PRIVATE EQUITY

6 mitos sobre private equity para empresas de médio porte

A turbulência econômica causada pela pandemia de Covid-19 fez com que muitas lideranças empresariais do middle market encontrassem restrições no acesso ao crédito. Nesse contexto, o financiamento por meio de private equity (PE) está aparecendo cada vez mais como uma alternativa viável. No entanto, algumas pessoas ainda demonstraram receio em firmar parcerias nesse sentido. Para auxiliar nessa jornada, a seguir exploramos alguns dos mitos mais comuns que encontramos ao falar com empresas de médio porte sobre esse tipo de investimento.

1. Vou perder o controle da minha empresa

É comum entre CEOs e lideranças proprietárias de empresas a demonstração de insegurança sobre receber um investimento de um PE, temendo que isso resulte na perda total de controle de seus negócios. No entanto, os objetivos, estratégia e envolvimento diário das empresas de PE variam significativamente. Os investidores podem ter uma participação minoritária no negócio com os proprietários anteriores mantendo o controle geral. Sem dúvida, as empresas investidoras introduzirão novos requisitos de relatórios e desempenharão um papel essencial na empresa tomadora de decisão – ainda mais durante a crise econômica.

Normalmente, eles colocarão um diretor no Conselho e, para muitos no mid-market, esta pode ser uma parceria bem-vinda, com o representante de PE compartilhando experiência e expertise de outros setores ou empresas do portfólio.

Dinesh Anand.png“Você está agregando um parceiro que trará um alto nível de eficiência operacional e, de preferência, fornecerá a você acesso a novos talentos ou a certas regiões que você ainda não possui”.

Dinesh Anand, líder global de private equity e sócio da Grant Thornton Índia

2. Vou ganhar uma renda de curto prazo, não um capital de longo prazo

Os objetivos dos investidores de PE são comprar participações em empresas, administrar ativamente essas empresas e, em seguida, obter o valor criado com a venda ou a flutuação do negócio. O foco da maioria dos investidores de private equity está em obter ganhos de capital, e haverá maior oportunidade de conseguir isso à medida que a economia se recupera após a pandemia. No middle market, isso envolverá impulsionar estratégias de crescimento orgânico, bem como buscar aquisições complementares ao longo da vida do investimento.

Desde a crise financeira, os investidores de PE têm, em média, aumentado o prazo de investimento e muitos buscam agendas ambientais, sociais e de governança em seus portfólios. É esperado que essa tendência continue enquanto nos recuperamos da pandemia.

Dinesh Anand.png“O private equity quer fazer uma transformação de negócios mais orientada para o valor, em vez de simplesmente entrar e sair no curto prazo. A janela de saída para o investimento em ações privadas cresceu em média para cerca de cinco anos, de três para três anos e meio. Eles estão procurando uma transformação para permitir o crescimento de longo prazo e melhor retorno, em vez de apenas fazer uma estimativa de custos e uma saída rápida ".

Dinesh Anand, líder global de private equity e sócio da Grant Thornton Índia

Encontrar, negociar e construir confiança com potenciais investidores de PE é uma forma de entender o que é possível desejar e realizar para o seu negócio.

3. É apenas uma opção diante da falta de opções com financiadores tradicionais

Embora o volume de fundos disponível seja atraente, às vezes os requisitos de financiamento de PE são mais adequados a certas empresas do que aos credores tradicionais. Os líderes empresariais devem considerar os benefícios adicionais da experiência setorial e geográfica e da rede estendida que os potenciais investidores de PE podem trazer para a mesa.

Enquanto isso, não se deve presumir que o acesso ao financiamento de PE é particularmente rápido e direto, mesmo quando, como em uma crise, há muitas oportunidades para casas de PE; o tempo médio para concluir um negócio é de cerca de seis meses e pode demorar muito mais. Embora a PE atualmente tenha muita liquidez e seja muito ativa na busca pelos investimentos certos, os critérios de investimento permanecem altos e requerem uma due diligence significativa.

Cyril Swale.png“O setor de private equity é muito eficiente em comparação com o que era há 15 ou 30 anos. Há muito capital privado para as diversas boas empresas nas quais investir. Nós ouvimos falar sobre o interesse em desenvolver relacionamentos com o proprietário, a família e CEO antes de qualquer oferta formal de investimento. Eles estão procurando empresas com as quais possam desenvolver relacionamentos, e podem não negociar com elas até cinco anos depois”.

Cyril Swale, sócio da Grant Thornton - Channel Islands

4. Estão interessados apenas em empresas em risco

Na maior parte, os investidores de PE procuram negócios com potencial demonstrável e um bom preço, que podem dobrar ou mais com o tempo do investimento - mesmo que as finanças tenham sofrido um golpe de curto prazo devido à pandemia. Algumas firmas de PE se especializam em comprar empresas em dificuldades para revertê-las, mas isso é mais um nicho.

5. Fazem seus retornos por meio da realização de ativos

A reputação da PE está melhor do que antes e, embora as empresas com participações majoritárias tenham o poder de retirar ativos, geralmente esse não é o seu objetivo, e esses tipos de cenários são a exceção e não a norma. Os investidores focados em negócios em crescimento estão procurando aumentar o valor desses negócios para que possam vender seu patrimônio por um preço muito mais alto do que o compraram. Isso é alcançado de várias maneiras através do financiamento de uma estratégia de crescimento, como novos produtos, novos territórios, aquisição de novos negócios e tecnologia transformadora.

Carlos Ferreira.png“Os investidores de PE são ótimos para identificar bons negócios que precisam de ajuda e investimento para levá-los ao próximo nível. Isso beneficia a todos: os funcionários, os clientes e o investidor. As firmas de PE buscam crescer e construir negócios e obter um bom retorno ao mesmo tempo”.

Carlos Ferreira, managing partner de Private Equity da Grant Thornton US

Alguns investimentos podem envolver a redução de custos, mas isso tende a ser para melhorar a eficiência e reconstruir para um negócio sustentável mais estável a longo prazo.

6. É muito arriscado

Isso novamente depende da firma de PE. Existe um elemento de risco em qualquer negócio, mas as empresas que procuram investidores precisam observar seu histórico, portfólio, consistência de retornos e condições de mercado. Muitos líderes estão ansiosos para que os investidores de PE usem alavancagem excessiva para maximizar o retorno sobre o investimento, o que pode colocar seus negócios em risco. No entanto, a alavancagem é uma prática comum, e a proporção de empresas apoiadas por private equity que usam a alavancagem e acabam em dificuldades formais é pequena.

Muitas empresas de private equity adotam uma abordagem prudente para financiar e não querem tentar alavancar demais os negócios. Em muitos casos, eles querem usar o financiamento que está disponível para desenvolver e fazer crescer o negócio. Isso tem sido especialmente verdadeiro nos últimos meses, quando muitas empresas de PE usaram a pandemia para reduzir o risco de seus portfólios e empresas de apoio para segurança de longo prazo.

Michael Neary.png“Muitas firmas de private equity preferem usar baixa alavancagem na estruturação de transações. Esse tipo de flexibilidade de financiamento provou ser benéfico para empresas de portfólio que foram gravemente afetadas pelo impacto da pandemia de Covid-19. Ao avaliar suas opções de financiamento de private equity, muitos empresários e proprietários de empresas estão efetivamente escolhendo um parceiro para se juntar a eles em sua jornada de negócios”

Michael Neary, sócio de Finanças Corporativas da Grant Thornton Irlanda

Um negócio bem-sucedido exige que os empreendedores mudem sua mentalidade sobre trazer um parceiro de private equity para sua jornada de negócios, em vez de se preocupar com o elemento de risco.

"Os 6 mitos abordados sobre a estratégia de utilizar Private Equity em empresas do middle market são também realidade no Brasil. Os empresários, em sua maioria, se comportam receosos com a entrada de um novo sócio e o que perderiam de controle com isso. Porém, esquecem dos grandes benefícios trazidos pelos fundos de Private Equity como melhoria e transparência nos controles, modelo de gestão, relação com o mercado, entre outros. Mas também não pode ser esquecido de mencionar que a empresa e seus sócios precisam estar preparados, notadamente sob o aspecto mínimo de governança, e abertos a mudança para seguir e ter sucesso no processo de recebimento de investimento e gestão conjunta com um Private Equity."

Hugo Luna, sócio de Transações da Grant Thornton Brasil