Expectativas em relação ao próximo ano

Com a chegada de 2021, é possível dizer que existe otimismo entre as empresas de médio porte em todo o mundo. No entanto, esse sentimento é medido com cautela. O mais recente Global Business Pulse da Grant Thornton revela que as empresas estão mais esperançosas sobre o crescimento futuro, mas estão bem cientes sobre os desafios que ainda enfrentam devido à pandemia.

No geral, o índice global, que mede a saúde das empresas de médio porte em todo o mundo, é de -3,6 para o segundo semestre de 2020, uma recuperação de uma baixa de -9,4 no primeiro semestre. Embora com sinais de melhora, ainda é o segundo pior resultado desde o início dos registros do índice, há uma década. Também em território negativo estão dois terços dos 29 países monitorados, todos menos um dos países do G7, a maioria das regiões e todos os setores, exceto dois – refletindo o domínio que a Covid-19 ainda tem sobre as empresas de médio porte em todo o mundo.

Francesca Lagerberg.png “As empresas de médio porte acreditam que o novo ano trará mais oportunidades, mas há um pragmatismo sensato entre os líderes. Eles reconhecem que o primeiro semestre de 2021 ainda será desafiador e as condições serão difíceis”, comenta Francesca Lagerberg, líder global de Network Capabilities da Grant Thornton International Ltd.

O resultado do índice mais recente é baseado em entrevistas com cerca de 5.000 líderes do middle-market entre outubro e dezembro de 2020, e a pontuação resultante é uma medida da saúde comercial positiva ou negativa. Este índice fornece uma captura instantânea da saúde dos negócios em um ambiente desafiador no qual a Covid-19 domina a agenda, vacinas são anunciadas e onde as empresas olham para o ano seguinte. As seções abaixo fornecem o relatório completo para o middle-market global.

Destaques do Global Business Pulse

Global Business Pulse: confira a metodologia aplicada →

Sinais de recuperação das ambições internacionais

No primeiro semestre de 2020, um debate estava ocorrendo entre os líderes do mercado de médio porte sobre o que a Covid-19 significava para a internacionalização de suas vendas e cadeias de suprimentos. Em nível global, e por uma pequena maioria, a intenção era priorizar as vendas domésticas e as cadeias de suprimentos em detrimento das internacionais. No segundo semestre, essa tendência foi revertida, com mais empresas de médio porte buscando priorizar os mercados internacionais em relação aos domésticos e ajustando suas estratégias e recursos internos para alcançar isso. Essa tendência é confirmada pela pesquisa da European Round Table for Industry que, em novembro, relatou que 79% das empresas industriais pesquisadas não tinham planos de resgatar cadeias de suprimentos.

Também houve um salto no número de empresas que esperam aumentar as exportações neste ano, atingindo uma alta de 34% (embora já esteja saindo de uma base menor). “Isso sinaliza a natureza empreendedora do mercado intermediário”, observa Francesca. “As empresas de médio porte estão realmente antenadas em seus mercados e capazes de ver as tendências. Eles são ágeis e podem se adaptar às oportunidades. Ser capaz de reagir com agilidade é muito importante neste tipo de ambiente”.

Em 2021, avaliaremos os impactos específicos da Covid-19 nos mercados doméstico e internacional, examinaremos como as empresas de médio porte estão ajustando suas estratégias e destacaremos as oportunidades atuais.

Revisão das prioridades de investimento em áreas tradicionais

Ao longo do último ano e meio, pesquisa e desenvolvimento (P&D) e tecnologia têm sido uma clara prioridade de investimento, potencializada pelo aumento do trabalho remoto e pela mudança para canais digitais. Nesta última pesquisa, vemos categorias de investimento mais tradicionais ultrapassando essas áreas.

A porcentagem de empresas de médio porte que buscam aumentar o investimento em novos edifícios, fábricas e máquinas aumentou 10 pontos percentuais, para 32% e 38%, respectivamente. O investimento na qualificação dos profissionais também aumentou, com 45% das empresas interessadas em aumentar os seus investimentos nesta área.

Nossos especialistas atribuem isso a vários fatores. Muitas empresas adiaram investimentos durante o curso da pandemia e estão se recuperando. Outras estão investindo para estarem prontas para o aumento esperado. O investimento em edifícios está provavelmente vinculado a requisitos em torno do distanciamento social e à necessidade de armazenamento para armazenar mais matérias-primas e produtos acabados como uma proteção contra interrupções futuras.

Robert Hannah.pngDe maneira mais geral, Robert Hannah, líder global de Strategic Growth Markets da Grant Thornton International Ltd, sugere que a mudança de volta para categorias de investimento mais tradicionais "tinha que acontecer" devido à corrida "exagerada" à tecnologia e ao fato de que as empresas ainda precisam da infraestrutura tradicional como planta, equipamento e propriedade. A varejista global Amazon é um exemplo de negócio digital que está fazendo novos investimentos consideráveis ​​em propriedades e transporte para apoiar seu crescimento durante a pandemia.

Novas regras aumentam o desafio sobre as empresas no ano novo

Antes da chegada da pandemia, nosso índice apontava para preocupações crescentes entre os líderes do mercado intermediário sobre regulamentação e burocracia. Na era Covid-19, isso aumentou ainda mais à medida que todos os tipos de regulamentos e incentivos são usados ​​para controlar a doença, apoiar negócios e proteger as economias. Quase metade (49%) de todas as empresas de médio porte agora identifica isso como uma barreira para seu crescimento – um recorde.

Mudar a regulamentação é frustrante para todas as empresas, mas principalmente para as empresas menores, que têm menos recursos e menos conhecimento especializado. A Grant Thornton publicou recentemente orientações específicas para ajudar as empresas a se prepararem para mudanças regulatórias. Este artigo enfatiza a importância de se manter atualizado com as mudanças e – quando possível – estar à frente delas. A ajuda externa também pode ser muito valiosa aqui em termos de acesso ao conhecimento sobre a burocracia, bem como as melhores práticas a serem adotadas.

Global snapshot

Expanda os itens abaixo para obter mais informações
Cautela é revelada em ambas as vertentes do índice

O entusiasmo cauteloso do mercado intermediário funciona de maneira um pouco diferente nos dois elementos-chave do Global Business Pulse. A "perspectiva" – que acompanha as expectativas de crescimento – produz o sinal mais claro de saúde, aumentando de 35,8 a 46,2, impulsionada principalmente por níveis mais fortes de otimismo econômico, mas apoiada pela melhoria das expectativas de crescimento e intenções de investimento. No entanto, todos esses elementos de saúde permanecem abaixo dos níveis pré-pandêmicos, apesar de terem saído de uma base inferior após a crise da Covid-19.

A melhoria nas “restrições”, ou nas barreiras ao crescimento, foi muito menos perceptível, melhorando apenas 1 pt de seis meses atrás para -53,4. Embora tenha havido pequenas melhorias nas restrições de demanda e na incerteza econômica, um progresso significativo foi travado por uma piora nas restrições de oferta, que será explorada mais adiante.

Notavelmente, a incerteza econômica ainda não caiu para níveis que seriam esperados, dada a mudança no otimismo. Nossa análise de uma década de dados revela que a incerteza econômica e o otimismo econômico estão inversamente correlacionados: quando o otimismo econômico aumenta, a incerteza diminui e vice-versa.

Adrian Cooper.pngComentando sobre a inércia da incerteza econômica, Adrian Cooper, CEO da Oxford Economics, observa que: “Notícias positivas recentes sobre uma vacina fornecem razões para o otimismo visto nas perspectivas econômicas em 2021, e o balanço de riscos está se tornando mais favorável depois de ser desviado para o lado negativo por grande parte de 2020. Mas o ambiente atual continua desafiador, particularmente com as restrições sendo reforçadas na Europa e na América do Norte em meio a um aumento de novos casos, enquanto incertezas significativas permanecem em torno da velocidade e da logística da implantação da vacina. Esses desenvolvimentos contrastantes se refletem nas respostas no último Global Business Pulse”.

Vacina é o principal fator para perspectivas positivas

De todos os componentes da perspectiva, foi o otimismo econômico o que mais se fortaleceu graças a desenvolvimentos positivos como a chegada de uma vacina, clareza sobre as eleições presidenciais nos EUA e a resiliência na China. A recuperação das condições, que abrange todas as expectativas de crescimento de vários negócios, foi menos acentuada, refletindo a cautela que ainda existe entre os negócios de médio porte. O percentual de empresas com expectativa de crescimento de receita nos próximos 12 meses aumentou 11 pontos percentuais, para 45%, e o percentual de empresas com expectativa de aumento de lucratividade, de 12 pontos percentuais, para 44%. A melhora nas perspectivas se reflete nos mercados financeiros, onde o índice mundial MSCI atingiu novos máximos em dezembro, subindo mais de 15% desde o início do mês anterior.

Os desafios de 2020 significam que muitas empresas estão saindo de uma base inferior e, em relação a isso, o futuro parece mais promissor. Nossos próprios dados mostram que 44% do mercado médio global espera que suas receitas diminuam em 2020, após levar em consideração o impacto da Covid-19. A busca por receita e crescimento de lucro não será, no entanto, ajudada pelo excesso de capacidade que agora existe em muitos setores e geografias, o que por sua vez colocará pressão sobre os preços.

Este aperto nos preços de venda é visto em nossos dados, com apenas 37% das empresas globalmente esperando que os preços aumentem no próximo ano, 17% esperando que eles diminuam e 42% esperando que eles permaneçam os mesmos. Em alguns setores – incluindo viagens, turismo e lazer – há mais empresas esperando que os preços diminuam do que aumentem.

Empresas estão investindo para o futuro e priorizando a sustentabilidade

É significativo que as intenções de investimento no mercado intermediário tenham acompanhado as melhores condições no segundo semestre. Historicamente, sempre houve uma forte correlação entre essas duas áreas, com as intenções de investimento lideradas principalmente por expectativas de crescimento interno, em vez de otimismo econômico externo. É muito encorajador que os líderes sigam suas próprias convicções e invistam para o futuro.

Outra tendência importante é a crescente importância da sustentabilidade. Uma pesquisa recente da Grant Thornton mostra que as empresas estão atentas às oportunidades, descobrindo que 43% das empresas de médio porte em todo o mundo veem o sucesso financeiro e a sustentabilidade como igualmente importantes, e que quase metade (47%) espera que uma abordagem sustentável leve a melhorias eficiência operacional e redução de custos. Mesmo que a sustentabilidade não seja o principal impulsionador de novas decisões de investimento, é provável que seja levado em consideração.

Paul English.PNG da Grant Thornton International Ltd, observa: “Agora é muito mais provável que as economias sejam reconstruídas e remodeladas com base em princípios e práticas de negócios mais socialmente responsáveis. É provável que haja uma tolerância muito reduzida para velhas formas de pensar e velhos modelos de negócios”.

Paul enfatiza os benefícios positivos da agenda de sustentabilidade para explorar oportunidades emergentes nos mercados, evidenciando as credenciais certas para os clientes, atendendo aos critérios de sustentabilidade dos investidores e atraindo os melhores talentos. Na verdade, nossa pesquisa encontrou um número recorde de empresas que agora reclamam da falta de mão de obra qualificada – apesar das perdas de empregos devido à pandemia.

Falta de financiamento provavelmente continuará em 2021

Os três componentes das restrições não estão seguindo na mesma direção. A incerteza econômica e as restrições de demanda registram ligeira melhoria, mas permanecem como barreiras significativas ao crescimento para a maioria das empresas de médio porte. A incerteza econômica ainda é sentida por 62% das empresas, e as preocupações com a escassez de pedidos são observadas por 52%.

O elemento que piorou no segundo semestre de 2020 foram as restrições de fornecimento, que caíram de -45,1 pontos para -47,1. Além das preocupações com a regulamentação e a burocracia, há uma preocupação contínua com a escassez de recursos financeiros, que atingiu novos máximos em várias regiões, incluindo a emergente APAC e a América do Norte.

Desafios prolongados sempre testam as finanças da empresa, e a pandemia tem sido particularmente cruel. A situação também foi exacerbada pela retirada gradual de empréstimos, subsídios e incentivos baratos por parte dos governos em muitos países. O mercado de médio porte sempre foi particularmente dependente de bancos para financiamento e, novamente, a inadimplência ou a ameaça de inadimplência pode estar prejudicando a disposição dos bancos em emprestar. A grande esperança é que a chegada das vacinas e a perspectiva de uma recuperação incentivem mais financiamento de capital no futuro próximo.

Nesse sentido, Francesca sugere que as empresas terão que ser criativas sobre onde encontrar seu financiamento. “Acho que veremos esse desafio durar até 2021. As chances são de que as empresas terão que explorar uma série de áreas diferentes, em vez de confiar em uma única rota.”

Consulte nosso conteúdo para obter mais orientações sobre a importância de procurar captação de recursos de fontes alternativas e gestão de fluxo caixa em momentos de incerteza. É fundamental estar preparada para o investimento para garantir que sua empresa esteja em uma posição sólida para aproveitar ao máximo as oportunidades de financiamento disponíveis.

Confira também

América Latina | Global Business Pulse

Região mostra resiliência diante da Covid-19 no segundo semestre 2020

Acesse América Latina | Global Business Pulse

Global Business Pulse - H1 2020

O impacto da Covid-19 no middle-market está revelado

Acesse Global Business Pulse - H1 2020