CFO Survey Report 2020

CFOs: mudança de estratégias e funções para conduzir os negócios com inovação

A pandemia de Covid-19 ampliou as responsabilidades dos CFOs para fornecer liderança, inovação e visão estratégica à medida que a crise acelerou as tomadas de decisões e condução das mudanças em suas organizações.

Os CFOs estão à altura do desafio, abraçando seus papéis como estrategistas e agentes de mudança, como mostra o CFO Survey Report de 2020 da Grant Thornton. Eles também estão capacitando suas equipes e defendendo o aumento da inovação e a adoção de novas tecnologias.

Esses insights foram discutidos durante um evento online com três profissionais da Grant Thornton, que discutiram as responsabilidades em evolução dos CFOs. Eles concordaram que a pandemia aumentou a necessidade desses profissionais serem mais inovadores e visionários e assumirem um papel de liderança maior em suas organizações.

Para Nick Vellani, National Managing Principal - Financial Transformation da Grant Thornton, os CFOs foram incumbidos de uma forma mais organizacional de responder à pandemia, abordando mais questões de pessoal, lidando mais com tecnologia e cada vez menos envolvimento nas operações do dia a dia da função financeira. “Os CFOs estão desempenhando um papel cada vez mais significativo na tomada de decisões e na implementação de mudanças em suas organizações”.

Expansão das funções

Pesquisas selecionadas em quatro avaliações da Grant Thornton identificaram os papéis em expansão dos executivos financeiros, cujas funções se tornaram mais importantes com a crise da saúde e a recessão econômica. Os CFOs disseram que suas funções se enquadram em quatro categorias principais:

  • Estrategista - responsável por analisar o negócio para apoiar a elaboração da estratégia corporativa, concentrando recursos para cumprir as estratégias corporativas;
  • Agente de mudança - os deveres incluem análise de geração de valor comercial (ou seja, custo e lucratividade), medição / gestão de processos e desempenho (planejamento e análise financeira);
  • Guardião - estabelece processos padronizados de controle e compliance, incorporação de controles preventivos em sistemas e processos;
  • Produtor - encarregado de padronizar, simplificar e automatizar processos transacionais.

Os CFOs disseram que estavam mais interessados ​​nas funções de estrategista – elaborar e conduzir a estratégia corporativa – e agente de mudança – impulsionar os negócios ajustando comportamentos e gerando novos resultados. Seu interesse por essas funções aumentou à medida que a pandemia se espalhou.

“A mudança em direção a essas funções realmente ocorreu no início da pandemia em março e abril. O que sabemos por trabalhar com nossos clientes é que isso continuou – com um foco renovado na sustentabilidade das operações de longo prazo e na perspectiva de interrupções contínuas”, disse Vellani.

Isso não significa subestimar a importância do papel de um guardião, que envolve riscos e questões regulatórias, bem como de conformidade e controle, e os deveres de um produtor, que incluem gerenciar o back-office, padronizar processos e relatórios financeiros.

No entanto, as responsabilidades de guardião e produtor são cada vez mais delegadas a outros, à medida que os CFOs se esforçam para capacitar a equipe. A inovação e a automação também desempenham um papel nesta transformação, com o papel do CFO na transformação digital sendo particularmente importante para impulsionar a inovação.

“Uma das perguntas que tenho sobre esses dados e os resultados de nossa pesquisa é se isso é ou não uma mudança de mindset de longo prazo, ou um fluxo temporário, dada a crise. Acredito que continuará a haver um foco mais pesado na estratégia e na mudança de papéis do agente, e uma necessidade de alavancar ainda mais outros membros da equipe e recursos para impulsionar os resultados do guardião e do produtor”, disse Vellani.

CFOs identificam necessidade de investir em inovação

Como um indicador de sua vontade de focar mais na estratégia e ser agentes de mudança, os CFOs continuam a expressar a vontade de investir em inovação.

Na visão de Jacqueline Schuh, Senior Associate - Financial Management da Grant Thornton, isso é contrário ao que prevíamos, uma vez que os gastos de capital tendem a parar durante uma recessão. “Quase 86% dos executivos eram otimistas sobre a inovação durante uma recessão, e isso inclui inovações incrementais, inovações revolucionárias ou possivelmente uma combinação de ambas”, afirma.

Os executivos financeiros também indicam interesse em investir em tecnologia para as operações atuais e inovações futuras. Pesquisas mostram que, entre as tecnologias mais populares, estão análises avançadas, reconhecimento óptico de caracteres (OCR), machine learning e inteligência artificial (IA).

Importância da tecnologia

Certamente, alguns desses investimentos estão atendendo à necessidade imediata de agilizar as operações. Por exemplo, a Grant Thornton ajudou um cliente a introduzir a tecnologia OCR para ajudar a empresa a digitalizar e organizar documentos financeiros complicados. Os documentos, que tinham 120 pontos de dados diferentes, originalmente tiveram que ser lidos individualmente e inseridos em um sistema de gestão de contratos. Essa função era realizada por 80 funcionários. A introdução da tecnologia OCR permitiu maior precisão e a equipe foi reduzida a uma dúzia de pessoas agora revisando os documentos depois de terem sido digitalizados. O tempo de resposta também foi reduzido de quatro semanas para menos de uma semana.

Os CFOs também parecem interessados ​​em inovação tecnológica de longo prazo. A maioria deles disse que não mudaria o momento da implementação da tecnologia, apesar da crise do COVID-19.

“Esses resultados ajudam a sustentar o fato de que a inovação continuará acontecendo. À medida que essas ferramentas são implementadas, elas permitirão que as organizações e equipes executem esses processos de produtor e responsável com muito mais eficiência – para permitir um foco maior nas funções de estrategista e agente de mudança”, disse Schuh.

Tecnologia para hoje e amanhã

“Mesmo os CFOs que ainda não investiram intensamente em tecnologia podem colher benefícios de curto e longo prazo fazendo investimentos agora”, disse Jess Parisi, Senior Manager - Financial Management da Grant Thornton.

“No longo e no curto prazo, a tecnologia digital pode ajudar a cortar custos gerais e as empresas podem explorar mais projetos de transformação autofinanciados que abordem os pontos problemáticos mais imediatamente, como a automação de certas tarefas”, disse Parisi.

Embora possa haver relutância em incorrer em custos adicionais durante uma crise, Parisi disse que os investimentos em tecnologia podem custar menos durante uma recessão. “Junto com estratégias de implementação criativas, os compradores podem ter mais alavancas de negociação durante uma recessão. A tecnologia hoje permite dados mais transparentes, mais flexibilidade e eficiência, além de análises aprimoradas que podem ajudá-lo a entender o negócio e como a Covid-19 o está afetando”, disse Parisi.

Investir nas pessoas

Além de fazer investimentos em tecnologia, os CFOs continuarão a fazer investimentos em seu pessoal, identificando os membros da equipe que podem se envolver mais nas tarefas operacionais diárias. Isso oferece aos funcionários novas oportunidades e possíveis avanços na carreira, além de fortalecer a equipe.

“Esta é uma oportunidade para as pessoas mais novas e juniores da organização financeira levantarem a mão e se envolverem nesses esforços”, disse Parisi. Um benefício adicional é que os funcionários mais juniores podem ter um conhecimento mais profundo e um nível de conforto com a tecnologia.

“Os mais novos, a maioria dos juniores, podem ter um dos conhecimentos mais avançados dessas tecnologias que você está procurando implementar, e você vai oferecer isso como um caminho para o desenvolvimento profissional e pessoal”, disse Parisi.

Enfrentando o futuro

A história mostrou que uma crise pode desencadear diversas mudanças. Essa pandemia deu aos CFOs um assento mais recorrente na mesa dos conselhos administrativos. Isso se tornará permanente?

“As instituições estão enfrentando uma incerteza sem precedentes e os desafios que temos hoje são em um momento em que os CFOs já começaram o processo de se tornar mais ágeis e resilientes. Portanto, uma mudança de mindset acabará por conduzir a forma como os esses executivos gastam seu tempo e energia. Você tem que se perguntar: estou gastando tempo fazendo relatórios financeiros práticos ou liderando mudanças e colaborando na estratégia geral? ”, disse Parisi.

Grant Thornton

CFO Survey Report 2020