ARTIGO

Como as seguradoras devem intensificar seus processos de transformação?

Nessa nova década, as seguradoras enfrentam desafios significativos para transformar seus negócios, impulsionar mudanças, capturar os benefícios da Indústria 4.0 e criar mercados de seguros do futuro.

Com a pandemia de Covid-19, essa necessidade foi ainda mais evidenciada, além de representar uma oportunidade de redefinir, e até mesmo reconsiderar, o propósito do seguro.

Diante do cenário, consideramos os principais aspectos para as instituições de seguro concentrarem seus esforços. Confira:

1. Força financeira

As reformas regulatórias que seguiram após a crise financeira global de 2008 permitiram às instituições financeiras enfrentar melhor o impacto econômico atual, valendo-se da liquidez existente e dos recursos financeiros acumulados. Essas reservas têm ajudado a manter a intermediação em mercados voláteis, ao mesmo tempo em que administram maiores riscos de desaceleração, principalmente operacional.

Pressões sobre os índices de custo e solvência, caixa e liquidez, implicações de rebaixamento e estruturação e hedge de portfólio afetaram a receita e o desempenho dos investimentos. Este longo período de estresse tem sido um teste, mas também produziu percepções importantes, resultando em melhorias nos recursos do modelo de risco, na eficácia das estruturas de gerenciamento de risco e em todos os aspectos do design e análise do ciclo de vida da apólice.

Conforme as empresas embarcam na jornada pela recuperação macroeconômica de volta às operações em um ambiente mais estável, a restauração da força financeira será acelerada pela reestruturação antecipada e pela adaptação dos modelos operacionais alinhados ao cenário pós-pandemia.                                                        

2. Iniciativas regulatórias e de conformidade

Autoridades regulatórias mundiais têm feito esforços conjuntos para sustentar a estabilidade do sistema financeiro global por meio dos seus bancos centrais e de medidas de política fiscal, enquanto os reguladores oferecem flexibilidade e alívio operacional. Prazos de implementação atrasados ​​para iniciativas regulatórias importantes, como o IFRS 17 'Contratos de Seguro', fornecem uma opção para as empresas redefinirem os programas e permitem o foco em iniciativas imediatas a fim de fortalecer o sistema financeiro global.

No entanto, a agenda regulatória mais ampla não foi abandonada durante este período. Isso inclui o impacto e a experiência do cliente, práticas de preços, cadeias de distribuição complexas, barreiras à entrada e o uso de dados do cliente, entre outros. Espera-se que as reclamações e os descontos de prêmio associados, alinhados à indenização do cliente, orientada por regulamentações, continuem e, potencialmente, acelerem no ambiente atual.

O setor de seguros também precisará considerar a resposta inevitável mais ampla ao debate nascente em torno do seguro contra interrupção de negócios e as consequências políticas e regulatórias associadas. As demandas excepcionais de resiliência operacional reacenderão o foco na governança e na conduta. E a tendência para o trabalho remoto mudará a forma como nos protegemos contra riscos cibernéticos e, também, apresentará oportunidades para as seguradoras que podem trabalhar com clientes para mitigá-los.

3. Modelos operacionais mais ágeis e resilientes

O impacto da Covid-19 está impulsionando a necessidade de maior agilidade e melhor resiliência nos modelos operacionais de seguros para ajudar as empresas a flexibilizar e atender às mudanças nos requisitos de prestação de serviços ao cliente.

Isso incluirá processamento aprimorado de capacidade máxima, bem como maiores níveis de resiliência operacional. À medida que os modelos operacionais passam por mudanças fundamentais em relação ao coronavírus e a problemas de longo prazo, há também a necessidade de uma maior compreensão e mitigação dos riscos de fraude cibernética e de crimes financeiros associados.

Este enfoque revisado também conduzirá a testes de estresse mais amplos e atualizações para resolução de recuperação e planos de resiliência operacional.

4. Redistribuição e novos locais para a futura força de trabalho

O trabalho remoto tornou-se essencial e o futuro ambiente do modelo operacional exigirá um novo mapeamento para lidar com isso, incluindo locais, funções, sistemas e recursos.

Os resultados incluirão um modelo de força de trabalho mais distribuído, com maior rotação da equipe em espaços físicos de trabalho, mais tempo de trabalho em casa e o modelo de suporte associado que isto requer. A necessidade de grandes concentrações de imóveis será reduzida e tecnologias mais colaborativas serão adotadas para possibilitar melhores formas de trabalhar.

5. Otimização e reestruturação de custos

Dado o severo impacto econômico do coronavírus, iniciativas rápidas de otimização, garantia e reestruturação de custos devem ser consideradas. São necessárias escolhas mais inteligentes para priorizar a alocação de capital e recursos para as linhas de negócios centrais e periféricas.

É necessária maior criatividade para liberar capital, potencializando os balanços patrimoniais de grandes fornecedores de tecnologia ou gerando receita com a comercialização de ativos de tecnologia para oferecer serviços públicos do setor. Isso pode incluir respostas imediatas e de longo prazo com relação a mudanças no modelo operacional, incluindo análises de infraestrutura digital e programas de transformação associados. As questões potenciais para lidar com carteira em run-off também precisarão ser tratadas, incluindo os impactos do modelo de alocação de custo por apólice.

A aplicação inteligente de refinamento e automação de processos será fundamental, o que incluirá uma avaliação detalhada dos retornos alcançados em toda a indústria de seguros até o momento.

6. Aumento na adoção e inovação de fintech

As arquiteturas de tecnologia de seguros não mudaram fundamentalmente nos últimos 20 anos. Como resultado de aquisições e demandas regulatórias, muitas seguradoras aumentaram sua complexidade, deixando de simplificar e de reduzir custos.

Agora é a hora de iniciar a transformação, com foco na simplificação de operações e tecnologia. Adoção de soluções fintech e regtech, utilitários compartilhados da indústria e serviços escaláveis ​​de provedores de nuvem devem ser adotados. Essas inovações aumentam a resiliência e agilidade operacional e tecnológica e se combinam com resultados mais ajustados às expectativas do cliente à medida que entramos em uma nova década.

7. Reconstruir e otimizar a cadeia de abastecimento

A pandemia do novo coronavírus testou e, em certos casos, quebrou as cadeias de suprimentos de terceiros. Elas foram projetadas e construídas dentro de modelos operacionais rígidos nos últimos 20 anos para executar serviços próximos e offshore.

As empresas precisarão repensar a melhor forma de otimizar ou colaborar com fornecedores terceirizados, sejam eles novos ou já existentes. Precisamos considerar a reconstrução e a otimização da cadeia de abastecimento e o gerenciamento eficaz de fornecedores terceirizados, tudo alinhado às necessidades de resiliência operacional em transformação.

A economia gerada poderia ser reinvestida em um renascimento da atividade onshore, mas remota, o que dependeria de legislação, com um equilíbrio entre custo e resiliência procurado.

As fintechs e as plataformas de ecossistema podem oferecer serviços com maior continuidade de negócios em uma cadeia de valor mais flexível com benefícios de agilidade, estabilidade e inovação associados.

8. Aumento das transações de M&A

Pressões operacionais, de custo e regulatórias de curto a médio prazo sobre certas seguradoras podem levar à consolidação do mercado – particularmente, para aqueles que não têm balanços sólidos o suficiente e um caminho claro para retomar ao retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) positivo.

É provável que a velocidade e a escala da mudança sejam ainda mais intensificadas pela diversificação das entidades nas classes de produtos, intervenções regulatórias e estruturação de acordos de resseguro.

A pandemia gerou perdas no mercado de resseguros, tanto em termos do ambiente de sinistros como do impacto negativo nos mercados de investimento. No entanto, está surgindo um consenso sobre o endurecimento das condições de mercado, com expectativa de continuidade até 2021 e além. Como resultado, as resseguradoras estão planejando aumentos de capital para responder às oportunidades de crescimento esperadas decorrentes de mercados mais difíceis ou quando os preços se fortalecem devido a restrições de capital.

9. Surgimento de um novo ecossistema de mercado de seguros

A infraestrutura do mercado de seguros tem se mostrado resistente até agora nessas condições financeiras e operacionais desafiadoras. No entanto, surgiram questões significativas em torno da disciplina técnica mostrada na estratégia de produto – tanto na participação no mercado, preço e estratégia de subscrição dentro dos segmentos – e a capacidade de comunicar efetivamente o escopo da cobertura. Outras considerações de longo prazo, como as implicações das mudanças climáticas e seu impacto na indústria, também precisarão ser consideradas de acordo com o acima.

O retorno do investimento está direcionando um foco "de volta ao básico" no preço técnico e no desempenho de subscrição, o que acabará por acelerar e exacerbar o investimento da empresa nas habilidades essenciais de seguro. Isso será impulsionado pela tecnologia e pode acelerar o avanço para alavancá-la ainda mais, em particular em equipes atuariais onde os custos de capital humano permanecem altos e a disponibilidade escassa.

10. Redefinição e o propósito do seguro

Ao contrário da crise financeira global, esta crise é proveniente de fatores externos e o seguro é essencial para sua resolução. As empresas podem inovar individualmente e coletivamente em suas operações e redefinir sua cultura e reputação. Elas também podem renovar seu propósito, concentrando-se na franquia do cliente e entendendo os comportamentos adaptativos e as necessidades em evolução dos clientes em todos os segmentos.

As lições já podem ser aprendidas. É evidente que o propósito do seguro ainda não é claramente compreendido pela sociedade de modo geral, principalmente nos ramos do segmento de Vida, e a indústria precisa ser melhor em se comunicar e se envolver em torno de sua contribuição e função. As empresas que tomaram medidas rápidas alinhadas a uma visão de longo prazo dos desafios atuais, e não esqueceram o cliente no processo, surgirão mais fortes na retomada.

 

Como a Grant Thornton pode auxiliar a sua empresa nesse momento? 

Conte com os nossos especialistas atuariais para desenvolver um plano de transformação e potencializar o crescimento do seu negócio no mercado.

Entre em contato conosco