INSIGHTS

Liderando o futuro: a ascensão do boardroom virtual

Nos últimos meses, profissionais em cargos executivos precisaram adotar o boardroom virtual para liderar remotamente. Diante da reabertura de alguns escritórios globalmente é importante manter o que foi aprendido durante o período de isolamento social.

Oferecer liderança em meio às incertezas fez com que os conselhos administrativos revisassem seus papéis, responsabilidades e modelos operacionais, principalmente na forma como se reúne. As cadeiras estão se tornando mais intencionais, as agendas mais curtas. Os diretores estão relatando uma abordagem mais focada nas reuniões do conselho, com assuntos críticos atuais e estratégicos.

Para os novos nomeados, que estão assumindo funções sem nunca ter conhecido seus colegas do conselho, uma forma mais colaborativa de trabalhar é uma necessidade e seu único meio de construir relacionamentos e confiança.

À medida que aumenta a pressão sobre os executivos para gerenciar a continuidade dos negócios e, ao mesmo tempo, atender às demandas por soluções ousadas e voltadas para o futuro, os conselhos precisam adotar uma abordagem positiva. Assim, garantem que mais tempo seja gasto em objetivos futuros, enquanto buscam oportunidades para apoiar a gestão de maneira mais ampla.

Mudança acelerada

Muitas das mudanças que estão sendo adotadas estão se mostrando capazes de melhorar a agilidade em torno dos riscos emergentes, ajudar a construir confiança com os stakeholders em todos os níveis e desenvolver a dinâmica do boardroom virtual.

Não é possível negar que a escala e o ritmo da mudança têm sido desafiadores, mas ao enfrentá-la de frente, as empresas deram saltos gigantescos em áreas onde avanços tão significativos não pareciam possíveis.

Agora, à medida que a atenção se volta para a vida no novo normal, as empresas correm o risco de perder esse progresso e a oportunidade que ele representa, na pressa de retornar ao ‘business as usual’.

Evolução, não revolução

Estamos vendo agora um desejo real de seguir em frente e isso exigirá que os conselhos se apoiem mais e liderem pelo exemplo. Existe um risco de, à medida que os conselhos supervisionam e incentivam a mudança em outros lugares, eles perderem uma dinâmica crucial desse processo: a evolução de seu próprio papel dentro da empresa.

Para evitar essa armadilha, aqui estão quatro áreas que é preciso ter atenção:

  1. Confiança

Como você constrói uma equipe enquanto conduz uma mudança positiva? Como você está construindo confiança? A boa prática de governança ajudará a estabelecer estruturas que permitem:

  • planejamento estratégico eficaz
  • identificação precoce de riscos emergentes
  • espaço para construir uma cultura de mentoria do conselho em toda a organização.

Além disso, um plano claro de aprendizado e desenvolvimento para todos os membros do conselho demonstrará um compromisso contínuo de agregar valor ao negócio sempre que possível. Tudo isso ajuda a fomentar a confiança.

  1. Cultura

A cultura deve ser a marca da estabilidade para uma organização em um mundo em mudança. Mas para ser eficaz, as pessoas precisam ter uma visão clara e acreditar nela.

O conselho pode liderar isso trazendo novas perspectivas, participando de uma supervisão holística e permanecendo aberto e acessível. Vá além das estruturas tradicionais, limites e estruturas hierárquicas que podem causar tensões desnecessárias quando os modos normais de engajamento são restritos.

Dar voz aos colaboradores será cada vez mais importante nos próximos meses, inclusive com a possibilidade de a pontuação de engajamento entrar em queda e ficar abaixo dos níveis anteriores, indicando diminuição do envolvimento e da produtividade.

  1. Composição

Os diretores executivos relatam que aprenderam mais sobre liderança nos últimos seis meses. O líder nesse novo cenário é mais conectado, visível, estratégico e experiente em tecnologia e está incentivando uma cultura mais baseada na confiança, que impulsiona a agilidade e o ritmo.

Da mesma forma, a dinâmica do conselho precisará exibir esses mesmos atributos se os membros quiserem aumentar seu valor nos próximos meses. As presidências de conselho mais progressivas sabem que novas habilidades e estilos precisarão ser adotados para que o board permaneça relevante e eficaz.

O mesmo ocorre com a sucessão. A eficácia não pode mais ser avaliada simplesmente por habilidades técnicas e inteligência de mercado. O novo boardroom virtual deve demonstrar inteligência emocional coletiva, uma mentalidade de crescimento e colaboração. Em suma, diversidade em seu verdadeiro sentido.

  1. Dinâmica

Desde processos da equipe, como foco na agenda, conversa integrada e delegação eficaz, até a adoção de uma postura ousada na composição do conselho, a presidência precisa liderar desde a frente na dinâmica do board.

Novamente, isso exigirá coragem, mas se o conselho pretende agregar valor real e contínuo ao negócio, essas são conversas que precisam acontecer. Ao fazer isso, um conselho demonstra disposição para aprender além das mudanças que foram exigidas deles. Eles exibem uma determinação não apenas para sobreviver, mas para mudar, evoluir e prosperar.

Por: Sarah Bell, sócia da Grant Thornton UK