insight featured image
O futuro dos escritórios está programado para mudar radicalmente. À medida que o home office se torna o novo normal e a demanda por espaço para escritórios diminui, as empresas procuram reduzir seus portfólios de propriedades e otimizar os espaços para se adequarem aos novos modelos de trabalho – um processo que pode levar anos.

“Mudança é a única constante”, diz o antigo ditado. Conforme a pandemia permanece e, inclusive, apresenta nova onda em países da Europa, a potência e o impacto da Covid-19 permanecem incertos. No entanto, o impacto em nossa vida profissional diária é evidente, pois, para muitos, continua a mudança para o trabalho doméstico de maneira permanente.

Muito já foi escrito sobre os prós e os contras do trabalho doméstico. Mas o que foi amplamente esquecido até agora é que, à medida que a demanda por espaço diminui, as empresas buscarão reduzir seu portfólio de propriedades para reduzir custos.

Reduzindo e otimizando o espaço do escritório

A forma como as empresas vão liberar esse espaço também está mudando. Nos próximos meses, é esperado que o mercado de sublocação secundária seja inundado, à medida que as empresas procuram oportunidades de sublocação de seu espaço atual com apenas uma ocupação limitada. Embora se fale muito da ‘morte do escritório’, na realidade é provável que isso não se concretize. Em vez disso, haverá um foco na redução substancial do espaço, embora isso não aconteça da noite para o dia, pois uma mudança significativa no local de trabalho leva tempo.

As empresas precisarão aguardar interrupções ou vencimentos em seus aluguéis para liberar espaço sem riscos. Portanto, para uma empresa que deseja reduzir seu portfólio em 25% a 40%, pode levar de três a cinco anos para chegar lá.

Existem várias etapas que as organizações podem realizar agora para iniciar o processo, incluindo:

  • identificar locais para fechar ou reduzir
  • concordar com uma nova estratégia de local de trabalho com a alta administração e líderes de negócios
  • projetar e custear o novo local de trabalho
  • trazer os colaboradores junto nas mudanças propostas.

Tudo isso pode levar cerca de 12 a 18 meses para ser concluído e aqueles que iniciarem essa mudança antecipadamente terão uma clara vantagem sobre seus pares, mesmo que o primeiro vencimento ainda esteja alguns anos à frente.

Como os escritórios estão mudando seu propósito

Embora seja necessária uma avaliação do espaço do escritório, uma coisa é certa: ainda precisamos de um espaço corporativo. As equipes ainda precisam se encontrar, tanto umas com as outras quanto com os clientes. O que tende a mudar, porém, é o tempo gasto no escritório, que se tornará planejado e não hábito. Aqueles que não podem trabalhar em casa ainda precisam de espaço permanente. Mas, para a maioria dos funcionários, o dia no escritório se tornará um evento ocasional para fazer contatos, aprender ou socializar antes de voltar para casa.

No antigo modelo de escritório, era normal que cada departamento tivesse seu próprio espaço dedicado. Também poderia haver um andar para lideranças, uma cantina para funcionários e um espaço para clientes. O antigo escritório era onde você trabalhava e, embora fizesse parte de uma equipe, trabalhava sozinho grande parte do dia.

Novos espaços de escritório serão colaborativos

No novo modelo de escritório que provavelmente aparecerá, a colaboração será a principal ênfase, tanto internamente quanto com os clientes. O espaço na mesa do funcionário provavelmente será reduzido (em 50% ou mais), precisará ser reservado com antecedência e apenas grandes salas de reunião serão mantidas para a colaboração da equipe ou do projeto.

Com essa abordagem, todos os aspectos do escritório podem ser reaproveitados. Com os clientes na frente e no centro do local de trabalho com novo visual, até mesmo recepções e cantinas podem ser modificadas para maior valor. No passado, recepções e catracas funcionavam como uma barreira à entrada. Mas as entradas podem ser repensadas para ficarem mais alinhadas com o lobby de um hotel, onde as empresas convidam os clientes a se sentar, comer e trabalhar ou apenas observar enquanto esperam.

Embora seja provável que um espaço dedicado para reuniões importantes com o cliente seja mantido, a cantina dos funcionários, normalmente usada por cerca de três horas por dia, pode se tornar outro ponto de colaboração – potencialmente uma área compartilhada para os funcionários demonstrarem e os clientes experimentarem, cultura corporativa e comportamento.

Trabalhar em casa – ou perto dela

Trabalho remoto não precisa significar "trabalhar em casa". Trabalhar em casa pode ser solitário ou difícil para alguns, e a necessidade de fazer contato humano além de amigos e familiares é muito real.

Ao oferecer a seus funcionários acesso a redes gerenciadas de espaços de trabalho suburbanos e rurais mais perto de casa, as empresas poderiam permitir que os funcionários trabalhassem não em casa, mas perto de casa. Espaços de trabalho suburbanos colaborativos e de coworking - alguns pequenos e independentes, já estão crescendo no mercado e oferecem uma alternativa acessível para casa ou escritório corporativo.

Mais trabalhadores remotos em áreas suburbanas e rurais estão redescobrindo onde moram, e há grandes oportunidades para as autoridades locais aproveitarem isso. Reaproveitar o espaço do conselho, como bibliotecas públicas, ou trabalhar com varejistas para converter unidades de lojas em dificuldades, para criar um espaço de colaboração acessível são apenas duas maneiras de preservar e melhorar um lugar. E isso também cria uma renda valiosa com um propósito social para o governo local.

Os distritos comerciais centrais foram significativamente atingidos durante o bloqueio e, embora certamente haja tempos difíceis pela frente, esperamos que essas áreas se revitalizem à medida que as empresas começam a se mover em direção a um modelo de trabalho remoto e corporativo mais equilibrado.

Por: Ian Tasker, diretor da Grant Thornton UK