O impacto da Covid-19 no middle-market está revelado.

O lançamento do novo indicador da Grant Thornton sobre a saúde de empresas de médio porte chega em um momento extremamente desafiador. O Global Business Pulse, referente ao primeiro semestre de 2020, revela que o índice caiu 12,8 pontos para uma pontuação negativa em 9,4. É a primeira vez em uma década de resultados comparáveis ​​que o índice se torna negativo e reflete o impacto da pandemia de Covid-19 nas perspectivas de negócios e ambientes operacionais. Os resultados do índice para todas as regiões, todos os setores (exceto um) e 26 dos 29 países monitorados também saem negativos no período mais recente avaliado. O impacto foi amplo, mas talvez não tão intensos quanto o previsto.

Para referência, uma pontuação de +100 representaria uma perspectiva ideal, e a probabilidade de alto crescimento no futuro. Uma pontuação de -100 representaria uma perspectiva assustadora, e a probabilidade de declínio futuro.

A pontuação do índice de -9,4 mostra o impacto significativo da pandemia e é, de qualquer forma, ruim. No entanto, a profundidade da queda poderia ter sido muito pior, dadas as circunstâncias. De fato, os resultados foram uma surpresa para os especialistas envolvidos na análise e elaboração do indicador.

 

Lagerberg_Francesca_round.pngFrancesca Lagerberg, líder global de Network Capabilities da Grant Thornton International Ltd, afirma que “com o colapso da atividade econômica em meio ao novo coronavírus, esperávamos uma deterioração mais significativa nos resultados. No entanto, o índice, de certa forma, reforça o que estamos vendo na prática. Quando falo com empresas de médio porte em todo o mundo, a maioria diz que está negociando com mais eficiência do que imaginava, lidando muito bem com o fluxo de caixa e cuidando primeiro do pessoal. Eles estão mostrando uma resiliência real e isso é extremamente encorajador”.

A Oxford Economics, nossa parceira de pesquisa e desenvolvimento do Global Business Pulse concordam. Adrian Cooper, CEO da Oxford Economics, aponta que “revendo o índice, quando você considera a gravidade da atual crise e como grandes áreas da economia global foram fechadas, o impacto – embora acentuado – não parece ter afetado esses negócios tão profundamente quanto poderíamos antecipar, considerando outros fatores econômicos e dados de pesquisa."

 

A pesquisa para o índice foi realizada em maio e junho de 2020, abrangendo diversos estágios, desde paradas até flexibilização de restrições em algumas partes do mundo. Acesse nossa metodologia para obter mais detalhes sobre a realização do indicador.

Global Business Pulse: Confira a metodologia aplicada

 

Global snapshot

As perspectivas são impactadas com maiores restrições aos negócios

O índice é composto de dois elementos: o outlook [perspectiva] rastreia condições futuras de negócios (incluindo crescimento), otimismo econômico e intenções de investimento futuro, enquanto restrictions [restrições] cobrem restrições de demanda e oferta e incerteza econômica.

Ambos os elementos caíram significativamente nos últimos seis meses. A perspectiva caiu 14,6 pontos, impulsionada em parte por uma grande queda no otimismo econômico. Como no primeiro semestre de 2020, apenas 43% das empresas se sentiram um pouco ou muito otimistas com a economia de seu país nos próximos 12 meses. Este é o nível mais baixo desde a crise da zona do euro de 2011-2012. Houve também um declínio acentuado nas expectativas de receita e lucro para as séries baixas, destacando o ano potencialmente difícil à frente, à medida que a economia global emerge do bloqueio.

As restrições caíram 10,9 pontos, empurrando esse elemento com pontuação negativa mais fundo no vermelho. O ambiente atual tem aumentado as preocupações entre os líderes do mercado intermediário sobre a queda da demanda e a incerteza econômica. Atualmente, cerca de dois terços dos líderes veem a incerteza como uma restrição de negócios, com quase 1 em cada 3 empresas a vendo como uma grande restrição.

Sinais de resiliência e oportunidade no middle-market

Todos os três componentes das perspectivas – otimismo econômico, condições de negócios e intenções de investimento – caíram acentuadamente nos últimos seis meses, mas houve diversos sinais de resiliência nessas áreas. Embora as expectativas de crescimento tenham sido duramente atingidas, 34% das empresas do middle-market global ainda esperam um aumento nas receitas nos próximos 12 meses. Esse é um número significativo no contexto de outras pesquisas de negócios realizadas e revela uma autoconfiança entre os líderes.

As exportações são outro ponto positivo. Olhando para trás, a porcentagem de empresas de médio porte que conseguiram aumentar as exportações nos últimos doze meses realmente aumentou no primeiro semestre de 2020, em comparação com o segundo semestre de 2019. E as expectativas futuras para o crescimento das exportações não caem tanto quanto outras medidas de crescimento, com um quarto das empresas ainda visando aumentos.

Francesca vê isso como um lembrete oportuno de que “não é o fim da globalização, apenas pode parecer um pouco diferente. O comércio internacional é uma parte importante do universo das empresas médias”. Embora as principais perspectivas possam estar se mantendo, a pandemia trouxe uma interessante mudança de atitudes em relação às oportunidades comerciais e às cadeias de suprimentos internacionais, que exploraremos mais adiante durante o ano.

Finalmente, enquanto as intenções de investimento seguiam as condições de negócios para baixo – no padrão regular que esperávamos –, vimos uma aceleração da tendência de investimentos em P&D e tecnologia. Globalmente, 78% das empresas pretendem manter ou aumentar seus níveis de investimento em tecnologia nos próximos 12 meses e 69% pretendem fazer o mesmo em pesquisa e desenvolvimento. Obviamente, a tecnologia foi um fator extremamente importante durante a pandemia, à medida que as empresas passaram para o trabalho remoto, mas, mais fundamentalmente, está sendo usada para ajudar a otimizar as operações comerciais e adaptar ao futuro.

De maneira geral, a inovação tem sido fundamental para ajudar os negócios do mercado intermediário durante a crise, diz Francesca. “As pessoas tinham que fazer as coisas de maneira diferente e faziam em seis semanas o que anteriormente poderia levar seis meses ou seis anos. E muitas empresas agora estão vendo benefícios como resultado das mudanças, e as manterão e se basearão nelas”.

As restrições ao crescimento aumentaram significativamente

Observando os três elementos das restrições, vemos uma acentuada deterioração da incerteza econômica e das restrições de demanda. Em todo o mundo, 55% das empresas identificam a escassez de pedidos (o indicador por trás das restrições de demanda) como uma barreira ao crescimento, com quase 1 em cada 4 empresas identificando-a como uma grande restrição. Isso mostra o quanto a demanda reduziu e é mais impressionante quando vista em nível setorial.

Robert Hannah.pngRobert Hannah, líder global de Strategic Growth Markets da Grant Thornton International Ltd, enfatiza a importância do planejamento de cenários na preparação para todas essas incertezas. “As empresas de médio porte precisam trabalhar com todos os cenários: avaliar o que eles significam, realmente testá-los, pilotá-los e manter a análise constantemente. Parece um processo longo, mas pode ser feito em algumas semanas se você tiver a mentalidade certa e dedicar tempo e esforço a ela”. Leia mais sobre o planejamento de cenários.

Por outro lado, as restrições de oferta, que incluem mão de obra, acesso a financiamento e regulamentação e infraestrutura, não mudaram significativamente. A crise teve pouco impacto na burocracia e na infraestrutura e pode até ajudar a aliviar as restrições do mercado de trabalho.

O único elemento que piorou foi o acesso ao financiamento, apesar dos níveis sem precedentes de flexibilização fiscal e monetária globalmente. A disponibilidade de recursos é a força vital das empresas atualmente e esse resultado é muito preocupante e será observado de perto no futuro. Em "Thriving in 2020: Capitalising on resilience", discutimos algumas fontes adicionais de financiamento para as empresas e como elas poderiam se posicionar melhor para acessá-las.

Regional highlights

América Latina

América Latina demonstra resiliência no middle-market

Read more América Latina

North America

North American businesses among the hardest hit

Read more North America

European Union (EU)

Jobs threat as EU businesses reel from impact of Coronavirus

Read more European Union (EU)

Asia Pacific

APAC bouncing back from the pandemic

Read more Asia Pacific

Mantenha-se atualizado

O Global Business Pulse é publicado semestralmente pela Grant Thorntone e traz informações relevantes para a competitividade de empresas do middle-market.

Também publicaremos informações adicionais de nossa pesquisa ao longo do ano.

Para receber com exclusividade nossos novos conteúdos, preencha o formulário. 

Você também pode visitar a página de Insights para acompanhar nossas  diversas análises, e também acessar nosso HUB Covid-19 para saber a visão dos nossos especialistas sobre como superar os desafios e ampliar a resiliência dos negócios.