• Otimismo do empresário brasileiro para 2017

Otimismo do empresário brasileiro para os próximos 12 meses retorna ao patamar de 2012, aponta Grant Thornton.

Os empresários brasileiros estão mais otimistas em relação aos negócios para os próximos 12 meses, segundo o estudo International Business Report (IBR), realizado pela auditoria e consultoria Grant Thornton, que avalia a expectativa de 2.600 líderes de mercado em 37 economias. O otimismo chegou a 59% no 4º trimestre de 2016, crescimento de 14 pontos em relação ao trimestre anterior e maior índice desde o 4º trimestre de 2012, quando o índice de otimismo estava em 77%.

Quando se considera a média anual, o crescimento foi de 42 pontos percentuais, passando de -15% para 27%. Em 2007, ano em que o levantamento foi realizado no Brasil pela primeira vez, o otimismo era de 47%, chegou a 71%, em 2010 e 2012, e entrou em declínio nos anos seguintes, 32% (2013), 27% (2014) e -15% (2015).

Veja no gráfico abaixo a série histórica da média anual de otimismo brasileiro na última década:

“O aumento no otimismo é um ponto positivo que pode ter refletido uma luz no fim do túnel, quanto ao fim das grandes incertezas no futuro. Quando se tem maior estabilidade econômica e as regras do jogo são mais claras os riscos podem ser melhor mitigados, tornando o ambiente mais predisposto a investimentos”, destaca Daniel Maranhão, sócio líder da área de consultoria e auditoria da Grant Thornton.

“Os pontos que podem ter levado os empresários a se mostrarem otimistas nas respostas foram a aprovação da PEC do teto dos gastos públicos; a tendência de baixa dos juros; as perspectivas do fim da impunidade e o início de conversa sobre a reforma da previdência para 2017. Algumas medidas tomadas no final de 2016, tais como aprovação da mudança na consolidação das leis do trabalho, redução dos juros de cartão de crédito, liberação de saque do FTGS de contas inativas e o pacote de medidas microeconômicas poderão favorecer para um cenário econômico mais otimista em 2017, com a possibilidade da criação de empregos e redução de custos para empresas e pessoas físicas”, complementa.  

No ranking geral, o Brasil subiu 3 posições, saltando da 14ֺª para 11ª colocação entre os países mais otimistas, empatado com a Alemanha e à frente dos Estados Unidos (13º), Suécia (14%), Espanha (15º), Canadá (18º), Reino Unido (20º) e França (23%). Os países que apresentam os melhores indicadores são Indonésia, Índia e Filipinas. Já os mais pessimistas são Grécia, Japão e Malásia. 

“O aumento no otimismo é um ponto positivo e reflete que o empresário está percebendo que o país pode começar a retomar o caminho do crescimento a médio e longo prazo com as medidas que estão sendo tomadas para resolver as incertezas econômicas e políticas que ainda estão presentes no país”, analisa Daniel Maranhão, sócio líder da área de consultoria e auditoria da Grant Thornton.

Demais indicadores

Além do aumento no otimismo, a pesquisa melhora em importantes indicadores como receita (64%, 5 pontos a mais em relação ao trimestre anterior); empregabilidade (29%, sendo 4 pontos de crescimento); rentabilidade (50%, oito pontos de crescimento); pesquisa e desenvolvimento (43%, dez pontos de crescimento); incerteza 56% (queda de 15 pontos) e custos de energia (19%, queda de dez pontos).

Variação porcentual

 

2015 to 2016

Q2 to Q3

Otimismo

42

14

Receita

5

-4

Empregabilidade

13

4

Rentabilidade

19

8

Custos com energia

23

10

Pesquisa e desenvolvimento

5

10

Incerteza econômica

3

15

As iniciativas que os empresários apontaram para investir na busca do crescimento nos próximos 12 meses são: aumento da força de vendas (59%); incentivo a melhorias de produtividade (49%) e investimentos em marketing (43%).

“Mesmo com sinais de melhoras no otimismo, ainda existem alguns pontos a serem resolvidos em 2017. A reforma da previdência e os possíveis impactos que podem vir das delações oriundas da Operação Lava-Jato ainda são algumas incertezas que podem impactar a economia”, diz Maranhão.

Cenário Mundial

Globalmente o otimismo ficou em 38%, crescimento de 5 pontos em relação ao terceiro trimestre de 2016, e representa o maior nível desde o 3º trimestre de 2015, quando também foi de 38%. O IBR revela um aumento no humor de empresários de vários países no último trimestre. Nos Estados Unidos, o otimismo aumentou de 43% para 54%, tendência que é repetida em outros blocos econômicos pelo mundo, como a China, que passou de 30 para 46% e União Europeia, que passou de 28% para 34%.

 “Temos clientes em mais de 140 países e podemos dizer que a incerteza dominou o mundo dos negócios em 2016, principalmente com o Brexit e as eleições presidenciais nos Estados Unidos. Mesmo com a definição da vitória de Donald Trump, a incerteza ainda deve continuar em 2017, pois ainda não sabemos as medidas que serão tomadas pelo governo americano e as eleições na Alemanha e na França podem alterar o cenário na Europa”, destaca Francesca Lagerberg, Líder Global da Grant Thornton.

Sobre o IBR

O International Business Report da Grant Thornton (IBR) é uma pesquisa realizada há 22 anos que tem como objetivo fornecer informações sobre as opiniões e expectativas de mais de 10 mil empresas de 36 economias. São entrevistados CEOs, diretores, presidentes e outros executivos seniores, levando em conta os cargos mais relevantes para cada país.

Sobre a Grant Thornton Brasil
A Grant Thornton é a quinta maior firma de auditoria, tributos, consultoria, transações e outsourcing no Brasil. Firma-membro da Grant Thornton International Ltda., conta com uma equipe de especialistas experientes e equipes multidisciplinares e acesso global às mais variadas metodologias, ferramentas e profissionais da rede global da Grant Thornton. 

Informações para a Imprensa 
Textual Comunicação 

Diogo Cruz (Atendimento) – diogocruz@textual.com.br (11) 5180-6931
Renan Albertini (Gerência) – renanalbertini@textual.com.br (11) 5180-6927