Muitos fabricantes se preocupam por acreditar que as iniciativas ESG possam gerar um aumento no uso de recursos, elevar seus custos ou comprometê-los em função de demandas idealistas.

Aqui vai uma boa notícia: você pode ter se preocupado mais do que o necessário – e seus próximos passos para criar valor e mitigar riscos com ESG podem ser mais fáceis do que você pensa.

Além disso, as próximas etapas podem representar ganhos mais rápidos ou podem estar ainda mais alinhadas com outros objetivos de negócio. O segredo é começar definindo o que deseja fazer, e alinhar este objetivo às suas capacidades e à sua liderança atuais. Por fim, basta apenas fazer acontecer.

Identifique seu objetivo

Para determinar o que deseja fazer, analise os regulamentos correspondentes e avalie as expectativas de seus clientes e de outras partes interessadas.

  1. Quais suas prioridades?
  2. Quais suas métricas?

A seguir, avalie sua situação atual. Pense em termos de políticas, processos, pessoal, dados e métricas.

  • O que já está em andamento?
  • O que você já está pronto para fazer?
  • Talvez o mais importante: o que você ainda não está pronto para fazer?
  • A seguir, considere fatores fora do ESG.
  • Quais objetivos de negócios são mais importantes para você?

Os objetivos empresariais de controle de custos, gestão de recursos, gestão de riscos e conformidade geralmente se alinham com os objetivos ESG. Em muitos casos, eles acompanham práticas recomendadas e métricas comumente aceitas que você já pode incorporar ao seu negócio. Considere os seguintes temas de ESG, juntamente com as atividades e as métricas associadas que você até já pode ter.

A evolução do ESG não é necessariamente um processo sequencial com etapas isoladas. Na verdade, geralmente é mais eficiente e realista quando as etapas se sobrepõem e se complementam umas às outras. Naturalmente, você investirá mais tempo nas áreas onde as prioridades ESG se alinham com suas capacidades.

É isso que o ESG representa para nossa empresa. Isso se alinha aos nossos valores. Isso é o que podemos fazer bem, e isso nos deixa confortáveis em realizar.

Agora você tem um foco para uma iniciativa ESG adequada à sua empresa. Para evoluir em sua iniciativa, como acontece na maioria das vezes, você precisa de alguém no comando.

Sócia Grant Thornton

“Há um processo na descoberta dos pontos em comum e na priorização das atividades. Ao fazer isso, você perceberá uma estrutura que atenderá às necessidades mais importantes de uma só vez.”
Jessica Feeley
Diretora de ESG e Serviços de Sustentabilidade da Grant Thornton

 

Identifique seu líder

Não há uma resposta padronizada sobre quem lidera o ESG em uma organização de manufatura. Seu foco será diferenciado para sua empresa, assim como sua liderança. Líderes ou equipes ESG dedicados podem ser essenciais à medida que um programa ESG evolui, mas muitos fabricantes atribuem uma liderança de ESG a uma função já existente.

Qual é a essência de seu projeto? Trata-se de um esforço focado em gestão de riscos ou em conformidade? Selecione um líder de uma dessas áreas. Se for mais social, pense em Gestão de Recursos ou RH. Se abranger diferentes unidades operacionais, o COO pode ser uma escolha natural. Trata-se de uma iniciativa estratégica que depende de dados? Nesses casos, Feeley afirma: “Muitas vezes é o CFO. Eles estão familiarizados com medições e relatórios. Eles têm acesso multifuncional a dados e pontos de contato. Eles exercem influência sobre a estratégia de negócios.”

O líder selecionado deverá ter acesso a interlocutores de alto nível. “Muitas vezes, os fabricantes selecionam um líder ESG temporário ou interino – porém, se não participarem de conversas estratégicas ou nos processos de planejamento estratégico, ficarão confusos sobre o que podem fazer”, afirma Feeley.

O líder também precisa de livre acesso às equipes relevantes. O Sócio-Gerente Nacional da Indústria de Manufatura da Grant Thornton, Robert Hersh, observa: "Se as questões são uma combinação de operações, conformidade ou risco, isso geralmente fica a cargo do comitê de auditoria ou mesmo ao modelo de governança da corporação".

“Se as questões são uma combinação de operações, conformidade ou risco, isso geralmente fica a cargo do comitê de auditoria ou mesmo ao modelo de governança da corporação".
Robert Hersh
Sócio-Gerente Nacional da Indústria de Manufatura da Grant Thornton

 

Faça acontecer

A maioria dos fabricantes irá requerer que as iniciativas ESG sejam conduzidas por equipes multifuncionais, muitas vezes com o apoio de patrocinadores de alto nível. Resuma e finalize o que você está tentando realizar, quais prioridades deseja enfatizar e que tipo de compromisso deseja assumir. Você precisa reconfirmar que possui total adesão dos executivos e estar pronto para responder a algumas questões táticas:

  1. De quais recursos humanos necessita para o planejamento inicial? O que você espera desses recursos?
  2. Há um patrocinador?
  3. Como você implementará os novos requisitos?
  4. Quais políticas poderão ser afetadas?
  5. Quais novas atividades serão criadas e quem serão os responsáveis?
  6. Quais métricas serão essenciais? Quais métricas de desempenho pessoal e departamental poderão mudar?
  7. Quais dados qualitativos e quantitativos serão necessários para aferir as métricas? Quais sistemas serão implementados para rastreá-los?
  8. Qual tecnologia será necessária?

É comum os fabricantes se sentirem intimidados pelo ESG. Pode parecer que está sendo solicitada a adoção de prioridades inconciliáveis, o uso de recursos inexistentes e compromissos inalcançáveis.

Não precisa ser assim. Estabeleça um foco alinhado com seus valores, com seus pontos fortes e com o que já está sendo feito. O processo pode ser significativamente menos desgastante e mais gratificante do que você imagina.

Hersh completa: “Dizemos aos clientes: ‘Existem maneiras criativas de tornar o ESG parte de um processo comercial normal. Ao mesmo tempo, você pode poupar esforços e melhorar seu perfil de custos’”.