CFO SURVEY | Q4-21

Otimismo do CFO cai drasticamente

Os CFOs permanecem mais otimistas do que pessimistas quando questionados sobre as perspectivas para a economia dos EUA nos próximos seis meses. No entanto, esse índice foi reduzido drasticamente no último trimestre de 2021, com o nível de otimismo caindo de 69% para 57%, enquanto o pessimismo quase dobrou, de 11% para 21%. Inflação, cadeia de suprimentos e questões trabalhistas são as principais preocupações.

Vale a pena notar que a pesquisa do quarto trimestre de 2021 foi concluída assim que as notícias da variante Omicron foram divulgadas e, provavelmente, não reflete totalmente seu efeito nas perspectivas do CFO. O número de empresas que esperavam um impacto negativo de uma nova variante da Covid-19 permaneceu essencialmente inalterado (52% no terceiro trimestre vs. 51% no quarto trimestre), mas a Omicron pode ter desgastado ainda mais o otimismo do CFO.

“No primeiro e segundo trimestres, com as vacinas sendo lançadas e os números de Covid caindo, havia a sensação de que deixaríamos a pandemia para trás mais rapidamente”, diz Enzo Santilli, sócio-gerente nacional de transformação da Grant Thornton LLP. “Os CFOs agora veem as consequências da pandemia se arrastando por muito mais tempo e estão ajustando as perspectivas de suas respostas de acordo.”

Os resultados do quarto trimestre refletem esses ajustes. Quando perguntados sobre quais ações eles adotarão para lidar com as interrupções em evolução, 52% dos CFOs escolheram um foco maior no fluxo de caixa, liquidez e reforço das reservas de caixa como sua primeira escolha – acima dos 35% no terceiro trimestre. Quase todas as outras opções diminuíram, como cenários de ruptura novos ou atualizados (- 11 pontos), mudanças nos modelos operacionais (- 7 pontos) e mudanças na dívida ou estrutura de capital (- 7 pontos).

A maioria dos CFOs não vê mais a inflação como uma reação de curto prazo às interrupções da pandemia. Mais da metade (53%) espera que a inflação continue impactando seus negócios por pelo menos seis meses, enquanto 33% espera que ela persista por mais de um ano. As empresas maiores (respondentes com mais de US$ 1 bilhão em receita) estão mais preocupadas com a inflação, com 41% esperando que ela continue por mais de 12 meses.

A economista-chefe da Grant Thornton, Diane Swonk, acha que as empresas precisam se preparar para a reação do Fed à inflação. “Em dezembro, o Índice de Preços ao Consumidor subiu 7% em relação a um ano atrás, o maior salto desde junho de 1982”, diz Swonk. “O Fed e outros bancos centrais agora veem as variantes como inflacionárias em vez de desinflacionárias, devido ao estrago que causam nas cadeias de suprimentos. O crescimento econômico para 2021 chegará facilmente ao ritmo mais rápido desde 1984, com a inflação também de volta aos níveis da década de 1980. Esta é a primeira vez desde a década de 1980 que o Fed perseguiu a inflação em vez de tentar antecipá-la. Os CFOs devem estar preparados para aumentos de taxas a partir de março.”

Em nossa pesquisa do quarto trimestre, quando perguntamos aos CFOs quais são os três maiores desafios que seus negócios enfrentam, a cadeia de suprimentos saltou 14 pontos de 32% para 46%, substituindo os riscos de segurança cibernética como principal preocupação. E, quando perguntado qual desafio de negócios provavelmente teria um impacto negativo em seus negócios, a cadeia de suprimentos empatou com a escassez de mão de obra, com ambos em 53%.

Receba nossas pesquisas e outros conteúdos exclusivos em seu e-mail

Confira também:

Veja mais