessidades nesse cenário.

Outro modo pelo qual as empresas podem responder proativamente à escassez de habilidades é recorrer a uma força de trabalho mais diversificada. Nosso relatório Women in Business 2020 destaca algumas ações importantes que as empresas podem adotar para atrair e engajar talentos, principalmente mulheres em cargos de liderança. Esse documento inclui diversos insights para garantir acesso igual a oportunidades de desenvolvimento, criar uma cultura inclusiva e fornecer treinamento e mentoria. Algo que o "boom" do home office nos ensinou é que, com criatividade e tecnologia, podemos adequar o trabalho a modelos complexos de assistência ao acolhimento infantil.

Voltar ao menu →

2. Revolução tecnológica

O uso da tecnologia para facilitar o trabalho das equipes à distância tem sido uma característica fundamental de como os negócios reagiram à pandemia. As ferramentas de videoconferência e bate-papo ajudaram as empresas a encontrar um caminho durante o período inicial de distanciamento social, à medida que todos nos acostumamos às reuniões virtuais. Antigas crenças sobre o poder de verdadeiras reuniões presenciais podem parecer menos verdadeiras após vários meses de trabalho virtual.

As empresas de todos os setores querem sempre o reconhecimento por serem habilitadas por tecnologia ou orientadas por dados. Empresas de serviços profissionais não são exceção. Em minha própria profissão, as empresas de contabilidade têm acesso a grandes quantidades de dados através do trabalho de auditoria, tributos e consultoria que realizamos. Para nos tornarmos negócios orientados por dados, precisamos explorar como podemos transformar esses dados em inteligência sem violar a confidencialidade do cliente em nível individual.

A inovação, em geral, deve continuar sendo o foco das empresas de serviços profissionais. Quando a recessão ocorre, não devemos reverter esse investimento. Na Grant Thornton, nosso foco é fornecer valor a curto e longo prazo para os clientes, trabalhando com eles para encontrar soluções criativas que atendam às suas necessidades de mercado. Para isso, investimos na inovação em nossa rede. Criamos um Conselho de Inovação para supervisionar projetos pioneiros e, também, uma plataforma de Intercâmbio de Inovação, que visa aumentar a transparência em torno de nossas mais recentes inovações, monitorar o progresso das iniciativas e incentivar a colaboração entre as firmas-membro. Além disso, aprimoramos continuamente nossos processos internos para melhorar o compartilhamento de ideias em nossas redes, para oferecermos soluções mais criativas aos nossos clientes.

Voltar ao menu →

3. Globalização

Caso nada mais seja feito, a pandemia global destaca o quão conectada a economia mundial se tornou. Não é de se admirar que atualmente seja quase um requisito para uma empresa de serviços profissionais ter presença global ou, no mínimo, ser membro de uma aliança global. Os clientes multinacionais esperam que seus consultores profissionais compreendam diferentes mercados e possam oferecer cobertura internacional. Recentemente, notei uma tendência específica para as empresas de serviços profissionais se expandirem para alguns dos mercados de alto crescimento na África. Em setembro, por exemplo, o escritório de advocacia Dentons reforçou sua presença no continente quando entrou em cinco mercados - Angola, Marrocos, Moçambique, Uganda e Zâmbia.

A presença global pode ser muito vantajosa para empresas de serviços profissionais. Isso permite a obtenção de receita extra ao atender clientes internacionais, acessar especialistas e talentos em mercados estrangeiros e, geralmente, aumentar sua visibilidade. Entretanto, também apresenta alguns desafios distintos, como a exposição a novas regulamentações ou riscos geopolíticos. Por esse motivo, é essencial que as empresas considerem uma ampla gama de questões ao entrar em novos mercados, principalmente quando as condições de negociação são voláteis. Nossa lista de verificação para o crescimento internacional destaca alguns dos fatores a serem considerados.

Voltar ao menu →

4. Novos modelos de negócios

Antes da chegada da Covid-19, os clientes seguiam com seus planos de expansão para novos territórios, transformando a maneira de fazer negócios e lidando com o aumento da regulamentação. Embora seja provável que esta crise de saúde imediata seja seguida pela recessão, é provável que essa atividade seja retomada em algum nível após o término do pior da crise. Precisamos evoluir e nos adaptar aos nossos clientes. Como o mais recente International Business Report (IBR) da Grant Thornton revela, cerca de um quarto (24,5%) das empresas pesquisadas havia realizado fusões e aquisições internacionais (M&A) nos últimos 12 meses, enquanto quase um terço (32,7%) embarcou em expansão no exterior. Quase dois quintos (37,8%) dos entrevistados do IBR viram a expansão como uma maneira de acessar novas capacidades técnicas ou tecnológicas e 32,9% esperavam garantir novos talentos. Enquanto isso, quase um terço (29,6%) queria diversificar para novos produtos e serviços.

Também há uma pressão crescente de consumidores, investidores e reguladores para transformar modelos de negócios e construir uma economia global mais sustentável. A tecnologia de longo prazo pode permitir que as empresas de serviços profissionais passem dos modelos de negócios tradicionais “pay-by-the-hour” (pago por hora) para novos produtos e serviços baseados em assinatura que requerem um envolvimento humano limitado. Os exemplos podem incluir uma instalação de blockchain que automatiza processos tributários, bots legais que fornecem conselhos aos clientes ou pacotes de análises que realizam o tipo de modelagem complexa realizada atualmente pelos consultores. Inevitavelmente, a inovação mais animadora acontecerá quando empresas de serviços profissionais fizerem alianças com empresas de tecnologia. Na Grant Thornton, nossas unidades de inovação já estão desenvolvendo novos modelos de negócios com tecnologia que irão mudar o modo como operamos, e atender às demandas de um mercado em rápida evolução.

Leia também Conheça a abordagem de Transformação Digital da Grant Thornton Brasil

À medida que a incerteza econômica aumenta, o uso de freelancers ou gig-economy apresenta outra oportunidade para as empresas de serviços profissionais repensarem seus modelos de negócios. Poderão operar com força de trabalho menor, composta por colaboradores permanentes, contratando especialistas freelancers para cobrir as épocas de maior movimento e demanda. Se utilizaram mais gig workers, as empresas precisarão considerar como se comunicam, motivam e treinam esses colaboradores que não estão com eles de forma permanente, para que possam usar suas habilidades conforme necessário. Essa mudança para um modelo que conta com menos funcionários em período integral e um grupo de especialistas independentes também ajudaria as empresas a lidar com a guerra por talentos mencionados acima.

Voltar ao menu →

5. Riscos de reputação

Os riscos de reputação sempre foram um problema para as empresas de serviços profissionais, mas os riscos se intensificaram com a maior utilização de canais de mídia social na última década. As empresas podem estar sujeitas a uma crítica pública severa dos clientes com os quais optam por trabalhar e os conselhos que oferecem, portanto, precisam navegar com cuidado pelos riscos associados à aceitação do cliente.

Como parte de suas estratégias para gerenciar riscos de reputação, as empresas estão revisitando seus valores e como se alinham às expectativas da sociedade. Isso deve resultar em uma declaração clara de um objetivo socialmente alinhado. No entanto, o objetivo precisa acompanhar a melhoria da governança corporativa. Ao implementar melhores processos e controles internos, as empresas de serviços profissionais podem minimizar o risco de que qualquer ação tomada por um indivíduo acabe comprometendo toda uma rede global.

Voltar ao menu →

Desafios e Oportunidades

A transformação contínua provocada pelo cenário de pandemia da Covid-19 e a subsequente deterioração da economia global, sem dúvida, fazem deste um momento extraordinariamente desafiador para as empresas de serviços profissionais em todo o mundo. Por outro lado, também é um momento de oportunidade.

O modo como empresas reformulam práticas e estruturas para lidar com essa crise pode facilmente determinar sua capacidade de prosperar a longo prazo. É por isso que todo líder em Business Services hoje deve fazer esta pergunta importante: como minha empresa pode se reinventar para poder ver as oportunidades no mercado, obter uma vantagem sobre os concorrentes e enfrentar o futuro com confiança?

Por fim, as empresas que falham em aproveitar as cinco forças de ruptura terminam por arriscar a continuidade dos negócios.

Conte com a Grant Thornton Brasil para auxiliar nesse processo

Nossos especialistas podem ajudar a encontrar as soluções mais adequadas de acordo com a realidade do seu negócio.

Entre em contato conosco