Governança Corporativa

Os cinco princípios de uma boa governança - remuneração

Por Simon Lowe

Remuneração e pagamento de executivos estão geralmente nas manchetes. Hoje nós exploramos boa governança através das lentes de remuneração.

Salários reais de executivos não aumentaram muito, entretanto, o crescimento em valor de opções de ações a longo prazo levaram a um aumento no valor do pacote de pagamento geral1. Simultaneamente, o pagamento médio estagnado de todos os funcionários levou à preocupação sobre desconexões entre pagamento de executivos e salários de funcionários2

Casos de maior notoriedade de acionistas que rejeitam ou votam contra políticas de remuneração estavam agregando pressão pública e do governo para tratar da remuneração de executivos.

Apesar de ter muitas pessoas discutindo o problema de pagamento de executivos, o acordo entre investidores e conselhos sobre como lidar com o problema é menos acessível2. A maioria das empresas estão utilizando mecanismos de melhores práticas, tais como LTIPs, períodos de aquisição e detenção a longo prazo, e disposições de recuperação na remuneração de seus executivos. Ao mesmo tempo, em conformidade com o Financial Times, um em dez das 100 principais empresas do Reino Unido estão reconsiderando LTIPs e movimentando-se em direção a bonificações baseadas em ações mais simples3 apesar do governo suspender suas propostas de sinal verde sobre aumentar exigências de relatório e simplificação dos modelos de incentivo a longo prazo4.

Há duas ideias importantes para boa governança sobre remuneração: relatório claro e compromisso transparente.

Claro, conciso e conectado 

O relatório de remuneração deve ser claro e conciso – similar ao restante do relatório anual. Nossa Revisão de Governança Corporativa de 2016 descobriu que embora 90% do FTSE 350 inclua uma política de remuneração clara, eles não são concisos o suficiente. O relatório de remuneração médica tem 18 páginas e continua a crescer, já que reportar sobre pagamento fica cada vez mais complicado. Comitês de remuneração deveriam estar liderando e trabalhando para tornar as políticas e exigências de relatório mais simples.

Uma falta de clareza acerca da conexão entre desempenho, recompensa e estratégia é uma das principais razões para o acionista discordar sobre o voto consultivo. Explicar as relações entre estratégia, KPIs e remuneração do diretor pode ser difícil, mas prevê insight significativo para incentivos executivos e suporta a sustentabilidade a longo prazo de um negócio.

O poder de compromisso

Três anos após a nova divulgação e votação sobre pagamento de diretor5, é mais importante do que nunca garantir boa governança através de compromisso e transparência entre acionistas e conselhos.  

O sistema de voto consultivo atual dá poder aos acionistas que, em muitos casos, prevê um circuito de retorno efetivo. Nós vemos isso em nossa pesquisa também - empresas que enfrentam um voto de remuneração discordante provavelmente respondem a preocupações do acionista no relatório do ano seguinte e expandem em suas explicações de compromisso do acionista.

Há espaço para aperfeiçoamento; no ano passado somente 13% do FTSE 350 declarou em seu relatório anual que seus diretores não-executivos (NEDs) - que incluiria cadeiras do comitê de remuneração - reuniram-se com acionistas pessoalmente. E 43% disseram que seus NEDs se disponibilizaram para se reunir com acionistas, mas nenhuma reunião ocorreu. Quando acionistas não estiverem exercendo este controle, isso pode estar mais relacionado ao compromisso do que deficiências nos regulamentos.

Coisas a considerar

  • Está claro como a estratégia de remuneração se relaciona à estratégia e finalidade da empresa?
  • A estratégia de remuneração é apropriada para a indústria, estratégia e etapa da empresa no ciclo de vida?
  • A remuneração executiva é proporcional ou relacionada ao pagamento de funcionário?
  • Quem está envolvido? O comitê de remuneração contrata consultores de remuneração?
  • O CEO, CFO e Chefe de RH estão engajados no processo para determinar remuneração para outros diretores? Esses relacionamentos são uma parte crucial do papel do comitê de remuneração, e deveriam ser analisados e reportados.
  • Boas políticas de remuneração não necessariamente têm que se adequar às normas de governança corporativa do Reino Unido, mas elas têm que ser apropriadas para o negócio. A política de remuneração deve explicar claramente porque a política é a mais adequada para a empresa.

Parece que mudanças no pagamento corporativo não estão na agenda do governo por ora, entretanto, a pressão pública permanece5significativa

O pagamento geral deveria ser proporcional e focado no longo prazo, o conselho deveria engajar-se regularmente com acionistas e outras partes interessadas sobre pagamento, e o relatório deve ser claro e conciso.

Referências

  1. Grant Thornton: 2016 Corporate Governance Review
  2. Financial times: How paying chief executives less can help corporate performance   
  3. Financial times: Backlash spurs blue-chips to rethink pay plans
  4. GOVERNO DO REINO UNIDO: Corporate governance reform
  5. Legislação do governo do Reino Unido: The Large and Medium-sized Companies and Groups (Accounts and Reports) (Amendment) Regulations 2013

 

Receba nossas informações:

Veja nossos conteúdos