insight featured image
Seis meses atrás, nossa pesquisa global nos levou a concluir que havia uma oportunidade "única em uma geração" para as empresas crescerem internacionalmente. Nessas circunstâncias pode ocorrer uma debandada, e foi exatamente isso o que aconteceu. Imensos 45% do mid-market global agora espera que suas exportações aumentem nos próximos 12 meses.
DESTAQUES

Para colocar isso em algum contexto, nos dez anos de pesquisa IBR da Grant Thornton, nunca vimos um número superior a 36% e, no início da pandemia, esse número havia encolhido para apenas 25%. Portanto, observamos quase o dobro das expectativas em um ano.

Peter Bodin small.pngPeter Bodin, CEO global da Grant Thornton International Ltd., diz que esse maior apetite internacional também é visto nos clientes de médio porte que atendemos em 130 países. “O crescimento internacional é uma estratégia central para o mercado intermediário e apoiá-los é a principal prioridade da rede Grant Thornton. Estamos focados em ajudá-los a ter sucesso”.

As expectativas de crescimento mais altas estão sendo vistas amplamente em todo o mundo, com níveis ligeiramente elevados registrados nas partes mais desenvolvidas, onde o lançamento de vacinas está ajudando as economias a se recuperar fortemente. A Ásia-Pacífico e a UE aumentaram 11 pontos percentuais (pp) no primeiro semestre de 2021, a América do Norte 10 pp e a América Latina 6 pp.

Espera-se que esse crescimento venha de uma mistura de mercados internacionais existentes e novos, com 43% das empresas globais esperando entrar em novos países nos próximos 12 meses. Isso se compara a apenas 25% há um ano e é outra característica marcante dessa expansão.

Pela primeira vez, a Grant Thornton pode divulgar quais novos países estão sendo priorizados para crescimento pelo mercado médio global (veja abaixo). Os EUA aparecem fortemente nos resultados, assim como a Austrália e vários países do G7, refletindo a atração dos mercados maiores. Há também um viés regional a ser visto, com as empresas priorizando centros nas proximidades geográficas. Entre em contato com as firmas-membro da Grant Thornton para saber mais sobre as tendências em seu mercado local.

Países priorizados para crescimento pelo mid-market global

Processing...
Rank Africa APAC ASEAN European Union North America Latam
1 United Kingdom China United States Germany United States Germany
2 Canada Australia Japan United States Canada United States
3 France United States Indonesia United Kingdom Australia Argentina
4 China Germany Singapore France France Brazil
5 United States Russia Australia Australia United Kingdom Canada
6 South Africa United Kingdom China Italy Brazil China

Oportunidades pandêmicas e recuperação impulsionam o crescimento

Os fatores que identificamos em nossa análise anterior estão no centro dessa tendência. Disrupções competitivas e impactos da Covid-19 criaram oportunidades para as empresas entrarem em novos mercados e formarem novos relacionamentos. E há oportunidades de vendas em oferta nos mercados internacionais, algumas das quais foram estimuladas durante a pandemia e apoiadas por gastos do governo.

Também é mais fácil internacionalizar produtos e serviços devido ao aumento da comunicação digital durante a pandemia e à maior vontade dos compradores de se envolverem remotamente. Isso será explorado com mais detalhes no próximo conteúdo da Grant Thornton.

Desenvolvimentos recentes forneceram outros catalisadores. A recuperação das economias globais à medida que emergem da pandemia aumentou a demanda.

Mid-market global retorna à saúde positiva
Mid-market global retorna à saúde positiva
Leia o artigo

 

Mike Ward.PNGMas Mike Ward, head global de consultoria da Grant Thornton International Ltd., diz que é a combinação de uma demanda mais forte e cadeias de suprimentos vulneráveis ​​que está realmente impulsionando o comércio internacional.

A enorme escassez global de microchip e o bloqueio do Canal de Suez tornaram pública a natureza muito instável das cadeias de abastecimento globais. Ao mesmo tempo, as empresas estão lutando com custos de transporte drasticamente mais altos (300-400% nos casos citados por nossos especialistas) - refletidos nas preocupações com custos de energia e infraestrutura de transporte observados no primeiro semestre de 2021.

“As cadeias de suprimentos em muitos setores estão pressionadas”, explica Mike. “Alguns até quebram em torno de uma ou duas commodities. Há uma corrida para consertar isso, causando um pico de demanda supernormal. As empresas estão correndo para encontrar fontes alternativas de abastecimento, onde quer que estejam no mundo”. Refletindo esse ponto, estamos observando intenções significativamente maiores de usar fornecedores e terceirizados estrangeiros no mid-market. No primeiro semestre de 2021, 36% das empresas esperavam aumentar o uso de fornecedores e terceirizados estrangeiros nos próximos 12 meses, um aumento de 6 pp.

Mais oportunidades globalmente

Embora o aumento de empresas que buscam crescer globalmente seja elevado, nossos líderes acreditam que ainda há muitas oportunidades internacionalmente para empresas de médio porte. Essa visão é apoiada por uma análise mais aprofundada de nossa pesquisa de mercado intermediário, que revela muito pouca correspondência entre as oportunidades de mercado conhecidas e as mudanças nos planos de expansão internacional. Em outras palavras, grandes áreas de oportunidades conhecidas estão sendo materialmente negligenciadas pelo mercado intermediário e, se o mercado intermediário não as considera como target, provavelmente estão sendo negligenciadas por todos.

Para aqueles que buscam aumentar as vendas internacionais, nossos especialistas oferecem ótimos conselhos sobre estratégias de expansão internacional, enfatizando a importância de priorizar oportunidades e gerenciar riscos. Aconselhamos também a olhar para além do contrato de venda imediata e pensar no médio e longo prazo, com prioridades e planos de ação claros que também são apoiados por um planejamento de cenários.

Também vale a pena ter em mente algumas das maiores tendências do comércio global que destacamos, embora o aumento da atividade internacional - em todos os lugares - provavelmente as torne menos distinguíveis.

Jonathan Eaton.pngUma tendência que ainda pode ser identificada é a mudança para cadeias de suprimentos reduzidas. Jonathan Eaton, líder Supply Chain da Grant Thornton LLP nos EUA, explica: “Para empresas com vendas globais, um grande desafio é o aumento exponencial no custo da cadeia de suprimentos para servir. Quando as empresas passam por isso, juntamente com problemas de confiabilidade do fornecedor e falta de mão de obra nos principais mercados, elas devem analisar agressivamente como colocar os produtos no mercado de maneira mais econômica. E a maneira mais fácil de fazer isso é deixar os produtos mais próximos de onde serão comprados ou consumidos”.

Portanto, espere ver mais sourcing e reshoring locais - trazendo a manufatura de volta para casa - com muitas exceções e nuances. Uma exceção é encontrada nos Estados Unidos, onde observamos anteriormente uma tendência de onshoring devido a reduções tributárias e outras políticas governamentais. “Com uma possível mudança no cenário legislativo atual, e a incerteza sobre as taxas de impostos, salários mínimos e escassez de trabalhadores, as empresas inteligentes estão repensando seus planos em torno da remodelação e olhando para o quadro geral com ênfase na simplificação dos negócios, resiliência da cadeia de abastecimento, e a minimização do custo de atendimento”, explica Jonathan.

Construir em opções de abastecimento, especialmente com a inflação iminente

Scott Farber.pngDo ponto de vista do fornecimento ou dos compradores, Scott Farber, líder global de network capabilities para as Américas da Grant Thornton International Ltd., enfatiza o valor da previsão integrada para empresas que buscam alinhar melhor sua demanda e previsão da cadeia de abastecimento. “Agora que vimos algum crescimento e um pouco mais de estabilidade, é um bom momento para pensar sobre como você planeja, comunica e interage no upstream e no downsteam para gerenciar as cadeias de abastecimento da maneira mais eficiente”.

Robert Hannah.pngToda a instabilidade também reforça a importância de ter mais opções de fornecedores. Este é inevitavelmente um ato de equilíbrio, conforme explica Robert Hannah, líder da função de suporte a negócios internacionais da Grant Thornton International Ltd: “Sempre houve uma tensão nas estratégias da cadeia de abastecimento entre eficiência (por ter menos fornecedores) e risco (por ter mais). Antes da pandemia, as estratégias das empresas eram mais voltadas para a eficiência. Durante a pandemia, o controle do risco veio à tona”.

Mike observa que a perspectiva de inflação torna ainda mais importante construir relacionamentos, portanto, se um fornecedor tentar aumentar os preços, você terá opções. “Ou, como alternativa, compre mais quando for barato. Você pode ganhar mais dinheiro com seus estoques do que com muitas outras coisas em sua operação”.

Nos Estados Unidos, a Grant Thornton está assessorando empresas em algumas áreas relacionadas da cadeia de suprimentos: “Primeiro, estamos ajudando as empresas a racionalizar suas bases de produtos e eliminar aqueles que não são lucrativos ou que criam estoque em excesso. Em segundo lugar, reconhecendo que o custo para atender cada cliente é diferente, estamos ajudando as empresas a segmentar e priorizar diferentes clientes e desenvolver diferentes modelos de atendimento de pedidos para seus clientes mais importantes. E, em terceiro lugar, estamos ajudando as empresas a adaptar suas redes físicas às necessidades de seus negócios e clientes, ao mesmo tempo em que mantemos foco na gestão proativa de riscos da cadeia de suprimentos e fornecimento ético”, afirma Jonathan.

Outra oportunidade é a ideia de parcerias estratégicas de fornecimento, proposta por Robert. Isso envolve um afastamento total das estruturas tradicionais da cadeia de suprimentos, onde alguns compradores e vendedores estão presos a acordos rígidos. Em vez disso, ele propõe parcerias entre compradores e fornecedores que sejam transparentes sobre as necessidades coletivas, mais justas em termos de participação nos lucros e riscos e flexíveis por design.

Apoiando isso está a crença de que os concorrentes podem colaborar na obtenção e compartilhamento de dados (como vimos na indústria farmacêutica durante a pandemia), mas ainda assim diferenciar seus produtos finais ou serviços para os clientes. Isso pode parecer inacreditável para alguns, mas tem se mostrado historicamente bem-sucedido em algumas áreas, como a indústria do whisky. O desafio prático com essa solução é o controle de qualidade e dados, mas Robert explica que as empresas só precisam trabalhar suas tolerâncias em relação à qualidade e compartilhamento de dados e, em seguida, garantir que os controles necessários sejam integrados ao sistema.