América Latina mostra resiliência diante da Covid-19

A América Latina foi avaliada como tendo o middle-market mais saudável de todas as quatro regiões verificadas e a vitalidade dessas empresas de médio porte melhorou ainda mais no segundo semestre de 2020. De acordo com o Global Business Pulse da Grant Thornton, esse resultado está, inclusive, ligeiramente acima dos níveis vistos pouco antes do início da pandemia.

Esse resultado é uma demonstração da resiliência das empresas nesta região, destacando sua capacidade de se adaptar e sobreviver enquanto a pandemia continua avançando em muitos países. Também fala de uma característica fundamental desses negócios: muitas são empresas familiares, com todos os benefícios financeiros e de gestão que as acompanham.

Nicolas Cichevski.pngAlém disso, reflete o ritmo constante de recuperação econômica na maioria dos países da região e uma perspectiva mais otimista para o futuro. Nicolas Cichevski Sola, gerente de Business Consulting da Grant Thornton Uruguai, diz: “Os líderes empresariais estão esperançosos de que a região esteja entrando em um ciclo econômico mais positivo, apoiado por preços mais fortes de commodities e investimentos estrangeiros diretos.” Isso será auxiliado pelas atuais taxas de juros baixas, que devem sustentar os gastos do governo e viabilizar mais projetos comerciais na região.

Tudo isso também é reflexo dos níveis de otimismo econômico na América Latina, que aumentaram acentuadamente desde o primeiro semestre, a ponto de 59% das empresas estarem otimistas ou muito otimistas quanto às perspectivas para a economia nos próximos 12 meses - no Brasil o nível de otimismo as lideranças empresariais é de 61%. Esses resultados mais recentes fornecem uma clara percepção da saúde dos negócios em um ambiente dominado pela Covid-19 e são baseados em entrevistas com cerca de 5.000 líderes de mercado intermediário entre outubro-dezembro de 2020.i.

No entanto, a região ainda tem grandes desafios. As taxas de infecção pela Covid-19 têm aumentado - com cerca de um terço do total de mortes globais ocorrendo na região da América Latina ii. Tem havido o desafio prático adicional em países como Brasil, Argentina e México de como apoiar um grande elemento "informal" da economia que não é tributado e em grande parte não regulamentado.

O impacto para todos os negócios da região foi pesado, com a Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe estimando que 2,7 milhões (ou 20%) das empresas da região fecharão para sempre iii.. A maior parte das falências de negócios deve, no entanto, ocorrer entre as empresas menores, aumentando a perspectiva de 8,5 milhões de perdas de empregos.

Roy Buddle.pngRoy Buddle, líder regional das Américas da Grant Thornton International Ltd, enfatiza a gravidade da situação: “Até que as pessoas possam voltar ao trabalho com segurança, há um risco cada vez mais alto de gaps sociais, como saúde, pobreza, fome e igualdade, que trazem o potencial de instabilidade política. Será fundamental monitorar o cenário social”.

O executivo continua questionando as suposições econômicas entre alguns líderes do mercado intermediário: “Uma das minhas preocupações é onde estamos no ciclo de vida da pandemia. Acho que provavelmente estamos apenas na metade do caminho, e você pode ver o dano econômico que já foi feito. A próxima pergunta é: com que rapidez a vacina pode chegar às pessoas nesses países para permitir que as economias voltem ao normal? Isso é crítico”.

 

Confira mais insights regionais
Região revela potenciais expectativas de crescimento e redução das restrições

Um ponto forte do Gloabl Business Pulse é que ele rastreia duas dimensões da saúde: as expectativas de crescimento (medidas pela "perspectiva") e as barreiras ao crescimento (rastreadas por "restrições"). No segundo semestre de 2020, ambos os elementos registraram melhorias, evidenciando uma melhoria mais holística.

Das duas, a perspectiva foi a que mais aumentou, saltando 13 pontos para 54,2 no segundo semestre, com melhorias aparentes em todos os países. As restrições melhoraram 5 pontos para -47 e até ultrapassaram os níveis pré-pandêmicos registrados no H2 2019 em 3 pontos. Enquanto o Brasil e o México viram a pontuação das restrições melhorar, a pontuação da Argentina caiu em relação ao primeiro semestre, o que mostra os contínuos desafios econômicos do país.

Embora as empresas de médio porte possam não ter a mesma vulnerabilidade imediata que suas contrapartes menores destacadas acima, Nicolas Cichevski Sola, da Grant Thornton Uruguai, observa que muitas dependem fortemente dos gastos domésticos privados, que podem levar algum tempo para se recuperar. Mais positivamente, e no prazo imediato, ele observa que empresas que podem não ter construído a mesma escala e nível de produtividade que seus pares maiores podem desfrutar de um pouco mais de proteção contra as pressões da concorrência internacional.

Crença no crescimento futuro incentiva as intenções de investimento

Todos os três elementos da perspectiva melhoraram fortemente em comparação com o primeiro semestre, mas é o otimismo econômico que define o ritmo. Atualmente, cerca de 61% das empresas no Brasil e no México se sentem otimistas com a economia nos próximos 12 meses. A melhora é muito menos pronunciada na Argentina, com 47% das empresas de médio porte otimistas com as perspectivas econômicas, embora seja superior à média de 2019 para o país.

Houve uma melhoria semelhante nas condições, que captura as expectativas de crescimento dos negócios e as intenções de investimento. Historicamente, o Global Business Pulse mostrou uma forte correlação entre esses dois elementos globalmente, e é encorajador ver empresas na América Latina seguindo suas próprias convicções e investindo em face da contínua incerteza da Covid-19. As categorias de investimento que as empresas estão priorizando na região são tecnologia (66% buscando aumentar os investimentos), P&D (52%) e qualificação do pessoal (52%).

Em termos de expectativas de crescimento, 60% das empresas de médio porte na América Latina esperam aumentar a receita nos próximos 12 meses, a segunda maior perspectiva de crescimento de qualquer região acompanhada pelo Global Business Pulse. Um número significativo de 58% das empresas espera aumentar os lucros nos próximos 12 meses.

Por outro lado, as expectativas de exportação só aumentaram ligeiramente desde o primeiro semestre. Apenas 38% das empresas agora esperam aumentar as exportações nos próximos 12 meses. Uma análise recente da Organização Mundial do Comércio (OMC) aponta para um ambiente comercial "profundamente deprimido" para a América do Sul em 2021, apesar dos grandes aumentos nos volumes globais iv. .

Robert Hannah.pngTem havido algum debate sobre o impacto que a mudança na administração dos Estados Unidos terá na região, mas partindo do pressuposto de que a América se tornará mais voltada para o exterior e disposta a negociar, Robert Hannah, líder global de Strategic Growth Markets da Grant Thornton International Ltd, acredita que será “extremamente significativo” e que a região poderá se beneficiar enormemente como um centro de recursos para os EUA.

Roy Buddle afirma que se os Estados Unidos iniciarem sua recuperação e estiverem dispostos a apoiar os países latino-americanos em suas necessidades de vacinas, isso também será um poderoso estímulo para a região, que podemos ver refletido no próximo Global Business Pulse.

Barreiras ao crescimento estão diminuindo na América Latina

Em contraste com muitas outras regiões, houve uma melhoria acentuada nas barreiras ao crescimento ou "restrições" na América Latina - de 5 pontos para -47. Mas os três componentes de restrições (veja abaixo) foram monitorados de maneira muito diferente durante o período. A incerteza econômica foi o elemento que apresentou a maior melhora, refletindo parte da elevação observada no otimismo econômico. Enquanto, as restrições de demanda, que acompanham as preocupações sobre a escassez de pedidos de bens e serviços, permaneceram estáveis ​​no período, refletindo os desafios à frente da recuperação esperada.

De forma encorajadora, as restrições de fornecimento aumentaram significativamente durante o período. O maior motivador por trás disso foi um quadro de melhoria no que diz respeito ao acesso ao financiamento. Apenas 41% das empresas prevêem que a falta de financiamento será uma restrição ao seu crescimento, 12 pontos abaixo do primeiro semestre de 2020 e agora abaixo dos níveis vistos no segundo semestre de 2019. Isso é menos preocupante em todos os três países monitorados pelo Global Business Pulse, e o quadro regional pode estar ligado ao fato de que vários países latino-americanos obtiveram acesso a linhas de crédito flexíveis do FMI v.. Isso é extremamente importante e será a diferença entre o sucesso e o fracasso para alguns nesta pandemia prolongada.

_______________________

i. Confira nossa metodologia para saber mais detalhes.
ii. www.bbc.co.uk - Covid-19 pandemic: Tracking the global coronavirus outbreak - 11 January 2021
iii. www.wsj.com - Covid-19 Derails Latin America’s Bid for Middle-Class Prosperity - 6 August 2020
iv. www.wto.org - Trade shows signs of rebound from COVID-19, recovery still uncertain - 6 October 2020
v. www.bloomberg.com - IMF Builds a $107 Billion Safety Net Under Key Latin Economies - 19 June 2020

 

Outros destaques regionais

Asia Pacific

Coronavirus control keeps APAC mid-market on upward trajectory

Acesse Asia Pacific

European Union (EU)

Mid-market's mood remais low across Europe, but new year offers new hope

Acesse European Union (EU)

North America

North America stages the strongest comeback of all our profiled regions

Acesse North America

Confira também

Global Business Pulse

Saúde dos negócios em 2021

Acesse Global Business Pulse

IBR - 2° Semestre 2020

Otimismo do empresariado brasileiro

Acesse IBR - 2° Semestre 2020

Latam 1° Semestre 2020

Global Business Pulse

Acesse Latam 1° Semestre 2020