Crowdfunding

Levantando fundos e ganhando defensores

O Reino Unido se tornou um líder em crowdfunding, quebrando as barreiras em relação ao tamanho dos acordos. E quem recebe os investimentos está descobrindo que não está só ganhando crescimento financeiro, está ganhando defensores apaixonados também.

Eric Migicovsky, fundador da empresa de smartwatches Pebble, estava arrancando os cabelos na primavera de 2012. Depois de meses de rejeição dos investidores do Vale do Silício, o empreendedor estava ficando sem opções (e sem capital).

O lançamento de uma campanha no Kickstarter era a sua última esperança. Even Migicovsky não podia prever qual seria o resultado: a Pebble arrecadou USD 10,3 milhões (£7,2 milhões) em pouco mais de um mês.

Apesar do site de crowdfunding dos Estados Unidos ter iniciado o movimento, o Reino Unido ganhou terreno desde então. “O Reino Unido está milhas à frente em financiamento de capital e financiamento externo para o verdadeiro “público (crowd, em inglês)”,” diz Alex Hoye, fundador da fabricante de esquis Faction Skis e investidor-anjo.

“Devido às leis restritivas em relação a investidores individuais nos EUA e às perspectivas progressivas de financiamento no Reino Unido, UK é o líder global para o verdadeiro financiamento de capital e financiamento externo para crowdfunding”.

Na medida em que o mercado de crowdfunding amadureceu, ele inevitavelmente se tornou mais complexo. Considerando que os benefícios aos investidores da Kickstarter não se alongam muito além de ganhar acesso antecipado a um novo produto ou serviço, modelos mais eficientes de financiamento de capital, como o da Crowdcube e da Seedrs, no Reino Unido, oferecem aos investidores uma fatia da empresa.

Financiadores p2p assim como a Funding Circle operam um modelo de financiamento externo, permitindo que os negócios estabelecidos peguem dinheiro emprestado sem desistir de nenhuma de suas empresas; ao invés disso, eles pagam juros sobre o dinheiro que pegam emprestado, muito parecido com o modo como fariam com um banco.

Preenchendo a lacuna do crowdfunding

É fácil ver porque o crowdfunding se tornou tão popular. Preenchendo a lacuna entre a chamada roda de “amigos e família” e as pesadas rodas de capital de risco, ele pode fornecer a um negócio jovem o dinheiro que ele precisa para sair do zero e lançar um produto no mercado.

Erik Fairbairn, fundador e Presidente da POD Point, uma empresa de carregamento de veículos elétricos, opera agora duas rodadas de crowdfunding: a primeira em 2014, quando ele levantou £1,22 milhões por meio da Seedrs, e a segunda em Dezembro de 2015, quando ele levantou £1,8 milhões por meio da Crowdcube.

“Eu cheguei até a Seedrs e disse: “Você acha possível usar o crowdfunding para levantar £1,5 milhão?” Eles disseram: “Eu acho que ninguém nunca fez isso antes, mas vamos tentar”," disse Fairbairn.

Por que o crowdfunding está sendo usado para levantar grandes somas de financiamento?

Isso marcou o começo do crowdfunding como veículo para levantar somas cada vez maiores de dinheiro. “Os acordos estão definitivamente ficando maiores," disse Luke Lang, cofundador do Crowdcube. “Nós fizemos acordos entre £1 milhão e £4 milhões no último ano e cinco deles estavam acima de £3 milhões. Antes do último ano, nós fizemos nove acordos de £1 milhão nos últimos três anos antes de 2011 e no fim de 2014,” disse Lang.

Isso pode ser parcialmente explicado pela crescente popularidade das rodadas cofinanciadas de capital de risco (CR). “As firmas de CR estão acordando para os benefícios do crowdfunding e vendo como o público pode ser uma parte valiosa no mix de financiamentos," ressalta Lang.

“Em 2015, havia uma tendência muito forte em relação aos acordos cofinanciados de CR; onde uma empresa tinha investidores de CR previamente, esteja o CR envolvido na rodada junto com o público ou seguindo o público na rodada. Nós fizemos por volta de 15 acordos [como este] no último ano.”

Nem todas as empresas são apropriadas para o crowdfunding, mas não pelas razões que se possa pensar. Elas não precisam necessariamente ser de bens de consumo, diz Lang.

“A maioria das pessoas ficaria surpresa em ouvir que 29% das empresas que foram financiadas no nosso site no último ano tinham um ângulo de B2B, dissipando o mito de que o crowdfunding é somente para bens de consumo,” ele diz.

Os potenciais investidores precisam realmente se conectar com a empresa, argumenta Hoye. “Crowdfunding de capital sério é melhor para os negócios que são tangíveis, que têm tração real de mercado e que as pessoas possam entender e aceitar. É um bônus se for uma firma que as pessoas possam amar e ser parte dela.”

O poder dos defensores

Essa é a parte da proposta que realmente chamou a atenção de Fairbairn, que agora tem 1.500 investidores na sua empresa. “Se você fizer as coisas certas, você conquista um número enorme de defensores. Nós temos essa imensa rede de 1.500 pessoas que, sempre que as conversas diárias se voltam para veículos elétricos, ou carregamento de veículos elétricos, são muito firmes sobre a POD Point. E em termos de relações públicas e de colocação da nossa empresa no mapa, isso é inestimável,” ele diz.

A visão do especialista

Daniel Demir, Diretor Associado e consultor da Grant Thornton Reino Unido LLP

O crowdfunding tem se tornado parte da cultura regular de negócios com o levantamento de fundos subindo até 295% de 2014 a 2015. É potencialmente um excelente modo de capitalizar fundos para o crescimento de uma empresa e abre o financiamento de PMEs como uma opção viável de investimento para investidores no varejo.

Como vimos nos últimos anos, o nível médio de fundos levantados está aumentando regularmente. Isso continuará neste ano devido ao aumento do investimento institucional e à introdução do Individual Savings Account (ISA) no Reino Unido, que facilita o investimento de crowdfunding com base em financiamento externo por meio de um wrapper de ISA.

Entretanto, o aumento nos fundos disponíveis pode levar a investimentos mais arriscados. A indústria ainda tem uma grande falha e será interessante ver como os investidores reagirão em tal situação.

O mercado continuará a crescer exponencialmente e mais regulamentações precisam ser aplicadas para assegurar a sua confiabilidade e integridade.

 

Receba nossas informações:

Série de vídeos Entenda o Equity Crowdfunding Assista ao 1° vídeo