Brexit

Os impactos em cada setor

O Reino Unido votou para sair da União Europeia. Mas o que isso significa para as organizações de cada setor?

Apesar de cada setor será afetado de forma diferente com a saída do Reino Unido da União Europeia, todos enfrentam o aumento da incerteza. É importante que você mantenha a calma, reveja os planos de contingência e avalie as implicações possíveis.

Nosso papel é ajudá-lo nessa missão; pois temos consultores internacionais preparados para ajudar você a entender este contexto. Por isso, neste texto, abordamos as principais implicações desta saída para organizações dos setores de: “energia e recursos naturais”, “serviços financeiros”, “saúde”, “terceiro setor”, “setor público”, “imóveis e construção” e “tecnologia, mídia e telecomunicações”.

Compartilharemos novas perspectivas para os próximos meses, à medida que o Reino Unido caminha em direção à saída da UE e as implicações se tornam mais claras.

Acompanhe nossas análises iniciais.

Energia e recursos naturais

O impacto mais imediato do voto Brexit é a incerteza, mas o setor de energia e recursos naturais está bastante acostumado a isso.

É muito cedo para dizer exatamente como as incertezas da Brexit se manifestarão, mas vale a pena lembrar que o mercado de energia do Reino Unido é, em grande parte, doméstico. Políticas do Reino Unido muitas vezes são mais relevantes do que as da UE. A incerteza pode trazer oportunidades, especialmente em um setor que já necessita de investimento. Combine isso com a probabilidade de valor mais baixo de ativos, pelo menos em curto prazo, e o setor de energia do Reino Unido poderia muito bem ser de interesse para os investidores no pós-Brexit".

Kevin Schroeder - Líder mundial de energia e recursos naturais

Serviços financeiros

Organizações de serviços financeiros devem calmamente mapear e avaliar as implicações específicas para o negócio diante deste cenário. Acreditamos que o trabalho inicial deve se concentrar em duas grandes áreas:

Análise do impacto regulamentar (principalmente no quesito "passaporte"). Em específico, empresas de serviços financeiros não pertencentes à UE que atualmente usam o Reino Unido como porta de entrada para a UE terão de acompanhar de perto a situação.

Avaliação do impacto na macroeconomia do Reino Unido e nos 27 estados-membros restantes. Em particular, organizações de serviços financeiros devem considerar a exposição, em médio prazo, à volatilidade da libra esterlina e do euro: o quão expostos os modelos de negócio estão para a UE; que medidas de proteção têm de ser postas em prática; e como administrar a comunicação com o cliente.

Jack Katz - Líder mundial

Healthcare

A decisão de sair da UE pelos eleitores do Reino Unido provavelmente acarretará em mudanças para o National Health Service (NHS), para as empresas farmacêuticas, para o processo de aprovação de medicamentos, entre outros. Embora seja impossível determinar a dimensão completa do impacto, prevemos que algumas das seguintes áreas sofrerão efeitos:

Drástica mudança regulamentar: o Reino Unido já não seria parte do processo de regulamentação e autorização de comercialização centralizada da UE. Há uma série de complicações associadas a isso, incluindo aprovações atrasadas de medicamentos e um aumento da carga de conformidade.

Diminuição do financiamento em pesquisa: cerca de 16% do financiamento para empresas de ciências da vida do Reino Unido vem de subsídios de pesquisa. A Brexit poderia cortar esse fluxo de financiamento.

Acesso a talentos: tanto o NHS como as empresas farmacêuticas enfrentam esse desafio. O NHS cada vez mais lutará com o acesso a talentos acessíveis, enquanto as empresas farmacêuticas poderiam observar cientistas migrarem para outros lugares em face a uma maior regulamentação e menores concessões.

Anne McGeorge - Líder mundial eleita para serviços de healthcare

 Terceiro Setor

O terceiro setor é variado. Não há um tamanho único para todas as organizações e existem diversas relações em nível internacional e com a UE. O setor se beneficia extremamente com a livre circulação de talentos, com o aumento da conectividade e o acesso ao financiamento que a adesão à UE traz, e vai querer proteger esses relacionamentos. Acreditamos que os subsetores podem ser afetados das seguintes maneiras:

Caridade: organizações dependentes de subsídios da UE deverão garantir fontes alternativas de financiamento.

Ensino superior: possui colaborações internacionais bem estabelecidas e deve considerar fluxos de financiamento de pesquisa alternativos, o que poderia impactar o recrutamento de talentos.

Habitação social: impactos irão variar de acordo com a dependência de investimento no exterior, da mão de obra Europeia e da exposição a vendas no mercado. O setor depende fortemente de financiamento do sistema financeiro institucional e, mais recentemente, do European Investment Bank (EIB).

Carol Rudge - Líder mundial de Terceiro Setor

Imóveis e Construção

A incerteza da Brexit gerou uma cascata em toda a Europa e outros grandes mercados globais. Sendo a quinta maior economia, há fortes correlações entre o Reino Unido e outros países. A partir de uma perspectiva do setor, começamos a ver os efeitos negativos sobre as construtoras do Reino Unido – primeiro por uma possível futura escassez de trabalhadores migrantes qualificados; e segundo por restrições aos financiamentos.

O impacto imediato da Brexit foi colocar muitas transações em espera – algumas podem até serem abortadas. Empresas cotadas de imóveis do Reino Unido também apresentaram quedas significativas no valor de cotação das ações, mas com recuperações provisórias. No todo, porém, o mercado imobiliário do Reino Unido continua a ser forte e já houve aumento do interesse de investidores oportunistas. A volatilidade do mercado provocada pelo anúncio da Brexit pode muito bem continuar, mas vale a pena lembrar que a volatilidade também cria oportunidades.

Sian Sinclair - Líder mundial do mercado imobiliário e de construção

Tecnologia, mídia e telecomunicações

O resultado do referendo foi decepcionante para os setores de tecnologia, mídia e telecomunicações (TMT). Pesquisas mostram que três quartos da comunidade de tecnologia do Reino Unido preferiram ficar na UE. E sondagens do setor de telecomunicações no Reino Unido revelam uma crença geral de que a Brexit afetará fundamentalmente um amplo espectro de empresas e da sociedade.

Incerteza será a palavra de ordem à medida que empresas e comunidades ao redor do mundo monitoram o que promete ser um processo de separação de vários anos. Mas, em face dessa turbulência, é importante manter a calma, rever o plano de contingência e avaliar os riscos e as oportunidades que ele cria.

Steven Perkins - Líder mundial de tecnologia, mídia e telecomunicações

Setor público

Apesar da incerteza atual, uma coisa é conhecida: o financiamento dos serviços públicos a médio prazo está intimamente ligado à força da economia britânica. Desde que a Brexit foi anunciada, o governo britânico abandonou sua meta e restabeleceu as finanças públicas para um saldo positivo em 2020. Em um mundo pós Brexit, os cinco fatores a seguir estão, mais do que nunca, sob análise: a política do governo, o acesso ao financiamento, a ajuda externa, o impacto sobre as instituições internacionais e o acesso ao talento.

Scott King - Líder mundial do setor público.

Receba nossas informações: