ARTIGO

Como as novas tecnologias impactam a dinâmica de consumo no varejo?

Mauricio Castro Mauricio Castro

No varejo, especificamente brasileiro, existem diversas ferramentas inovadoras que tendem a ser mais adotadas nos próximos anos para proporcionar melhores experiências aos consumidores e oferecer produtos ou serviços cada vez mais personalizados.

Com a crise gerada pela pandemia de Covid-19, a lógica de consumo e comunicação com o cliente final foi alterada drasticamente, lançando desafios e, também, diversas oportunidades para reinventar os processos de venda aos lojistas.

Para auxiliar na identificação de algumas soluções, reunimos algumas das principais tecnologias que impactarão o varejo no futuro próximo. Confira:

1) Beacon 

Cada vez mais os varejistas estão utilizando os beacons para melhorar as experiências nas lojas físicas e online. Os beacons são pequenos dispositivos sem fio que transmitem um sinal de rádio contínuo. O ID do sinal é detectado por smartphones, que o envia para um servidor na nuvem capaz de enviar conteúdos direcionados ao dispositivo.

A tecnologia que está por trás dos beacons é a Bluetooth Low Energy (BLE), que fornece uma localização de dispositivo em um nível muito acurado. Isso significa que, se você concedeu autorização, os varejistas poderão coletar dados não apenas em seus movimentos, mas também enviar conteúdo para seu dispositivo.

Digamos que você esteja passando pela sua loja de departamentos favorita e eles estão realizando uma venda promocional com um beacon perto, seu telefone pode alertá-lo para essa venda. Da perspectiva de um varejista, o aspecto da coleta de dados de beacons é, sem dúvida, mais importante em vendas. Eles poderão usar as informações para segmentar melhor os clientes e anunciar de acordo. Redes de lojas americanas como a Macy´s e a Barneys já implantaram beacons. Alguns Shoppings no Brasil como Shopping Leblon e Parque Shopping Belém também já utilizam beacons.

2) Facial Recognition

Os varejistas não estão mais satisfeitos em nos identificar por meio de um cartão de fidelidade no ponto de venda, mas sim logo na entrada da loja. O iPhone X ajudou a normalizar o reconhecimento facial e utilizar essa tecnologia para oferecer uma experiência personalizada. Por meio de mais de 16 mil pontos de referência em seu rosto, a tecnologia foi originalmente projetada para suportar segurança em eventos e aeroportos internacionais.

A equipe de varejo de sistemas saberá que tipo de produtos você compra e qual é o seu gasto médio, para que eles possam dar mais atenção aos clientes que consomem mais. Eles poderão, ainda, usar software que lê emoção para identificar quando você está frustrado e notificar a equipe para responder.

3) Robot Assistants

Será comum escutar nos corredores das lojas, algo assim: "Olá, eu sou a Lojinha Virtual, o que você está procurando hoje?" A tecnologia de assistente robô já existe e pode recebê-lo em diversos idiomas.

Os robôs têm scanners 3D embutidos com software de reconhecimento de imagem para identificar itens e navegar na loja para guiá-lo para o produto. Se você tem uma pergunta que está além da capacidade do robô, ele pode iniciar uma videoconferência com uma pessoa real.

Os robôs não estão limitados à interação com o cliente e se moverão para a cadeia de suprimentos. Esses robôs são inteligentes o suficiente para navegar pelas lojas existentes e movimentar os clientes. Os dados que esses robôs coletam são compilados e analisados para fornecer recomendações de melhoria

4) Smart Mirrows

Espelhos tradicionais estão sendo substituídos por displays inteligentes, que utilizam inteligência artificial, realidade virtual e tecnologia de reconhecimento de gestos possibilitando sobrepor roupas à sua imagem na tela, por exemplo. Com efeito, o espelho se torna um vestiário virtual onde você pode criar roupas completas sem nunca tirar a roupa. Essa tecnologia permite que você veja todos os itens – até mesmo aqueles que não estão em estoque – e experimente dezenas de combinações diferentes.

Para ver como seria o mesmo item em uma cor diferente, apenas passe a mão. Você pode até compartilhar sua foto na mídia social. Então, seus amigos podem lhe dar conselhos antes de comprar aquela nova jaqueta. Quando você entra em um provador, o espelho ganha vida com todos os itens que você usa, usando RFID. Você pode solicitar cortes e cores de outros tamanhos com a tela e um alerta é enviado à equipe de vendas para entregar o produto a você.

Usando Big Data, a equipe de vendas também pode oferecer produtos adicionais que outros clientes normalmente compram com esses itens. Essencialmente, isso traz a facilidade de fazer compras online para o mundo tangível do varejo. Com essa tecnologia é possível medir o tempo médio no provador e identificar quais itens têm a maior taxa de conversão.

5) Self-checkout

Após o suporte dos robôs e displays interativos, vem o processo de pagamento. Os checkouts de autoatendimento existem há mais de uma década, pagando com seu telefone ou através de caixas de autoatendimento. No entanto, a ascensão dessa tecnologia ainda está por vir. O futuro dos pagamentos é você sair da loja com seus itens sendo digitalizados automaticamente e o total sendo cobrado em sua conta.

A Amazon já possui lojas que identificam o consumidor na entrada e realiza a cobrança quando o mesmo vai embora, sem a necessidade de digitalizar itens e enfrentar filas.

 

Como a Grant Thornton pode auxiliar na transformação digital do seu negócio?

Conte com a nossa equipe de consultores em Tranformação Digital para apoiar a sua empresa varejista nesse processo.

Entre em contato conosco

Confira também