Artigo

Quais os impactos da guerra comercial nos negócios da Ásia-Pacífico?

As empresas da Ásia-Pacífico (APAC) estão presas no fogo cruzado da guerra comercial entre os EUA e a China. Os padrões de comércio na região provavelmente mudarão de forma permanente, independentemente do desdobramento deste conflito. Diante dessa possível realidade, as empresas que apresentarem uma visão mais estratégica serão mais bem-sucedidas.

Trata-se de um novo tipo de guerra comercial global entre as duas maiores potências econômicas mundiais, com grande parte das tarifas sendo cobradas por objetivos políticos mais amplos, principalmente para controlar novas tecnologias e influenciar o comércio. Embora o conflito esteja silencioso desde a reunião do G20 em Osaka, em junho de 2019, quando ambos os lados concordaram em relançar as negociações comerciais, o desfecho permanece incerto.

Na prática, a guerra comercial está surtindo efeito, agravando a incerteza econômica e diminuindo a confiança na região.). De fato, a última edição do International Business Report (IBR) da Grant Thornton mostra que o otimismo empresarial na APAC caiu oito desde o segundo semestre de 2018, mais de 50% menor do que no primeiro semestre do ano passado.

As empresas precisam pensar em como podem garantir o crescimento diante de uma possível interrupção permanente do comércio. Isso exige que elas enfrentem os desafios da interrupção da cadeia de suprimentos, de tecnologias transformadoras de impacto social e do aumento de regulamentações e conformidade que podem impedir o acesso a novos mercados.

A guerra comercial tem um impacto misto em toda a região


As perspectivas econômicas dos países diferem em toda a região, com a guerra comercial afetando cada economia de maneiras diferentes.Na linha de frente da disputa está a China, que viu o número de empresas relatando incerteza econômica como uma restrição ao crescimento quase dobrar de 32% para 60% desde o primeiro semestre de 2018. Outros países asiáticos também estão na linha de fogo das tarifas dos EUA. O presidente Trump ameaçou implementar taxas sobre as importações de automóveis japoneses, a menos que os dois países cheguem a um acordo comercial, o que também pode envolver um compromisso do Japão de construir mais fábricas automotivas nos EUA.Singapura está sinalizando que poderia estar em uma recessão técnica, sendo uma nação comercial com fortes ligações com a China, enquanto profundamente enraizada na atual fase tímida do ciclo eletrônico. A incerteza econômica em Singapura subiu para 50% no primeiro semestre de 2019, acima dos 36% do segundo trimestre de 2018. A economia australiana também está desacelerando, com taxas de juros em baixas históricas de 1% e o governo buscando estimular o crescimento através do investimento em infraestrutura.

Emergentes estão se beneficiando

No entanto, algumas economias emergentes podem se beneficiar à medida que as empresas dinamizam sua produção. De acordo com Ken Atkinson, fundador e conselheiro sênior da Grant Thornton Vietnam, o Vietnã já viu uma aceleração da economia, devido à mudança na fabricação de itens como vestuário, calçados e ferramentas elétricas, devido às atuais tensões comerciais entre os EUA e a China. “Nos primeiros cinco meses de 2019, o Vietnã atraiu um recorde de US$ 16,5 bilhões em novos investimentos estrangeiros diretos, com 30% disso vindo de Hong Kong e aumento dos investimentos da China continental. Os principais beneficiários são, na verdade, as indústrias manufatureiras e de transformação”, aponta o executivo

Na Indonésia, Tommy David, líder de Tributos da PT Grant Thornton Strategic Consulting, diz que há uma crença comum de que a guerra comercial pode trazer benefícios para o país como empresas internacionais que querem realocar instalações de produção e explorar novas fontes de suprimento. Algumas das indústrias domésticas poderiam desfrutar de uma mudança positiva, por exemplo, móveis, têxteis, aço, calçados, smartphones e plásticos.

Sua vizinha, a Malásia, já está desfrutando de tais benefícios, com os fabricantes estabelecendo operações no país para evitar as tarifas, de acordo com Narendra Jasani, managing partner da Grant Thornton Malásia. O momento é fortuito para o país, que viu suas receitas de exportação de óleo de palma e petróleo atingidas por preços mais baixos.

Nas Filipinas, os líderes empresariais estavam mais otimistas do que em qualquer outro lugar na região, com 84% dizendo estar otimistas quanto às perspectivas da economia. Marivic Españo, presidente e CEO da P&A Grant Thornton nas Filipinas afirma que um grande impulsionador do crescimento vem da economia digital, que deve crescer de US$ 5 bilhões em 2019 para US$ 21 bilhões até 2025, além do compromisso ambicioso do governo com o desenvolvimento de infraestrutura, potencializando a demanda doméstica.

Identifique e reduza os riscos na cadeia de suprimentos

O desafio para as empresas que querem se remodelar a fim de atender à demanda da mudança de comércio não é apenas o tempo necessário para transferir a capacidade de produção de um país para outro, mas também a questão da cadeia de suprimentos. As redes de fornecedores na região estão ficando cada vez mais complicadas, e abordagens sofisticadas serão necessárias para gerenciá-las de forma eficaz. As empresas estão avaliando o impacto da guerra comercial em seus fornecedores, bem como em seus mercados. Embora eles possam reduzir os riscos revisando seus processos alfandegários e mapeando sua cadeia de suprimentos, mudanças mais fundamentais podem ser necessárias.

Rodger Flynn, líder regional da APACda Grant Thornton International, reforça a necessidade de evoluir e negociar. “Você precisa se perguntar quão seguras são suas cadeias de suprimentos tradicionais. Esses relacionamentos com fornecedores que podem ter sido forjados ao longo de muitos anos poderiam ser desafiados agora. Então você precisa atentar-se aos sinais das principais economias, particularmente à dos EUA”.

Ter várias cadeias de suprimentos é mais importante do que nunca. Até recentemente, as empresas que terceirizavam bens e materiais da China operavam uma estratégia de cadeia de fornecimento chamada "China plus one", que envolvia um fornecedor secundário em um país diferente em caso de interrupção. Isso pode não ser mais suficiente para manter as mercadorias em movimento.

 “A questão é quão permanente será essa guerra comercial e que impactos de longo prazo ela terá na cadeia de suprimentos. Se você tem seu método ‘China plus one’ agora, vai precisar de mais dois ou potencialmente mais três, mas em menor escala?”, diz Flynn

Na visão do Dr. Tim Klatte, líder dos serviços de consultoria forense de Xangai na Grant Thornton China, é do interesse das empresas chinesas concentrar-se no longo prazo e ir mais devagar em termos de investimentos relacionados aos EUA. “No momento, é especialmente importante que as empresas chinesas reconheçam que não precisam apostar tudo em um só lugar. Já vi empresas líderes diversificando investimentos em outras geografias. Evidência de diversificação de investimentos como uma opção viável para a China é abundante, e muitas empresas chinesas já implementaram essa estratégia”.

As empresas também precisam garantir que tenham a capacidade e as competências dentro de sua organização para gerenciar essas cadeias alternativas de suprimentos. Ao mesmo tempo, eles precisam adotar tecnologias como a automação de processos para reduzir custos iniciais, aumentar a eficiência e fazer bom uso dos dados.

Seja estratégico sobre a nova onda de tecnologia

A tecnologia tornou-se um problema central na relação EUA-China, dificultando a distinção entre competitividade econômica e segurança nacional, como no caso da Huawei. O conflito pesou sobre as indústrias de tecnologia e eletrônica dos dois países, sem sinais claros de resolução.

A região da APAC é uma das mais avançadas quando se trata de lançar e incubar novas tecnologias, e está liderando o desenvolvimento do 5G - uma potencial mudança de jogo para muitas empresas na região. Enquanto as capacidades tecnológicas da China avançaram a um ritmo acelerado, os EUA têm lutado para manter o ritmo.

Apesar da guerra comercial, o investimento em expectativas de tecnologia na região mostra um quadro misto com a maioria das nações do Sudeste Asiático antecipando um aumento significativo. As empresas indianas esperam um aumento líquido no investimento em tecnologia de 75% e nos negócios indonésios, um aumento líquido de 74% nos próximos 12 meses. Na China, o investimento em tecnologia deverá aumentar em 41% e na Malásia, em 9%, de acordo com o IBR.

Sanjay Sachdev, sócio da Grant Thornton Tailândia, diz que, apesar da guerra comercial, a região está pronta para liderar a próxima geração da indústria - conhecida como 5.0 -, que impulsionará grandes mudanças. “As organizações de pensamento estratégico mais voltadas para o futuro começarão a investir à frente”, explica ele.

O CXA Group é um exemplo de um negócio focado em tecnologia transformadora para resolver um problema. A corretora de seguros baseada em Singapura ajuda a tornar o seguro acessível aos indivíduos por meio de seus empregadores. Ele usa uma plataforma de previsão e inteligência de dados para oferecer aos funcionários opções personalizadas e flexíveis de saúde, a partir de uma coleção de mais de 1.000 produtos. O objetivo é manter os funcionários mais saudáveis - evitando doenças crônicas, como a diabete, que está aumentando na região - e reduzir os prêmios em geral, que dispararam nos últimos anos. A CXA tem sido um grande sucesso e recentemente levantou US$ 25 milhões para uma expansão adicional na Ásia e depois na Europa e na América do Norte.

“Essa guerra comercial trará uma enorme quantidade de oportunidades para todos os setores que forem suficientemente rápidos e espertos para aproveitá-la, utilizando fábricas e logística inteligentes para atender a essa demanda em tempo real, a fim de apoiar as organizações que precisam desses produtos. Você não pode se sentar e esperar para ver”.

A adoção de regulamentações internacionais amplia o acesso a novos mercados

À medida que os negócios crescentes da APAC se tornam mais integrados às cadeias de fornecimento globais, os compradores das economias desenvolvidas estão cada vez mais exigindo a adesão à conformidade regulatória e a padrões mais elevados. No Reino Unido, EUA e Europa, os executivos estão mais preocupados com as práticas da cadeia de suprimentos, porque podem enfrentar processos judiciais - no caso de leis anti-suborno, por exemplo - ou danos à reputação onde as práticas do fornecedor ficam aquém dos padrões éticos.

No entanto, a implementação de requisitos regulamentares internacionais é um desafio significativo e o progresso é frequentemente lento entre as empresas em países que pontuam muito mal no Índice de Percepção da Corrupção (Corruption Perception Index - CPI). De fato, o IBR mostra que entre os líderes empresariais nas economias emergentes da APAC, 44% citaram restrições regulatórias e complexidade como uma barreira externa para a expansão internacional. Isso é comparado a 28% dos líderes nas economias desenvolvidas da APAC.

“Uma das principais razões pelas quais Singapura é atraente para o resto do mundo é por causa de seus altos padrões regulatórios, com um sistema de jurisprudência estabelecido. Protege IP, tem pouco risco de soberania e possui legislação de segurança de dados que espelha o GDPR. As pessoas vêm para Singapura pela facilidade de fazer negócios”, aponta Flynn.

Chetan Hans, diretor de serviços de consultoria de relatórios financeiros da Grant Thornton Singapura, observa que "outros países asiáticos podem aprender com Singapura e devem procurar ter um ambiente de negócios que equilibre os regulamentos com a facilidade de fazer negócios".

Apelar para o aumento dos padrões e atender às novas regulamentações na Ásia também pode oferecer oportunidades para as empresas. Um exemplo disso é a Bubs Australia, que produz uma variedade de fórmulas infantis e alimentos para bebês orgânicos feitos com leite de cabra australiano. Após os escândalos de segurança alimentar na China, a demanda por produtos estrangeiros, particularmente na categoria de comida para bebês, disparou. Nos últimos dois anos, a empresa desfrutou de vendas significativas com base em uma agressiva estratégia de expansão na China.

As empresas devem lidar com seus desafios estratégicos de longo prazo

As empresas da APAC estão enfrentando um período de mudança sem precedentes à medida que buscam navegar em uma nova realidade econômica. Enquanto a incerteza perdura, as empresas devem procurar garantir cadeias de suprimentos futuras, aproveitar a tecnologia transformadora e abordar algumas das questões de conformidade internacional para se alinharem com os mercados mais amplos. Tudo isso poderia reduzir os riscos e fornecer recompensas significativas.

Como Flynn diz: “As empresas precisam pensar em sua estratégia daqui para frente. Haverá uma interrupção permanente no comércio e nas cadeias de suprimento, e não veremos um retorno aos moldes anteriores”.