Grant Thornton analisou a saúde dos negócios no segundo semestre de 2021

Após enfrentar os períodos mais desafiadores e críticos da pandemia, o mercado de médio porte apresentou um ligeiro avanço na segunda metade de 2021. No Global Business Pulse, o índice global da Grant Thornton que mede a saúde do mercado intermediário está em 1.2, pontuação à vista dos níveis pré-Covid (3,4) – mas ainda existe um caminho a percorrer para uma recuperação completa.

Colocar freios na recuperação foram as ameaças sobre as quais a Grant Thornton alertou com os índices do primeiro semestre de 2021, especificamente a crise de oferta e os riscos inflacionários. No segundo semestre de 2021, a inflação passou de um risco iminente para um risco imediato, com maiores custos de mão de obra e energia sendo adicionados a longa lista de desafios de negócios incluindo acesso a finanças, disponibilidade de habilidades e regulamentações e burocracia.

Peter.pngPeter Bodin, CEO da Grant Thornton International Ltd. comemora os progressos alcançados. "Embora o aumento dos custos de energia, a escassez de talentos e a incerteza contínua da Covid estejam criando desafios reais, o fato de que o mercado de porte médio permanece otimista representa o potencial da liderança forte, dinamismo e resiliência enquanto inseridos neste período crítico da economia global".

O índice registrou ganhos em 19 dos 29 países que pesquisamos e a maioria das principais regiões monitoradas. O progresso foi particularmente maior na APAC e ASEAN, com ganhos de 4 e 6.1 pontos, respectivamente. Enquanto o progresso na América do Norte e UE foi mais modesto, com ambos melhorando em 2.2 pontos.

Os resultados do Global Business Pulse fornecem uma leitura única e vital da das empresas do mid-market, com a pontuação do índice sendo uma medida de saúde de negócios positiva ou negativa (metodologia Global Business Pulse). O índice é baseado na maior pesquisa do mercado de médio porte, o International Business Report, com as entrevistas mais recentes de cerca de 5.000 líderes realizadas entre outubro e novembro de 2021. As seções abaixo fornecem o relatório de saúde completo para o mercado de porte médio global.

Destaques desta edição do Global Business Pulse

Inflação se torna um perigo claro e presente

Depois de sinalizar a aproximação da ameaça da inflação em nossa última revisão, é possível verificar a partir de uma série de indicadores preocupantes desta edição que agora ela chegou. Do lado dos insumos, cerca de 59% das empresas de médio porte em todo o mundo estão preocupadas com os custos trabalhistas, o que significa que está enfrentando a incerteza das principais restrições do mercado de médio porte. E as preocupações com os custos de energia também aumentaram acentuadamente, com 56% das empresas destacando esse aspecto como uma das principais preocupações. Isso espelha as tendências econômicas que estão sendo vistas no mundo. Nos EUA, a inflação do consumidor cresceu para 6,8% em novembro de 2021, o nível mais alto em quase 40 anos. Embora menos preocupante na Ásia, na UE a faixa foi de 4,9%. O Brasil registrou uma taxa de 10,7% e a Rússia de 8,4%.

Mike Ward.PNG"A inflação é agora um grande desafio para os negócios e o que era um barco no horizonte é agora um navio no porto", diz Mike Ward, líder global de Consultoria na Grant Thornton International Ltd. "Este é um ambiente no qual muitos profissionais nunca viram em suas carreiras. Na maioria das principais economias ocidentais, não existiu um ambiente inflacionário por quase 50 anos, então existem poucas pessoas que lembram das lições do passado".

Custos mais altos podem reduzir a lucratividade, a menos que os preços de venda os compensem, mas também trazem as perspectivas de taxas de juros mais altas para controlar a inflação, o que pode diminuir drasticamente a demanda e aumentar os custos dos empréstimos. De forma animadora, pouco mais da metade das empresas (51%) espera aumentar seus preços de venda nos próximos 12 meses. Este é o nível mais alto já registrado e ajuda a explicar por que os líderes do mercado intermediário não esperam nenhuma mudança significativa nos lucros ainda. Cerca de 57% das empresas esperam aumentar seus lucros nos próximos 12 meses,1 ponto percentual acima dos resultados do primeiro semestre.

Esperamos que essa confiança seja concretizada e certamente seja um bom momento para aumentar os preços, dada a forte demanda. No entanto, nossos líderes enfatizam a necessidade de empresas elaborarem planos para controlar a inflação agora, dados os riscos e a crescente incerteza sobre sua duração. Em dezembro de 2021, o Financial Times comentou que aquela fala da pressão inflacionária ser temporária ou 'transitória' se foi e que os bancos centrais na UE, EUA e Reino Unido estão agora preocupados que a inflação esteja se tornando persistente.

Algumas ações iniciais sugeridas são gerenciar os custos com cuidado e criatividade – comprar mais com antecedência para fixar os preços, fazer hedge sempre que possível, até mesmo olhar para leilões reversos, mas também tentar se tornar mais eficiente e fazer mais com menos. A tecnologia é a chave para a eficiência e exploraremos mais as oportunidades digitais e de TI nos próximos conteúdos.

Para as empresas que enfrentam restrições de fornecimento, Mike sugere que usem esse período para analisar a lucratividade de seus produtos e clientes e realmente considerar onde se concentrar. "Geralmente você não gostaria de se livrar dos clientes e teria que fazer escolhas difíceis de qualquer maneira, agora é um bom momento para olhar para sua base habitual e eliminar aqueles que podem não ter sido muito leais ou ter um custo desproporcionalmente alto para servir". O custeio baseado em atividades ou a contabilidade de custos gerenciais o ajudarão a entender os verdadeiros custos e a lucratividade do atendimento aos clientes – contate os especialistas da Grant Thornton Brasil caso necessite de suporte com essas tratativas.

Robert Hannah.pngOutro movimento estratégico que ajudará no tempo presente é aumentar o poder de precificação focando em diferenciação de produto ou serviço. Robert Hannah, líder de Apoio a Negócios Internacionais da Grant Thornton International, descreva estratégia como sendo absolutamente vital. "Você precisa focar no seu ponto de diferenciação único que adiciona valor ao cliente e que te permite se destacar da multidão para garantir que você conquiste o ponto de preço que busca."

Guerra por talento fica ainda mais intensa

"Guerra" é a única descrição adequada para a intensidade da disputa por habilidades de trabalho e está ficando ainda mais intensa. O problema subjacente é a escassez de competências disponíveis. Isso é claramente visto no fato de que um recorde de 57% de todas as empresas de médio porte agora vê isso como uma restrição ao seu crescimento, quase o dobro da média de longo prazo.

A escassez de habilidades é um problema em todos os países e regiões monitoradas por nossa pesquisa e na América do Norte chegou a um nível no qual mais de dois terços de negócios dizem ser uma restrição ao seu crescimento. Isso combina com a pesquisa feita pela Grant Thornton EUA que descobriu que dois terços dos líderes de RH do país acreditam que exista uma 'guerra por talento', e também demonstra que 33% dos funcionários estão buscando um novo emprego ativamente.

Tim Glowa.PNG.pngTim Glowa, Diretor de Serviços de Capital Humano da Grant Thornton EUA, diz que “a escassez de talentos é o problema número um ou número dois que as organizações dos EUA enfrentam. E não é apenas um problema de RH. É um problema de C-suite, porque se houver escassez de talentos, você não alcançará seus objetivos de crescimento”.

Além de aumentar os custos trabalhistas, a escassez de habilidades também está por trás do número altíssimo de empresas que planejam pagar salários mais altos nos próximos 12 meses. 71% das empresas de médio porte esperam pagar aumentos salariais pelo menos em linha com a inflação nos próximos 12 meses. O que é ainda mais preocupante aqui é que a competição por habilidades só pode se intensificar, já que 52% das empresas planejam aumentar seu emprego no próximo ano para apoiar seus planos de crescimento.

Não existe uma única maneira de vencer essa guerra de talentos, mas Tim enfatiza a importância de entender as necessidades dos funcionários e desenvolver pacotes de recompensas que eles valorizem e que realmente o diferenciem como empregador. "Nossa pesquisa sobre o estado do trabalho descobriu que 55% dos funcionários acham que seu programa de recompensa total não é diferente do que está disponível em outros lugares. Eles podem obter os mesmos benefícios atravessando a rua e juntando-se a um concorrente". Robert sugere que as empresas podem até pensar em opções como participação nos lucros e participação acionária para ajudar a comprar fidelidade e realmente diferenciar as ofertas para os funcionários.

Nesse mercado de vendedores de habilidades, nossos especialistas ressaltam a importância de também olhar muito além das recompensas financeiras para manter bons talentos e tornar as empresas atraentes no mercado. À luz da Cavod-19, é necessário um novo modelo de liderança para permitir que as organizações prosperem. Gerar inovação, colaborar e comunicar em toda a empresa e adaptar-se às mudanças tornaram-se necessidades operacionais dos líderes C-suite, enquanto a empatia e a inclusão são as chaves para o desempenho da equipe. A Grant Thornton forneceu diversos insights para criar uma cultura de trabalho diversificada, inclusiva e psicologicamente segura o suficiente para atrair e reter talentos neste cenário competitivo.

Richard Tonge.pngTambém é importante analisar o pool global e aproveitar as oportunidades do trabalho remoto, mas cuidado, Richard Tonge, diretor de Global Mobility nos EUA, diz que ainda há uma série de considerações de risco fiscal e desafios práticos de monitoramento associados a uma força de trabalho mais internacional. Ele observa que as empresas estão analisando diferentes modelos de contratação de talentos para atender às necessidades no ambiente competitivo, seja como contratados ou por meio de organizações de emprego profissional ou entidades legais separadas.

Oportunidades internacionais oferecem maior perspectiva futura ao mid-market

O interesse de empresas de médio porte que buscam se expandir internacionalmente continua, apesar dos desafios adicionais dos custos e interrupções de transporte. A porcentagem de empresas que esperam aumentar as exportações nos próximos 12 meses continua alta em 45%, enquanto a porcentagem que espera aumentar a receita internacional subiu 3 pontos percentuais para 44%.

Recuperação do mid-market global está avançando

Peter observa que "a mudança de muitas empresas para o envolvimento com clientes internacionais mostra como o ambiente comercial digital está abrindo oportunidades para expandir internacionalmente e permitir uma velocidade mais rápida de comercialização". No início de 2021, descobrimos que a maioria das empresas internacionais agora vende e atende seus clientes virtualmente. Para muitos, essa mudança para o virtual abriu maiores oportunidades de expansão internacional e permitiu uma velocidade mais rápida para o mercado, que muitos setores, como serviços profissionais e saúde, exploraram mais rapidamente.

A desvantagem é que há preocupações crescentes com a fidelidade do cliente e mais foco no preço, com 30% das empresas internacionais dizendo que já colocam mais foco nos preços no processo de vendas. Para combater isso, Robert aconselha que as empresas precisam tentar comunicar melhor sua cultura e marca – incluindo histórico, história, valores e que tipo de experiência os funcionários têm – o que realmente ressoa com os clientes, principalmente grandes corporações e governos.

Global snapshot

Back to contents →

Principais elementos da saúde dos negócios

Restrições pesam em novos ganhos nas perspectivas

O índice da Grant Thornton é composto por dois elementos: as perspectivas mostram as expectativas de crescimento do mid-market e as restrições revelam as barreiras ao crescimento. O padrão ao longo de 10 anos de dados é que ambos tendem a se mover em uma direção semelhante. Quando as barreiras ao crescimento melhoram, as expectativas de crescimento também melhoram e vice-versa.

Mas desde o início da recuperação da pandemia (segundo semestre de 2020 em diante) vimos esses elementos se moverem em direções opostas: as expectativas de crescimento melhoraram enquanto as barreiras ao crescimento pioraram.

Graeme Harrison.pngGraeme Harrison, da consultoria econômica Oxford Economics, explica como esse estranho fenômeno ocorreu. "Foi uma época muito interessante. Normalmente, veríamos os dois se movendo juntos, mas durante essa fase de recuperação da pandemia, o forte crescimento inicial não apenas alimentou a forte perspectiva, mas também provou ser a fonte de algumas dessas restrições mais altas, por exemplo, os custos salariais mais altos, a escassez de mão de obra e as pressões da cadeia de suprimentos".

Embora o mercado de médio porte tenha o dinamismo do seu lado no curto prazo de acordo com esses resultados do segundo semestre de 2021, as barreiras ao crescimento estão começando a impactar e devem pesar nas expectativas de crescimento nos resultados futuros ao mesmo tempo em que o crescimento econômico começa a desacelerar, o apoio do governo é retirado e os desafios de saúde da pandemia continuam. A perspectiva conseguiu um aumento de apenas 1,4 pontos para 58,1 no segundo semestre de 2021, uma desaceleração dramática em relação ao que vimos no segundo semestre de 2020 e no primeiro semestre de 2021, enquanto as restrições continuaram aproximadamente nos mesmos níveis recordes. O equilíbrio desses dois elementos fez com que o índice geral subisse apenas marginalmente durante o período.

Condições de negócios e investimentos mostram maior resiliência

Todos os três elementos da saúde desaceleraram acentuadamente no segundo semestre de 2021, mas o impulso ascendente foi melhor mantido pelas condições de negócios e intenções de investimento. Em ondas anteriores, vimos uma estreita correlação entre esses dois, refletindo o fato de que as empresas tomam decisões de investimento com base em suas próprias perspectivas de negócios, e não na perspectiva econômica mais ampla, e esse continua sendo o caso.

Grande parte da melhoria contínua nas condições de negócios está relacionada às expectativas de preços de venda mais altos. Conforme mencionado acima, estes aumentaram 6 pontos percentuais no período, com 51% das empresas esperando aumento de preços nos próximos 12 meses, o que, por sua vez, ajudou a sustentar as fortes expectativas para os próximos 12 meses, que são as mais fortes em recorde, com 52% das empresas esperando contratar mais trabalhadores, acima dos 48% no primeiro semestre de 2021.

Enquanto isso, todas as categorias de investimento permaneceram fortes, com algumas atingindo novos níveis recordes no segundo semestre de 2021. Uma proporção maior de empresas continua a favorecer o investimento em pessoal, P&D e tecnologia em detrimento do investimento em instalações e máquinas e novos edifícios, o que deve ajudar a eficiência e compensar alguns dos riscos da inflação. De acordo com o Morgan Stanley, o investimento amplo se recuperou mais rápido que o crescimento global, o que significa que uma recuperação mais durável é provável, assim como o aumento da produtividade.

Restrições de fornecimento continuam impactando

Embora possamos nos encorajar com a melhora modesta tanto nas restrições de demanda quanto na incerteza econômica, as restrições estão firmemente enraizadas em seus altos níveis atuais por preocupações com restrições de oferta. A inflação é um grande impulsionador neste sentido, elevando os custos de mão de obra e energia, mas outras barreiras estão relacionadas ao acesso a financiamento, disponibilidade de habilidades e regulamentos e burocracia.

Na edição do primeiro semestre de 2021, discutimos os altos níveis de preocupação com regulamentação e burocracia, e notamos que isso foi parcialmente explicado pelas limitações, incentivos e impostos relacionados à Covid-19, bem como os novos regulamentos e requisitos em torno da sustentabilidade. Para apoiar o mercado de médio porte nas complexidades da sustentabilidade, a Grant Thornton recentemente pediu aos formuladores de políticas que criassem um route map para capacitar o mercado de médio porte rumo ao Net Zero, orientando as empresas sobre como podem seguir e consolidar estruturas e padrões de relatórios. Sobre este último ponto, certamente saudamos o anúncio de que a Fundação IFRS criará um novo conselho para desenvolver os requisitos de divulgação de sustentabilidade.

Diante desse cenário e do surgimento da variante Omicron, 2022 parece ser outro ano desafiador para o mercado intermediário, mas Peter aponta para uma força inerente: "O mercado intermediário agora conhece o manual da Covid-19. As empresas do mid-market estão otimistas porque se adaptaram e tiveram sucesso. Negócios que se mantêm focados, ágeis e flexíveis, especialmente no cenário internacional, continuarão a impulsionar a economia em direções positivas e obter sucesso".

Dados e insights anteriores:

Global Business Pulse | 1° sem. 2021

Mid-market global retorna a níveis positivos

Acesse Global Business Pulse | 1° sem. 2021

Global Business Pulse | 2° sem. 2020

Negócios demonstram otimismo moderado para o novo ano

Acesse Global Business Pulse | 2° sem. 2020

IBR | 2° sem. 2021

Otimismo das lideranças empresariais brasileiras

Acesse IBR | 2° sem. 2021