América Latina demonstra resiliência diante da Covid-19

De todas as regiões destacadas no Global Business Pulse da Grant Thornton, a América Latina se mostrou a mais resiliente na primeira metade de 2020. Sua pontuação no índice, uma verificação de saúde de empresas de médio porte, caiu apenas nove pontos para -5,6. Esta é a menor queda e a melhor pontuação do índice que também analisa APAC, UE e América do Norte.

A escalada relativamente tardia da Covid-19 em toda a região explica de alguma forma a força do índice, embora o impacto no Brasil, em particular, tenha se tornado mais acentuado. No entanto, também mostra fundamentalmente a resiliência desenvolvida pelas empresas de médio porte da América Latina. Essa característica foi destacada pela Grant Thornton no início deste ano no Thriving in 2020 report.

Roy Buddle.pngRoy Buddle, líder das Americas na Grant Thornton International Ltd, observou que as empresas da região desenvolveram conjuntos de habilidades, inclusive ao longo de muitos anos, para lidar com crises. "Isso os ajudou a lidar com o novo coronavírus. O que ficou muito claro nos últimos meses é que as empresas que fizeram o melhor são aquelas que têm economias, recursos e reservas para aproveitar, e esse é o resultado direto das lições aprendidas em crises passadas", disse Roy.

Robert Hannah.pngRobert Hannah, líder global de Strategic Growth Markets at Grant Thornton International Ltd, também observa que muitas empresas de médio porte na América Latina são de propriedade familiar, o que significa que têm horizontes de tempo muito mais longos. "Ouvi de nossa firma-membro no México que as empresas nacionais que enfrentam tempos difíceis estão pensando 'não precisamos ganhar tanto dinheiro nos próximos dois anos porque estamos olhando para um horizonte de dez anos'".

Embora essas empresas e o continente latino-americano possam ser resilientes, eles não são imunes. O FMI prevê uma perda de US$ 12 trilhões no crescimento econômico global da pandemia e que 10% serão provenientes da América Latina.[i] Roy Buddle observa que a prosperidade da região continua dependente de uma forte economia americana e que outras fraquezas na América do Norte terão um efeito cascata em todas as economias da América Latina.

Acesse nossa metodologia para obter mais detalhes sobre a realização do indicador.

Global Business Pulse: Confira a metodologia aplicada

Restrições ao crescimento apresentam pequena redução

O Global Business Pulse concentra-se em dois elementos principais do sentimento dos líderes empresariais: a 'perspectiva' [outlook] e as 'restrições' [restrictions] que suas empresas enfrentam. A resiliência dos negócios latino-americanos é vista aqui em ambos os casos, mas particularmente no lado das restrições. Esse subíndice reduziu em apenas 2,2 pontos – comparado a uma queda global de cerca de 11 pontos – indicando que os líderes do middle-market pensam que as condições só se tornaram piores durante o meio da pandemia do que eram antes.

O declínio que vemos nas perspectivas se deve principalmente a uma queda no otimismo econômico. Os resultados do primeiro semestre de 2020 mostram que, atualmente, 40% das empresas de médio porte estão otimistas sobre as perspectivas econômicas, ante 65% no segundo semestre de 2019. O Brasil registrou o mais acentuado declínio no otimismo (-29 pontos percentuais) - talvez sem surpresa, devido à gravidade de seu surto de Covid-19 - seguido pelo México e Argentina.

Empresas latino-americanas continuam otimistas com as exportações

Com exceção do otimismo econômico, os indicadores de perspectiva na região permanecem relativamente dinâmicos. As intenções de investimento permaneceram praticamente inalteradas, com cerca de 35-50% das empresas relatando planos para aumentar o investimento na maioria das áreas, apesar das quedas nas expectativas de receita e crescimento de lucro. Investimentos em P&D e tecnologia continuam sendo uma prioridade, que Roy Buddle observa que está “relacionado aos custos e otimização de processos, para que as empresas possam tornar os processos mais eficientes, reduzir custos e permanecer nos negócios. É um caminho para a sobrevivência, tanto quanto para o crescimento agora". O executivo prevê que essa será uma tendência significativa, regional e globalmente, no futuro.

E as empresas de médio porte mantêm otimismo em relação às exportações, com expectativas abaixo de apenas dois pontos percentuais (ppt) em comparação com o segundo semestre de 2019. Na Argentina, Brasil e México, as expectativas de exportação estão em níveis semelhantes aos do segundo semestre de 2019. Os resultados do México podem ter sido impulsionados pela ratificação pelo Canadá em março do United States Mexico Canada Agreement (USMCA), o sucessor do Acordo de Livre Comércio da América do Norte. Isso abriu caminho para a USMCA entrar em vigor a partir de julho de 2020 e garante que o México mantém seu acesso preferencial ao importante mercado dos EUA.

As restrições de demanda e oferta apresentaram pouca mudança

Enquanto o otimismo econômico caiu acentuadamente, a mudança para a incerteza econômica foi muito mais contida, piorando em oito pontos percentuais, em comparação com 17 pontos percentuais no mundo. Surpreendentemente, no primeiro semestre de 2020, os níveis de incerteza econômica na Argentina melhoraram após uma mudança no governo - um dos únicos dois países da nossa amostra (29) a conseguir esse resultado.

Houve pouco movimento nas restrições de demanda e oferta. A desaceleração econômica ainda tem que se traduzir em menos pedidos para empresas de médio porte nas regiões e não houve o mesmo salto de preocupações com a falta de financiamento que vimos na maioria das outras partes do mundo. Este último ponto provavelmente também reflete as reservas financeiras dos negócios latino-americanos, destacadas por Roy.

Confira os resultados nas demais regiões:

North America

North American businesses among the hardest hit

Read more North America

European Union (EU)

Jobs threat as EU businesses reel from impact of Coronavirus

Read more European Union (EU)

Asia Pacific

APAC bouncing back from the pandemic

Read more Asia Pacific