COVID-19

Exportações e supply chain: principais mudanças estratégicas na crise

Um debate está ocorrendo entre os líderes empresariais do middle-market sobre o que a Covid-19 significa para suas exportações e cadeias de suprimentos internacionais. As paralisações causaram grandes interrupções globalmente, mas também nos mercados locais. Então, o foco de vendas e fornecimento das empresas deve ser mais doméstico ou mais internacional? Os mercados externos são um risco desnecessário ou uma proteção inteligente?

As opiniões conflitantes são reveladas em nossa pesquisa sobre resiliência no middle-market, conduzida entre maio e junho. Pela primeira vez, perguntamos às empresas sobre sua priorização de mercados internacionais e cadeias de suprimentos nos próximos 12 meses. Descobrimos que a maioria das empresas está procurando mudar a forma como priorizam essas duas áreas relacionadas, mas há um nível de conflito surpreendente quanto a aumentar ou diminuir seu foco internacional. Em um nível global e por uma pequena maioria, a intenção é diminuir a priorização de vendas internacionais e cadeias de suprimentos, embora haja muita variação entre regiões e setores.

imagesi8is.png

Os resultados estão de acordo com o que vimos em nosso acompanhamento de longo prazo das expectativas de exportação entre as empresas de médio porte, que sinalizaram queda para o primeiro semestre de 2020, mas não tanto quanto outras medidas de crescimento, com uma pequena maioria de 27% esperando diminuir as exportações no próximo ano, em comparação com 25% esperando um aumento.

No Brasil, 40% do empresariado têm a expectativa de aumento no volume de exportações, enquanto 22% aposta em uma queda e 18% acreditam que o volume será mantido nos próximos 12 meses.  

A globalização não parou

Francesca Lagerberg round.pngA contínua priorização dos mercados internacionais – e o fato de que cerca de três quartos das empresas de médio porte vendem bens ou serviços no exterior – é um lembrete oportuno de que “a globalização não chegou ao fim. Pode ser um pouco diferente. O comércio internacional é uma parte tão importante do universo do middle-market e pode fornecer oportunidades onde os mercados domésticos estão lutando”, observa Francesca Lagerberg, líder global de Network Capabilities da Grant Thornton International Ltd.

Fatores como modelos de negócios, liderança e oportunidades de mercado inevitavelmente influenciarão a importância que as empresas atribuem às vendas internacionais e às cadeias de suprimentos. De forma útil, nossa análise descobre que a regra prática é que as cadeias de suprimentos internacionais são priorizadas tanto quanto as vendas internacionais: aquelas que priorizam as vendas internacionais também priorizam as cadeias de suprimentos internacionais e vice-versa.

Geograficamente, as regiões mais desenvolvidas da Ásia-Pacífico, Europa Ocidental e, até certo ponto, América do Norte estão atualmente mudando seu foco de vendas e fornecimento para os mercados domésticos, enquanto as regiões emergentes permanecem mais focadas internacionalmente. Isso pode ter impactos econômicos significativos na economia global, dependendo da escala e da velocidade dessas mudanças. O impacto relativamente inicial da Covid-19 em muitos países desenvolvidos durante os meses de pesquisa do International Business Report (entre maio e junho) explica parte dessa retração, enquanto o otimismo contínuo e a importância do comércio podem explicar o foco global resiliente dos mercados emergentes.

No nível do setor, há nuances em grande quantidade. Setores que estão no centro do interesse nacional, como saúde, educação e transporte, estão certamente tendo um foco mais doméstico, assim como setores de consumo como viagens, turismo e lazer e produtos de consumo. Em muitos países, as restrições e preocupações sobre viagens internacionais aumentaram o turismo doméstico. E a Covid-19 também está causando alguns impactos indiretos na demanda.

Trefor Griffith.pngTrefor Griffith, líder de alimentos e bebidas da Grant Thornton UK LLP, observa que “durante o confinamento, os consumidores reconheceram que há coisas que podem fazer para ajudar o meio ambiente – como comprar localmente e reduzir a quantidade de viagens – e isso impulsionou a demanda doméstica”. Ele observa que a sustentabilidade não é uma tendência nova nas indústrias alimentícia e de bebidas, mas seu progresso foi acelerado pela pandemia.

A internacionalização ainda está firmemente na agenda de muitos setores. Tecnologia, mídia e telecomunicações sempre foram muito globais em seu foco de vendas e cadeia de suprimentos, e está no topo da lista de setores que buscam priorizar ainda mais os mercados internacionais no próximo ano. Entre os outros setores que buscam aumentar seu foco internacional estão serviços financeiros e construção e imobiliário.

Setores com foco no mercado internacional

  • Tecnologia, mídia e telecomunicações
  • Serviços financeiros
  • Construção e imóveis

Setores com foco no mercado doméstico

  • Educação, serviços sociais e pessoais
  • Transporte
  • Viagem, turismo e lazer


Foco de curto prazo nas vendas domésticas é esperado

Diante da incerteza global, é fácil ver por que algumas empresas podem conter seus planos de crescimento e se concentrar nos mercados que conhecem melhor, mas muitos de nossos especialistas acham que essa mudança terá vida relativamente curta.

Rodger Flynn.pngRodger Flynn, líder regional da APAC na Grant Thornton International, afirma que “o foco doméstico está em andamento, porém as limitações inerentes dos mercados locais levarão os negócios de médio porte a olhar regionalmente e, em última instância, para o mercado global em busca de oportunidades de crescimento.

Robert Hannah.pngRobert Hannah, líder global de Strategic Growth Markets da Grant Thornton International Ltd, concorda e aponta para uma série de oportunidades imediatas para empresas de médio porte. “Se você tem capacidade excedente e está em uma posição razoavelmente boa, então veja se é possível desenvolver propostas online eficazes ou se conectar com uma joint venture ou parceiros de distribuição e explorar o mercado externo. Os mercados e parceiros estão abertos a coisas novas e se você agir rápido, acho que se sairá muito bem”.

Claramente, se algumas empresas estão se retirando dos mercados internacionais, há uma oportunidade imediata para outras roubarem participação de mercado e parceiros locais. Nossa pesquisa sugere que algumas empresas já estão vivas para essa oportunidade, com 25% planejando aumentar o número de países para os quais vendem no próximo ano e apenas 19% procurando diminuir.

IBR Covid-19: Estratégias adotadas pelas empresas brasileiras no enfrentamento da crise Acesse
Business Resilience Resiliência do middle-market: uma revisão de estratégias para a retomada Confira

Robert também escolhe uma oportunidade específica para provedores de serviços. “O novo coronavirus reescreveu as regras sobre como você entrega os serviços e onde os entrega. Se você não está fabricando algo que tenha alguma presença física, agora muito pode ser entregue online. As fronteiras caíram e as normas culturais de ter que se encontrar para fazer as coisas acontecerem não existem mais”. Francesca concorda que em cada recessão existem oportunidades, mas destaca a necessidade de estar preparada para o crescimento para poder aproveitá-las – trata-se de estar “melhor posicionada, melhor organizada e mais pensativa”.

Trefor lembra aos líderes empresariais que a Covid-19 não mudou fundamentalmente as considerações para as empresas ao decidir internacionalizar produtos. “Você ainda precisa descobrir quem iria consumir o produto e se você pode obtê-lo a um preço que eles paguem. Você ainda precisa fazer a diligência para ter certeza de que será um sucesso, então planeje, planeje e planeje e certifique-se de que tem o apoio certo para executar sua estratégia”.

Covid-19 amplia os desafios pré-existentes de supply chain

Quando se trata de pensar em supply chain, é importante reconhecer que a Covid-19 é apenas o mais recente em uma longa linha de choques nas cadeias de suprimentos internacionais. A escalada da guerra comercial EUA-China já fez com que muitas empresas pensassem em interrupções e na melhor forma de lidar com isso. No ano passado, observamos que ter várias cadeias de suprimentos era tão crítico como sempre e identificamos que algumas empresas estavam adotando uma estratégia ‘China plus two or three’ para maior resiliência, estabelecendo fornecedores secundários em diversos países.

“Isso amplifica os problemas da cadeia de suprimentos que já vimos e acho que está acelerando a tomada de decisões. As pessoas agora estão pensando ‘temos que trazê-lo para casa – ou mais perto de casa’”, diz Rodger. Uma mudança para mais perto de casa poderia inevitavelmente favorecer os países com custos mais baixos na Europa, Ásia-Pacífico e nas Américas. Mas ele adverte que uma recalibração significativa das cadeias de abastecimento exigirá um investimento real em um momento em que o financiamento é muito menos acessível e que a velocidade e a escala das mudanças podem depender de incentivos governamentais.

Os líderes empresariais certamente demonstraram o desejo de melhorar a resiliência de suas cadeias de suprimentos, com mais de um terço globalmente dizendo que isso é algo que eles precisam resolver após a crise da Covid-19.

Scott Wilson, diretor de Consultoria da Grant Thornton International Ltd, desaconselha qualquer tomada de decisão instintiva e enfatiza a importância de considerar diversos fatores ao se pensar sobre as cadeias de suprimentos internacionais, como estabilidade política e econômica dos mercados, tributação, disponibilidade de oferta de trabalho adequada, base de custos, proteção da propriedade intelectual, ambiente regulatório e segurança de acesso às matérias-primas.

Robert sugere que uma mudança mais bem-sucedida da cadeia de suprimentos pode ser o afastamento de um ou vários fornecedores para parcerias estratégicas. “Essas parcerias seriam muito mais flexíveis e, em vez de bloqueá-lo em um país, um fornecedor ou uma alocação definida, permitiria que você ligasse ou desligasse em diferentes níveis da cadeia de abastecimento de acordo com as situações e necessidades de mudança.”

Embora mudanças fundamentais no supply chain sejam uma consideração para alguns, a questão para muitos é se abandonarão uma abordagem just-in-time para a produção e, em vez disso, se concentrarão na construção de matérias-primas e estoque para conter quaisquer interrupções futuras – uma abordagem 'just-in-case '. Embora algum nível de excesso possa ser sensato por enquanto, Francesca desaconselha um desvio fundamental: “just-in-time não é uma coisa do passado. A pandemia tornou isso mais complicado, mas a eficiência e a vantagem de margem para um negócio just-in-time têm sido muito importantes para as empresas. Novos modelos de negócios podem emergir da pandemia, mas ainda será importante manter o que funcionava no passado”.

Planejamento de cenário é a melhor maneira de superar a volatilidade

Todos os nossos líderes destacam a importância do planejamento de cenários para ajudar as empresas a encontrar a melhor maneira de lidar com os desafios imediatos da Covid-19 nas vendas internacionais e nas cadeias de suprimentos. “Aqueles que pensaram sobre as questões 'e se' terão elaborado o plano B para permitir que sejam ágeis e resilientes. As empresas que desejam gerenciar seu perfil de risco e estar bem posicionadas para aproveitar as oportunidades devem se engajar em um planejamento de cenário eficaz”, afirma Scott.

De médio a longo prazo, Scott observa que as empresas precisarão reavaliar continuamente suas pegadas internacionais. “À medida que o impacto do novo coronavírus é reduzido, fatores como flexibilidade, confiabilidade, custo e oportunidade de mercado continuarão a ser considerações importantes para as empresas que buscam crescimento – com uma estratégia com foco puramente doméstico sendo uma estratégia limitante e, para alguns, insustentável”.

 

Como podemos auxiliar a sua empresa nesse momento?

Conte com nossos especialistas para auxiliar nas estratégias ne negócio nesse momento de incertezas e ajudar a reagir frente os desafios da crise de Covid-19.

Entre em contato conosco