Artigo

Como implementar ferramentas de BI no setor financeiro?

Os avanços tecnológicos têm exigido adaptações e um protagonismo cada vez mais acelerado das empresas para se manterem competitivas no mercado. Principalmente para áreas em que o volume de dados é muito alto e, tradicionalmente, utilizam de processos manuais. Como é o caso do setor financeiro, que tende a estar mais ativo junto ao TI para desenvolver ferramentas e processos de business inteligence (BI) que possibilitem o aumento da produtividade em análise das equipes.

Para entender melhor os desafios e propor soluções de negócios, os CFOs devem dominar as novas ferramentas que melhorarão o planejamento financeiro e, inclusive, as operações de negócios a partir da coleta de informações com Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (ERP). Dessa forma, os processos serão impulsionados e a infraestrutura de aplicativos financeiros fortalecida.

 

Como escolher as ferramentas de BI na área financeira?

A migração para a última geração de tecnologias é uma prioridade para que os líderes de áreas financeiras estejam a frente no mercado e, em muitos casos, apresentem as vantagens de seus próprios produtos e serviços. Mas como saber quais ferramentas utilizar e como ajustá-las aos seus objetivos de negócio?
Não há uma resposta certa, e uma consideração cuidadosa dos trade-offs é fundamental em relação às prioridades do negócio para moldar a avaliação, seleção, adaptação e implementação das ferramentas. No entanto, há duas opções como ponto de partida:

 

Opção sob medida

Ponto positivo: processos de negócios financeiros inovadores, com o desenvolvimento de ferramentas conduzidos, geralmente, por profissionais da área que compreendam do orçamento e do planejamento.

Ponto negativo: como o processo de adaptação à funcionalidade financeira específica leva tempo, essas tecnologias subjacentes não são as arquiteturas mais novas. O trade-off é o tempo para a implementação e os custos para adequar às suas operações financeiras vs. o melhor desempenho e usabilidade, e menores custos operacionais das arquiteturas mais recentes (considere cloud, AI, blockchain).

 

Opção pré-configurada

Ponto positivo: a combinação entre o curto tempo de implementação e as melhores práticas pode gerar resultados mais rápidos nas funcionalidades financeiras.
Ponto negativo: a necessidade potencial de replantar a funcionalidade ao longo do tempo para aproveitar as novas arquiteturas e a falta de acesso aos recursos analíticos e de apresentação mais recentes.

 

Implementando novos processos

O desafio para os processos escolhidos é conseguir a infraestrutura e mantê-la atualizada no mesmo ritmo do crescimento da empresa. Esse ritmo de crescimento requer rápida escala. Neste caso, a contribuição do CFO é valorizada pela eficácia na fase de crescimento – obtendo insights a partir do uso de ferramentas analíticas – e na eficiência da infraestrutura – ganhando economias ao alavancar ferramentas dentro dos processos.

Um processo significativo a considerar é uma mudança no modelo operacional. A decisão é menos sobre ferramentas e mais sobre o ambiente, por exemplo, como serviço ou na nuvem.

Em seu papel transformador, os líderes dos setores financeiros estão construindo a infraestrutura de business inteligence nos próximos meses e, ao mesmo tempo, ajudando a prepara-las para os próximos anos.

 

Quer iniciar esse processo na sua empresa? Conte com os profissionais de Consultoria da Grant Thornton.

Consultoria empresarial Quer iniciar esse processo na sua empresa? Conte com os profissionais de Consultoria da Grant Thornton. Saiba mais e entre em contato

Veja também