Reunimos esforços para auxiliar no gerenciamento dos impactos da Covid-19 nos negócios. Saiba mais.

CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Captar recursos para investir na mudança

By:
Paul Gooley,
Tony Markwell,
Pallavi Bakhru,
Carlos Ferreira
insight featured image
As finanças são o óleo do motor de qualquer negócio e preparar sua empresa para levantar capital pode ser fundamental para mantê-lo no caminho da recuperação.
Retomada estratégica

Imediatamente após a Covid-19, as empresas buscaram melhorar sua gestão de fluxo de caixa e se concentrar na sobrevivência do dia a dia, apoiando-se fortemente nos pacotes de apoio do governo. Contudo, no longo prazo, as empresas precisarão de maior liquidez à medida que avançam para a autossuficiência financeira, após os governos reduzirem o apoio. Elas precisarão investir no ajuste para as mudanças, a fim de sustentar as operações e permanecer competitivas. Obter financiamento para isso será essencial.

De acordo com os dados do IBR mais recentes da Grant Thornton, 26,1% das empresas de médio porte falaram ou planejam falar com os credores acerca do novo crédito, enquanto 23,4% dos entrevistados globais disseram que buscaram apoio financeiro de investidores ou que planejam buscá-lo. Significativamente, 46% das empresas identificaram a falta de financiamento como uma restrição ao crescimento, um aumento acentuado em relação aos 37% na segunda metade de 2019.

Apesar dessas preocupações, há fundos disponíveis para empresas bem administradas. Ao contrário da crise financeira global de 2008, muitas instituições estão sentadas no dinheiro.

Paul Gooley.pngPaul Gooley, sócio e chefe nacional de finanças corporativas da Grant Thornton Austrália, diz: “Do ponto de vista dos investidores, as pessoas precisam colocar seu dinheiro em algum lugar. Os valores de retorno nos bancos são insignificantes; o mercado à vista é como colocar dinheiro debaixo da cama. Portanto, os fundos de capital privado e de dívida oferecem rendimentos acima da inflação; há montantes de dinheiro em busca de retornos.”

Avalie continuamente qual liquidez futura você pode precisar

Tony Markwell.pngEm geral, os governos apoiaram as empresas financeiramente durante a crise. Tony Markwell, national managing partner private advisory da Grant Thornton Austrália, diz: “Muitos governos financiaram os empregadores para manter os empregos, e isso significa que muitos negócios são razoavelmente líquidos.”

O problema para muitos, no entanto, será quando esses pacotes de suporte se retirarem e quando as empresas precisarem começar a fazer investimentos; atualizações e mudanças fundamentais em seus modelos de negócios, de modo a se ajustarem ao novo ambiente operacional. “Você precisa dar uma boa olhada na sua liquidez. Ela é suficiente para você passar por outra onda, isolamento ou desaceleração?”, aponta Markwell.

Pallavi Bhakru.pngPallavi Bakhru, chartered accountant da Grant Thornton Índia, em Nova Délhi, diz: “As pessoas querem ficar com o dinheiro. Na verdade, na Índia, as pessoas levantaram mais dinheiro por meio de questões de direitos dos acionistas. Eles foram e obtiveram mais limites sancionados, não necessariamente os aplicaram, mas querem o conforto de saber que, caso necessário, se o negócio exigir, essa linha de crédito estará disponível para eles.”

As empresas estão procurando dinheiro por muitas razões diferentes, “Algumas estão procurando dinheiro para P&D e tecnologia. E algumas estão apenas em busca de capital de giro básico, visto que estão com o dinheiro preso em devedores. O dinheiro não está vindo de seus clientes ou, em caso de necessidade de dar início à produção, eles precisam de capital de giro. Portanto, há uma necessidade de dinheiro para diferentes períodos de gestação.”

Entenda o que os bancos estão procurando

Os bancos estão apoiando seus clientes existentes, porém a maioria está restringindo as novas condições de empréstimo. Para Gooley, “uma coisa é fornecer isenções de convênios ou uma prorrogação das datas de vencimento das facilidades, porém outra é se os clientes do banco precisarem de dinheiro novo. Os bancos perderão o risco e a quantidade de capital que os bancos fornecem diminuirá. A disposição dos bancos em fornecer empréstimos para fluxo de caixa provavelmente desaparecerá.”

Embora as condições para empréstimos bancários estejam ficando mais restritas, essa ainda é a opção mais barata. Portanto, como diz Markwell, ser um bom cliente de banco nunca foi tão importante para as empresas. “Os bancos querem lidar com pessoas que têm prazer em emprestar. Eles não gostam de negócios que carecem de garantias, de explicações para o orçamento faltante, de planos de negócios”, afirma.

“Ter um banqueiro que entende seu negócio, sabe para onde você está indo, conhece suas principais razões de ser e sobre o que o seu modelo de negócio trata é fundamental. Eles adoram emprestar para pessoas que estão no controle, que fazem o que dizem que vão fazer e que podem articular seus planos.”

Considere a variedade de opções de financiamento alternativas

No mercado privado, existe uma grande variedade de provedores diferentes fora dos bancos. “Se seu banco disser não, isso não significa que você está sem opções”, diz Gooley.

“O capital privado ainda demonstra dry-powder e algumas regiões se encontram mais ativas do que outras. Existem também fundos de crédito, escritório familiar para indivíduos com patrimônios altos, neobancos e fintech que levantaram capital e que podem atuar naquele mercado de dívida alternativo acima de onde os bancos tradicionais atuariam.”

“Existem grandes montantes de dinheiro lá fora no espaço híbrido, dívida de alto rendimento ou essa dívida mais um pouco de incentivo de participação acionária, que estão disponíveis para as empresas de médio porte acessarem, particularmente aquelas de alta qualidade. Eles podem ser uma opção mais atrativa do que o aumento do capital e muitas empresas simplesmente não sabem que esse dinheiro está lá fora.”

Carlos Ferreira.pngCarlos Ferreira, managing partner for private equity da Grant Thornton US, diz: "Empresas habilitadas para tecnologia, especialmente aquelas nos EUA, e mercados-alvo tão diversos como Israel e Brasil, que abordam a segurança cibernética para trabalho remoto, treinamento e formação digital, telessaúde, comércio eletrônico, produtos farmacêuticos, tecnologia de alimentos e distribuição e entrega, estão todas no radar das casas de capital privado.

“Esses negócios estão prosperando e, junto com seus patrocinadores de capital privado, buscam oportunidades de reinvestir por meio de alavancagem, enquanto as taxas de juros estão baixas.”

Prepare balanços e tenha uma boa história futura para contar

A preparação é fundamental para obter financiamento, mas os candidatos bem-sucedidos também terão uma visão atrativa para o crescimento em um novo ambiente de negócios.

“Será uma corrida para ver quem tem a melhor história e quem tem o melhor business case. Estamos incentivando as pessoas a se prepararem e para garantir que você tenha uma história bem articulada, especialmente sobre como será nos próximos anos, no momento em que você sair da pandemia. Haverá oportunidades para financiar em todo o mercado, e esses provedores terão a escolha de onde aplicar seu dinheiro. Estar preparado para isso e ver como o mercado vai se nivelar para você – e como você vai pagar a dívida que solicitará – será essencial”, diz Gooley.

As empresas que estão trabalhando em seus planos de resiliência e recuperação estão identificando as oportunidades de mercado e as respectivas necessidades de investimento. As empresas inteligentes estão se movendo à frente do pacote, preparando seus balanços patrimoniais para tirar proveito da situação. Ter uma história robusta sobre como você vai se adaptar aos novos paradigmas e onde a demanda vai estar vai ajudá-lo a se destacar.

As finanças podem ser um lubrificante para os negócios – garantem que todas as peças funcionem sem problemas e em harmonia, de modo a levá-las adiante. Obter a liquidez certa para o futuro do seu negócio é essencial para garantir a permanência no caminho certo e à frente da concorrência.

Fale com um consultor local da Grant Thornton para auxiliar nesse processo de preparação dos negócios para captar investimentos.