A última onda da pandemia atingiu fortemente a região

Depois de demonstrar uma forte recuperação em 2020, as empresas do mid-market na América Latina desaceleraram no primeiro semestre de 2021. O Global Business Pulse da Grant Thornton, o principal índice que acompanha a saúde geral das empresas de médio porte, revelou que a região avançou apenas 2 pontos na primeira metade do ano.

Nicolas Cichevski.png“Foi um semestre difícil para as economias latino-americanas. A maioria dos países foi atingida por outra onda da pandemia de Covid-19 durante março e abril, em meio a uma campanha de vacinação que começou mais tarde e mais lentamente do que nas economias avançadas. Normalmente caracterizado por níveis mais altos de informalidade e níveis mais baixos de educação, trabalhar em casa era relativamente mais difícil e tinha um impacto maior nas economias”, comenta Nicolas Cichevski Sola, gerente de consultoria de negócios da Grant Thornton Uruguai.

A situação tem se normalizado nas últimas semanas, conforme os níveis de vacinação aumentaram - em parte devido ao aumento da distribuição de vacinas dos EUA na região¹. Qualquer que seja o estímulo, uma população cada vez mais vacinada é um bom presságio para as economias futuras. De fato, o FMI elevou recentemente suas projeções para o PIB da América Latina e do Caribe em 1,2 ponto percentual (pp), e agora espera um crescimento do PIB de 5,8% neste ano, apoiado no desempenho do Brasil e do México².

 

 

 

 

 

 

Apesar do impacto, América Latina ainda é a região mais saudável

Ambos os países desfrutam de uma posição elevada em nosso índice geral (5º para o Brasil e 8º para o México), e a região ainda consegue uma pontuação de índice forte no primeiro semestre de 2021 de 5,5. Esse resultado representa 5 pontos acima da média global e o mais saudável de qualquer grande região monitorada pelo Global Business Pulse.

Mid-market global retorna à saúde positiva

Mid-market global retorna à saúde positiva

Leia o artigo

Os preços mais altos das commodities certamente ajudaram as empresas durante o período, não só de metais, mas também de alimentos. “Os preços mais altos das commodities eram e ainda são a grande esperança para as economias latino-americanas. Muitos países já estão se beneficiando disso. O México nem tanto, mas se beneficiou da recuperação nos Estados Unidos e do estímulo fiscal no norte”, diz Nicolas.

O mercado médio da região certamente acredita nas oportunidades de exportação, com 44% de todas as empresas de médio porte esperando aumentar as exportações nos próximos 12 meses - o que representa um aumento de 6 pp no primeiro semestre de 2021. As expectativas de crescimento no México eram particularmente fortes (alta de 15 pp) e o Brasil registrou um aumento modesto (5pp). A Argentina, por outro lado, registou um decréscimo significativo de 14pp nesta onda.

A Grant Thornton comentou no passado sobre o que a nova administração dos Estados Unidos significaria para o comércio na região, especialmente para os países vizinhos da América Central. Embora as políticas comerciais dos EUA possam ser praticamente as mesmas, a recuperação observada nos EUA está criando mais oportunidades, especialmente nos países - como o México - que são geograficamente próximos. Nossos novos dados destacando as prioridades de destinos internacionais mostram claramente que os EUA são o país onde as empresas da América Latina esperam ver o maior crescimento de receita no próximo ano.

Scott Farber.pngScott Farber, líder regional de network capabilities para as Américas da Grant Thornton International Ltd., diz que as oportunidades de exportação para os EUA não se limitam a bens e também incluem serviços. Recentemente, ele testemunhou o recrutamento de especialistas em tecnologia na Argentina por uma empresa norte-americana. “Acho que veremos muito mais empresas dos EUA envolvendo trabalhadores latino-americanos diretamente ou transferindo funções de back-office para centros de serviços compartilhados em países de baixo custo.”

A importância de acessar habilidades no exterior é destacada pelo fato de que 68% das empresas norte-americanas agora citam a disponibilidade de trabalhadores qualificados como uma restrição ao crescimento.

Expectativas de crescimento melhoram as perspectivas para as empresas

O modesto aumento do índice no primeiro semestre de 2021 é resultado de uma perspectiva que aumentou 4 pontos, passando para 58. Excepcionalmente, isso foi conduzido inteiramente por maiores expectativas de crescimento dos negócios e intenções de investimento. O otimismo econômico permanece inalterado, com apenas 59% das empresas de médio porte se sentindo confiantes em suas economias. Isso está abaixo da média global de 69% e reflete os desafios significativos que a região ainda enfrenta.

Ao contrário das tendências globais, as restrições aos negócios permanecem praticamente inalteradas em -46,8. O fato de que as barreiras ao crescimento não pioraram deve apoiar uma recuperação futura. Neste sentido, as preocupações com a economia também são evidentes, com um número um pouco maior de empresas latino-americanas agora vendo a incerteza como um obstáculo para seus negócios.

Embora as preocupações econômicas imediatas estejam relacionadas à pandemia e aos desafios estruturais que existem em países específicos, há ameaças adicionais no horizonte. Duas ameaças notáveis ​​são a necessidade de consolidação fiscal, para reduzir os déficits do governo e administrar a dívida, e o aumento das taxas de juros. Nicolas explica: “A consolidação fiscal chegará em breve, provavelmente em 2022, e isso levará a pressões em alguns países. Os políticos precisarão equilibrar a consolidação fiscal com o risco de mais desigualdade e agitação social. No início deste ano, tivemos uma prévia disso na Colômbia.”

A esperança de que os altos preços das commodities e as baixas taxas de juros continuem a apoiar as economias dos países latino-americanos e a reduzir a necessidade de uma consolidação fiscal mais extrema está sofrendo cada vez mais pressão. Temos alertado recentemente sobre os riscos de inflação global e é provável que ocorram aumentos das taxas de juros, com especulações de que o Brasil aumentará as taxas em 100 pontos-base, a maior alta em quase 20 anos³.

Aumento nas expectativas de crescimento dos negócios

Felizmente, as condições de negócios continuaram melhorando durante o primeiro semestre de 2021. Isso foi especificamente suportado por maiores expectativas de receita e lucro, que são 5pp e 2pp, respectivamente. As expectativas de receita são particularmente fortes no Brasil, onde 79% do mercado de médio porte agora espera ver aumentos nos próximos 12 meses, os maiores entre todos os países monitorados.

Embora o aumento nas intenções de investimento seja menos intenso, ainda é encorajador ver esse indicador mais alto. Em linha com as tendências globais, as empresas latino-americanas estão priorizando investimentos em áreas relacionadas à produtividade, com 63% esperando aumentar o investimento em tecnologia nos próximos 12 meses, 59% em qualificação de pessoal e 56% em P&D.

Robert Hannah.pngRobert Hannah, líder de Apoio a Negócios Internacionais da Grant Thornton International Ltd, enfatiza a importância da produtividade para ajudar a gerenciar o risco de inflação. Confira o último artigo do Global Business Pulse para mais detalhes.

Também é encorajador ver as intenções de emprego entre as empresas de médio porte subindo 9 pp para um recorde para a série, com 62% do mercado médio esperando aumentar o número de funcionários nos próximos 12 meses. Esses níveis são particularmente altos no Brasil, onde o mercado de trabalho está tentando se recuperar de níveis quase recordes de desemprego. Isso reflete as expectativas de crescimento mais fortes, com impressionantes 77% das empresas de médio porte buscando aumentar o emprego no curto prazo4.

Diminuem as preocupações com a falta de pedidos

Adicionando confiança às expectativas de crescimento estão as preocupações menores sobre a escassez de pedidos. A porcentagem de empresas que identificam isso como uma barreira ao crescimento caiu 5 pp para apenas 40% no primeiro semestre de 2021. Este é o nível mais baixo de qualquer região monitorada em nossa pesquisa e certamente estará vinculado às oportunidades que as empresas estão vendo nos mercados de exportação.

Essa força compensa os pontos fracos vistos tanto nas restrições de oferta quanto na incerteza, que caíram 2 pontos cada. A maioria dos fatores que contribuem para as restrições de oferta, como escassez de pessoal, deteriorou-se em cerca de 1-3 pp no ​​primeiro semestre de 2021. Esses fatores contribuem coletivamente para a ameaça de pressões inflacionárias e precisarão ser observados de perto em futuras ondas de pesquisa.

-------------------------------

¹ www.aninews.in - US ramps up COVID-19 vaccines delivery to Latin America to counter Chinese influence - 10.07.2021
² www.independent.co.uk - IMF forecasts stronger rebound for Latin American economies - 27.07.2021
³ FT.com - Brazil raises key interest rate by the most since 2003 - 05.08.2021
www.bloomberg.com - Brazil Unemployment Sticks Near Record High as Economy Reopens - 30.07.2021

Confira os resultados das demais regiões globais:

ASEAN

ASEAN

APAC

APAC

União Europeia

União Europeia

América do Norte

América do Norte